Ibn Battuta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Litografia do início do século XX representando ibn Battuta no Egito

Shams ad-Din Abu Abd Allah Muhammad ibn Muhammad ibn Ibrahim al-Luwati at-Tanyi (em árabe: شمس الدين أبو عبد الله محمد بن محمد بن إبراهيم اللواتي الطنجي), mais conhecido como Ibn Battuta (ابن بطوطة), foi um viajante e explorador berbere, nascido em Tânger a 17 de rajab do ano 703 da Hégira, correspondente a 25 de fevereiro de 1304, e falecido em 1377.

Partiu da sua cidade natal em 1325 para a sua primeira viagem, cuja rota englobava o Egipto, Meca e o Iraque. Mais tarde, correu o Iémen, a África Oriental, as margens do rio Nilo, a Ásia Menor, a costa do mar Negro, a Crimeia, a Rússia, o Afeganistão, a Índia - onde visitou Calecute, por exemplo -, as ilhas da Sonda (Indonésia) e a região de Cantão, na China.

Nos últimos anos de vida, esteve em Granada, Espanha, quando esta era ainda a capital do reino nasrida (dinastia muçulmana ibérica). Realizou depois a travessia do deserto do Saara pelo famoso e mítico trilho das caravanas de Tombuctu. Por fim, acabou por se fixar no seu país de origem, Marrocos, onde acabaria por falecer em 1377, na importante cidade de Fez. Como testemunho das suas viagens deixou ficar a obra ditada e escrita pelo seu secretário, que se intitula Tuhfat annozzâr fi ajaib alamsâr, a qual relata as várias epopeias e jornadas aventurosas da sua vida de viajante explorador.

Primeiros anos e primeira hajj[editar | editar código-fonte]

Tudo que se sabe sobre a vida de Ibn Battuta vem da informação autobiográfica incluída no relato de suas viagens. Ibn Battuta nasceu em uma família de estudiosos das leis do Islão em Tânger, Marrocos, em 25 de fevereiro de 1304, durante a dinastia merínida.[1] Quando jovem, teria estudado na "escola" sunita Maliki da lei muçulmana, que era dominante no norte de África naquele tempo.[2] Em junho de 1325, quando tinha vinte e um anos de idade, Ibn Battuta partiu de sua cidade natal em uma hajj (peregrinação) a Meca, uma viagem que levaria 16 meses, mas ele não veria novamente o Marrocos por 24 anos.

Uma ilustração de livros do século XIII em Bagdá produzida por al-Wasiti que mostra um grupo de peregrinos em uma Hajj

Sua viagem a Meca foi por terra, onde seguiu a costa norte-africana cruzando os sultanatos de Abd al-Wadid e Hafsid. O seu percurso passou por Tlemcen, Béjaïa e depois Túnis, onde permaneceu por dois meses. Ele normalmente optava por participar de uma caravana para reduzir o risco de ser atacado. Na cidade de Sfax, casou-se pela primeira vez dentre várias outras vezes em suas viagens.

No início da primavera de 1326, após uma viagem de mais de 3.500 km, Ibn Battuta chegou ao porto de Alexandria, então parte do império mameluco Bahri. Ele passou várias semanas visitando lugares e depois foi para o interior até o Cairo, uma importante cidade grande capital do Reino Mameluco, onde permaneceu por cerca de um mês. Dentro do território mameluco, viajar era relativamente seguro e ele iniciou o primeiro de suas muitas voltas. Existiam três vias comumente usadas para ir a Meca, e Ibn Battuta escolheu a menos percorrida: uma viagem até o vale do Nilo e então a leste até o porto de Aydhab, no Mar Vermelho.[3] No entanto, ao se aproximar da cidade, ele foi forçado a retornar devido a uma rebelião local.

Voltando ao Cairo, Ibn Battuta tomou um segundo caminho secundário para Damasco (então controlada pelos mamelucos), pois havia encontrado um homem santo, durante sua primeira viagem, que profetizara que ele só iria alcançar Meca após uma viagem pela Síria. Uma vantagem adicional para o caminho secundário era que outros lugares santos ficavam ao longo da rota — Hebron, Jerusalém, e Belém — e as autoridades mamelucas faziam grandes esforços para manter as rotas seguras para os peregrinos.

Depois de passar o mês muçulmano do Ramadã em Damasco, juntou-se com uma caravana que percorria os 1.500 km de Damasco a Medina, local do sepultamento do profeta islâmico Maomé. Após 4 dias na cidade, viajou para Meca. Lá completou os rituais habituais dos peregrinos muçulmanos e tendo adquirido o status de al-Hajji, restava-lhe regressar à sua casa, mas decidiu continuar viajando. Seu próximo destino foi o Ilcanato situado nos atuais Iraque e Irã.

