Idade das Trevas do Camboja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Idade das Trevas do Camboja cobre a história da Camboja a partir do século XV ao século XIX, um período de contínuo declínio e perda territorial.[1] O Camboja teve um breve período de prosperidade durante o século XVI, porque seus reis, que construíram suas capitais na região sudeste do Tonle Sap, ao longo do rio Mekong,[2] promoveram o comércio com outras partes da Ásia.[3]

Este foi o período que aventureiros e missionários espanhois e portuguêses visitaram pela primeira vez o país. Mas a conquista Siamese da nova capital em Longvek em 1594 pelo rei Naresuan, acentuou a crise do país e o Camboja tornou-se um peão nas lutas de poder entre seus dois vizinhos cada vez mais poderosos, o Sião e o Vietnam.[3]

O assentamento do Vietnã no Delta do Mekong levou à sua anexação dessa área no final do século XVII. O Camboja, assim, perdeu parte do seu mais rico território e foi cortado seu acesso ao mar. Tais invasões estrangeiras continuaram até a primeira metade do século XIX porque o Vietnã estava determinado a absorver as terras Khmer e forçar os habitantes a aceitar a cultura vietnamita.[4]

A luta do Camboja pela sobrevivência, 1432-1863[editar | editar código-fonte]

O período de mais de quatro séculos que se passaram desde a perda de Angkor no começo do século XV até o estabelecimento de um protetorado sob a presidência francesa em 1863,[5] são consideradas pelos historiadores do Camboja como "Idade das Trevas",[3] um período de estagnação no desenvolvimento económico, social e cultural, quando os assuntos internos do reino passaram cada vez mais sob o controle de seus vizinhos, o tailandês (Sião) e os vietnamita.[2]

Por meados do século XIX, o Camboja era sempre manipulado na lutas do poder entre o Sião e o Vietnã e,[2] provavelmente, teria sido completamente absorvido por um ou outro, se a França não tivesse intervenido, dando-lhe a oportunidade de continuar existindo, apesar de ser sob o domínio do Império Colonial Francês.[3]

Medo da extinção racial e cultural tem persistido como um tema importante no pensamento moderno do Camboja e ajuda a explicar o intenso nacionalismo e xenofobia e seu suporte original para o Khmer Vermelho durante a década de 1970.[5]

A criação em 1979 da República Popular da Kampuchea, um Estado satélite dominado pelos vietnamita, pode ser visto como o ponto culminante de um processo de invasão dos vietnamita, que tinha iniciado por volta do século XVII.[5]

Mapa do Sudeste da Ásia no sec. XV

.

O processo de decadência interna e invasão estrangeira foi gradual, e quase não era evidente no século XV, quando os Khmers ainda eram poderosos.[2] Após a queda de Angkor Thom, a corte real cambojana abandonou a região norte do Tonle Sap ao Sião, para nunca mais voltar com exceção de um breve interlúdio no final do século XVI.[6] Neste período no entanto, o pendor para a construção dos monumentos Khmer havia cessado.[6] Religiões mais antigas, como o budismo Mahayana e o culto do deus-rei Hindu tinham sido suplantadas pelo Budismo Theravada,[2] [5] e os cambojanos havia se tornado parte do mesmo cosmo religioso e cultural do siamês.[7] [5] Esta semelhança no entanto, não impediu guerras intermitentes entre os dois reinos.[2] Durante o século XVI os exércitos do Camboja, sem sucesso, invadiram o reino Siamese várias vezes aproveitando-se das guerras entre os siamese e birmaneses.

Nesse meio tempo, após o abandono dos locais Angkorianos, os poucos sobreviventes Khmer, estabeleceram uma nova capital a centenas de quilômetros a sudeste no que é hoje Phnom Penh.[2] Este novo centro de poder foi localizado na confluência dos rios Mekong e Tonle Sab.[2] [5] Assim, eles controlavam o comércio que passava pelo rio ligando o centro do reino Khmer, o reino do Laos e tinham acesso, por meio do Delta do Mekong, para o rotas comerciais que ligavam a costa da China, o Mar da China Meridional, e do Oceano Índico.[6] Um novo tipo de Estado e de sociedade surgiu,[5] mais aberto ao mundo exterior e mais dependente do comércio como fonte de riqueza do que seu antecessor.[2] O crescimento do comércio marítimo com a China durante a dinastia Ming (1368-1644) proporcionou oportunidades lucrativas para os membros da elite do Camboja que controlavam monopólios comerciais.[2] O aparecimento dos europeus na região no século XVI também estimulou o comércio.[6]

Rei Ang Chan (1516-1566), um dos poucos grandes monarcas Khmer do período pós-Angkorian, mudou a capital de Phnom Penh para Lovek.[6] Viajantes portuguêses e espanhóis que visitaram a cidade, localizada às margens do Tonle Sab, um rio ao norte de Phnom Penh, a descrevem como um lugar de riquezas fabulosas.[6] Os produtos comercializados são muitos, incluídos pedras preciosas, metais, seda e algodão, incenso, marfim, laca, pecuária (incluindo elefantes), e corno de rinoceronte (valorizada pelos chineses como um medicamento raro e potente).[6] Ao final do século XVI e início do século XVII, Lovek continha florescentes comunidades de chineses, indonésianos, malaios, japoneses, árabes, espanhois e portuguêses ligados ao comércio exterior.[6] A eles se juntaram mais tarde inglêses e holandêses.[6] [5]

