Ibn Al-Mukafa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Abū Muhammad ʿAbd Allāh Rūzbih ibn Dādūya
Ocupação tradutor e escritor

Abū Muhammad ʿAbd Allāh Rūzbih ibn Dādūya (em persa: ابومحمد عبدالله روزبه بن دادویه), melhor conhecido como Ibn al-Muqaffaʿ (em árabe: ابن المقفع - em Persa: ابن مقفع) ou Rūzbeh pūr-e Dādūya (em persa: روزبه پور دادوَيه), foi um pensador persa do século VIII (724 - c. 756) e um Zoroastrista convertido ao Islão.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Destacou-se pela tradução do persa para o árabe da obra "Kalila e Dimna" (Kalīla wa Demna),[2] uma versão da colecção de fábulas hindus "Panchatantra" ("Cinco Casos de Sabedoria"). Estes contos alcançaram enorme popularidade durante a Idade Média, e a versão árabe de Ibn al-Mukafa foi em grande parte responsável por isso, uma vez que foi a base para traduções ao siríaco, persa, hebreu, latim e castelhano[3] . Vários manuscritos árabes de Calila e Dimna existem, mas nenhum deles é o original de Ibn Al-Mukafa e há várias diferenças estilísticas entre eles, de maneira que é difícil reconstruir exatamente a tradução original. Sabe-se, porém, que esta e outras obras de Ibn Al-Mukafa constribuíram para o desenvolvimento da literatura árabe em prosa, inspirando imitadores e artistas[3] .

Além de Calila e Dimna, Ibn Al-Mukafa também traduziu do persa ao árabe Xwadāy-nāmag, uma crónica semi-lendária dos antigos reis, nobreza e heróis da época da Dinastia Sassânida (224-651 d.C), antes da conquista do Império pelos muçulmanos[3] . Ibn Al-Mukafa também escreveu obras originais como Ketāb al-ādāb al-kabīr, em duas partes: a primeira trata da importância do legado cultural e espiritual sassânida e a segunda é um livro de conselhos para os príncipes[3] .

Traduções[editar | editar código-fonte]

Kalila e Dimna: ilustração de manuscrito persa do século XV (Topkapi Palace Museum, Istambul, Turquia.

A obra mais importante de Ibn Al-Mukafa pode ser considerada Calila e Dimna, traduzida a várias línguas. Já no século IX a obra havia sido traduzida de volta ao persa, tanto em prosa como uma versão em versos[3] .

Na Europa, em 1251, o então infante Afonso, futuro Afonso X de Castela, determinou a tradução de "Kalila e Dimna" para o castelhano. Esta tradução foi oferecida como presente à esposa de Filipe, o Belo, Joana de França, que por sua vez incumbiu Ramon de Bèziers de traduzi-la para o latim[4] .

Paralelamente, entre 1263 e 1278, João de Cápua traduziu a obra do hebraico para o latim, com o título de "Directorium humanae vitae". É possível que Raimundo Lúlio tenha tido contato com uma destas versões, possivelmente esta última, tendo-a usado por sua vez para a sua doutrinação, em termos de instrução e de moral, das monarquias de seu tempo. Desse modo, vários exemplos do bestiário medieval de "Kalila e Dimna" - o leão e a lebre, o papagaio, o macaco e o vaga-lume -, estão presentes na narrativa em "O Livro das Bestas", incluído no "Livro das Maravilhas" de Lúlio[4] . Os exemplos narrados nesta ultima obra têm o mesmo sentido moralizante da primeira: a perversidade da raposa (homem que se corrompe com a proximidade do poder) deverá servir de exemplo para que os monarcas estejam precavidos contra os maus conselheiros.

Notas

  1. McComas Taylor. The Fall of the Idigo Jackal. p. 3
  2. Robert Irwin (2006). The Penguin Anthology of Classical Arabic Literature. Penguin Books Limited. p. 128. ISBN 978-0-14-196261-0.
  3. a b c d e Ibn Al-Mukafa na Encyclopaedia Iranica
  4. a b da Costa, Ricardo. A novela na Idade Média: O Livro das Maravilhas (1288-1289) de Ramon Llull [1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • IBN AL-MUKAFA. Calila e Dimna (trad. e apres. de Mansour Challita). Rio de Janeiro: Associação Cultural Internacional Gibran, s/d.
  • Dževad Karahasan "Al-Mukaffa" ARBOS-Wieser-Edition, Klagenfurt-Salzburg 1994, ISBN 3 85129 141 7.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ibn Al-Mukafa
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.