Iraque e Pérsia[editar | editar código-fonte]

Uma exposição interativa sobre Ibn Battuta em Ibn Battuta Mall em Dubai, Emirados Árabes Unidos

Em 17 de novembro de 1326, após um mês em Meca, Ibn Battuta juntou uma grande caravana de peregrinos retornando através da Península Arábica para o Iraque.[4] A caravana foi inicialmente para o norte de Medina e, em seguida, viajando à noite, em direção nordeste através do planalto do Néjede até Najaf, uma jornada que durou cerca de 44 dias. Em Najaf, visitou o mausoléu de Ali ibn Abi Talib, o quarto califa bem guiado e genro de Maomé, um lugar particularmente venerado pela comunidade xiita.

Neste ponto, em vez de continuar em direção a Bagdá com a caravana, Ibn Battuta iniciou um desvio de seis meses que o levou para a Pérsia. De Najaf viajou para Wasit e depois para o sul seguindo o Rio Tigre até Basra. Seu próximo destino era a cidade de Isfahan através do Cordilheira de Zagros na Pérsia. Dali seguiu para o sul até Xiraz, uma próspera cidade grande que havia sido poupada da destruição causada pela invasão mongol em muitas outras cidades do norte. Finalmente, voltou através das montanhas para chegar a Bagdá em junho de 1327. Partes da cidade estavam em ruínas, seriamente danificadas pelo exército de Hulagu Khan.

Em Bagdá, descobriu que Abu Sa'id, o último governante mongol do Ilcanato estatal unificado, estava deixando a cidade em rumo norte, com uma grande comitiva. Ibn Battuta viajou com a caravana real por um tempo, então desviou-se para o norte, até Tabriz, na Rota da Seda. Esta tinha sido a primeira cidade importante da região a abrir suas portas para os mongóis e tornou-se um importante centro comercial depois que a maioria das seus rivais nas proximidades foram destruídas.

Ao retornar novamente a Bagdá, provavelmente em julho, ele tomou uma excursão para o norte seguindo o rio Tigre, visitando Mossul e depois Cizre e Mardin, ambas na moderna Turquia. Ao retornar para Mossul, juntou-se a um caravana "alimentadora" de peregrinos que rumava ao sul para Bagdá, onde encontraram a caravana principal que cruzava o Deserto da Arábia em direção a Meca. Ibn Battuta ficou doente com diarreia nesta viagem, chegando de volta a Meca fraco e esgotado para sua segunda hajj.

Locais visitados por Ibn Battuta[editar | editar código-fonte]

Ibn Battuta viajou cerca 46 mil km durante sua vida. Aqui se apresenta uma lista de alguns locais onde ele esteve.

Referências

  1. Dunn 2005, p. 19
  2. Dunn 2005, p. 22
  3. Aydhad era um porto situado na costa oeste do Mar Vermelho em 22° 19′ N 36° 29′ E. Veja Peacock, David; Peacock, Andrew (2008), "The enigma of 'Aydhab: a medieval Islamic port on the Red Sea coast", International Journal of Nautical Archaeology 37: 32–48, doi:10.1111/j.1095-9270.2007.00172.x 
  4. Dunn 2005, pp. 89-103
  5. Candice Goucher, Charles LeGuin, e Linda Walton, Trade, Transport, Temples, and Tribute: The Economics of Power, in In the Balance: Themes in Global History (Boston: McGraw-Hill, 1998)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Defrémery, C.; Sanguinetti, B.R. trans. and eds. (1853-1858), Voyages d’Ibn Batoutah (Arabic and French text) 4 vols., Paris: Société Asiatic . Google books: Volume 1, Volume 2, Volume 3, Volume 4.
  • Dunn, Ross E. (2005), The Adventures of Ibn Battuta, University of California Press, ISBN 0-520-24385-4 . First published in 1986, ISBN 0-520-05771-6.
  • Gibb, H.A.R. trans. (1929), Ibn Battuta Travels in Asia and Africa (selections), London: Routledge . Reimpressa diversas vezes. Trechos estão disponíveis no Site da Universidade Fordham.
  • Gibb, H.A.R.; Beckingham, C.F. trans. and eds. (1958, 1962, 1971, 1994, 2000), The Travels of Ibn Baṭṭūṭa, A.D. 1325–1354 (full text) 4 vols. + index, London: Hakluyt Society, ISBN 978-0904180374 .
  • Hrbek, Ivan (1962), "The chronology of Ibn Battuta's travels", Archiv Orientalni 30: 409–486 .
  • Levtzion, Nehemia; Hopkins, John F.P., eds. (2000), Corpus of Early Arabic Sources for West Africa, New York, NY: Marcus Weiner Press, ISBN 1-55876-241-8 . Primeira publicação em 1981. As páginas 279-304 contêm relato de Ibn Battuta sobre sua visita à Àfrica Ocidental.
  • Mackintosh-Smith, Tim (ed.) (2003), The Travels of Ibn Battutah, Picador, ISBN 0-330-41879-3 .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ibn Battuta