Ian Paisley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Nota: A Wikipédia não é um jornal, se pretende elaborar um resumo das notícias recentes relacionadas a esse evento utilize o Wikinotícias que é a Wiki adequada a essa função.
Editado pela última vez em 4 de outubro de 2014.

Ian Richard Kyle Paisley
Ian Richard Kyle Paisley
Primeiro-ministro da Irlanda do Norte
Mandato 8 de maio de 20075 de junho de 2008
Antecessor(a) David Trimble
Sucessor(a) Peter Robinson
Vida
Nascimento 6 de abril de 1926
Armagh, Irlanda do Norte
Morte 12 de setembro de 2014 (88 anos)
Belfast, Irlanda do Norte
Dados pessoais
Primeira-dama Eileen Paisley
Partido Partido Unionista Democrático
Religião Presbiteriano
Profissão Religioso e ativista político

Ian Paisley (Armagh, 6 de abril de 1926 - Belfast, 12 de setembro de 2014) é um líder religioso e ativista político norte-irlandês. Primeiro-ministro da Irlanda do Norte de 2007 a 2008, Paisley se dedicou a defender o Protestantismo e a união da Irlanda do Norte com o Reino Unido. Paisley ajudou a fundar o Partido Unionista Democrático (DUP), em 1971, e é membro do parlamento britânico desde 1970, sendo assim o parlamentar norte-irlandês há mais tempo em atividade ininterrupta na atualidade. Em 2005, o DUP de Paisley ultrapassou o Partido Unionista do Ulster, para se tornar o principal partido político da causa unionista na Irlanda do Norte.

Entre as décadas de 1960 e 1980, Paisley articulou grupos paramilitares de combate ao Exército Republicano Irlandês (IRA). Entre as organizações em que Paisley participou, constam Ulster Protestant Volunteers, Third Force e Ulster Resistance.

Paisley procurou combater a influência da Igreja Católica e do homossexualismo na Irlanda do Norte.[1]

Em 1988, quando o Papa João Paulo II foi fazer um discurso ao Parlamento Europeu, Ian Paisley, então líder do Partido Unionista Democrático e membro da Igreja Presbiteriana Livre de Ulster, gritou: "eu o denuncio como o anticristo!" e levantou uma bandeira vermelha onde estava escrito "Papa João Paulo II ANTICRISTO". Otto de Habsburgo, o príncipe herdeiro da Áustria-Hungria pegou a bandeira de Paisley e, juntamente com outros eurodeputados, ajudou a expulsá-lo da câmara. O Papa continuou com seu discurso após Paisley ter sido expulso.

No final dos anos 1970, Paisley lançou a campanha Salvem a Irlanda da Sodomia (Save Ulster from Sodomy), para impedir que a legalização de atos libidinosos homossexuais, conseguida na Câmara dos Comuns britânica por iniciativa de Leo Abse, se estendesse à Irlanda do Norte. Até os dias de hoje, o DUP continua a adotar uma postura de combate ao homossexualismo.[2]

Referências

  1. Rev Ian Paisley puts ‘Antichrist’ days behind him to join service led by a Catholic, 21 de janeiro de 2008
  2. Henry McDonald. "Blair delays gay marriage bill to give Paisley party chance to vote", The Observer, 19 September 2004. Página visitada em 2008-05-07.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.