Foi durante este período (1555-1556) que o português frei Gaspar da Cruz fez a primeira tentativa de introduzir o cristianismo no país. De acordo com a sua própria conta, sua tentativa foi um fracasso completo devido a forte convicção "Hinduista" do rei e das classes dominantes, no entanto, o breve relato que ele fez de sua missão oferece uma visão interessante sobre as "práticas religiosas" da nação naquele tempo.[8]

Porque os representantes de praticamente todas essas nacionalidades eram piratas, aventureiros, ou comerciantes, esta foi uma época de cosmopolitismo tempestuoso.[6] Duramente pressionado pelos siameses, para pagar suas dívidas,[5] o rei Sattha (1576-1594) cercou-se de uma guarda pessoal de mercenários espanhois e portuguêses, e em 1593 pediu ao governador espanhol das Filipinas ajuda.[6] Atraídos pelas perspectivas de estabelecer um protetorado espanhol no Camboja e de converter o monarca para o cristianismo, o governador enviou uma força de 120 homens, mas Lovek já tinha sido conquistada pelos Siamese quando eles chegaram no ano seguinte.[6] Os espanhóis aproveitaram da situação extremamente confusa para colocar um dos filhos de Sattha no trono em 1597.[6] A esperança de tornar o país uma dependência espanhola foi frustrada, porém, quando os espanhóis foram massacrados dois anos mais tarde por um contingente beligerante de mercenários malaios.[6]

Camboja no século 17 na Português mapa

Os siameses sob o comando do rei Naresuan, deram um golpe fatal a independência do Camboja, capturando Lovek em 1594.[5] Com a com a chegada do governador militar Siamese na cidade, foi estabelecido pela primeira vez no reino um controle dos residentes estrangeiros.[5] Crônicas cambojanas descrever a queda de Lovek como uma catástrofe da qual a nação nunca se recuperou totalmente.[5] O Sião governou o Camboja a maioria dos próximos 300 anos,[5] para no final perder o Camboja para os franceses em 1907.

Dominação pelo Sião e pelo Vietnam[editar | editar código-fonte]

Camboja por volta do ano 1650

Mais do que a conquista de Angkor um século e meio antes, a captura pelos siameses de Lovek marcou o início do declínio do Camboja.[9] Uma possível razão para o declínio foi o rapto imposto pelos conquistadores siamese, de milhares de camponeses khmer, artesãos qualificados, acadêmicos e membros do clero budista, quando o exercito retornavam para sua capital Ayutthaya.[9] Essa prática, comum na história do sudeste da Ásia, incapacitou o Camboja de recuperar sua antiga grandeza. A nova capital foi estabelecida em Khmer Odongk (Udong), ao sul de Lovek, mas seus monarcas só poderia sobreviver aceitando o que equivalia a uma relação de vassalo com os siamese e os vietnamitas.[9] Na linguagem comum, Sião se tornou "pai" do Camboja e o Vietnã a sua "mãe".[9]

Por volta do século XV, os vietnamitas tinha absorvido completamente o poderoso reino marítimo de Champa, no centro do Vietnã.[9] Milhares de Chams fugiram para o território khmer.[9] No início do século XVII, os vietnamitas tinham chegado ao delta do Mekong, que era habitada por povos Khmer.[9] Em 1620 o rei Khmer Chey Chettha II (1618-1628) se casou com uma filha de Phuc Nguyên, da dinastia Nguyên (1558-1778), que governou o sul do Vietnã a maior parte do período da Dinastia Lê (1428-1788).[9] Três anos depois, Chey Chettha permitiu que o vietnamita estabelecesse um posto alfandagârio em Nokor Prey, perto do que é agora a cidade de Ho Chi Minh (até 1975, Saigon).[9] No final do século XVII, a região estava sob o controle administrativo vietnamita, e ao Camboja foi cortado o acesso ao Mar da China Meridional e o comércio com o mundo exterior por esse caminho só era possível com a permissão vietnamita.[9]

O Sião, que poderia ter sido cortejado como um aliado contra as incursões vietnamitas no século XVIII, se envolveu em um novo conflito com a Birmânia.[9] Em 1767 a capital siameses de Ayutthaya foi sitiada e destruída, mas os siameses se recuperam rapidamente, e logo reafirmaram seu domínio sobre o Camboja.[9] O jovem rei Khmer, Ang Eng (1779-1796), um refugiado na corte do siamesa, foi instalado como monarca em Odongk por tropas siamesas.[9] Ao mesmo tempo, Sião tranquilamente anexou mais três província ao norte do Camboja.[9] Além disso, os governantes locais das províncias do noroeste de Batdambang e Siemreab (Siem Reap) tornaram-se vassalos do rei siamês, ficando sob a esfera de influência Siamesa.[9]

A luta renovada entre o Sião e Vietnã pelo controle do Camboja no século XIX resultou em um período que as autoridades vietnamitas, governando a parte central do país através de um rei fantoche do Camboja, tentaram forçar o pais a adotar costumes vietnamitas aos cambojanos.[9] Diversas rebeliões contra o governo vietnamita se seguiram. A mais importante delas ocorreu em 1840-1841 e se espalhou grande parte do país.[9] Após dois anos de luta, Camboja e seus dois vizinhos chegaram a um acordo que colocou o país sob a suserania conjunta de Siam e Vietnã.[9] A pedido de ambos os países, um novo monarca, Ang Duong (1848-59), ascendeu ao trono e trouxe uma década de paz e relativa independência ao Camboja.[9]

Em seu tratamento arbitrário da população Khmer, o Siamese e os vietnamitas eram virtualmente indistinguíveis. O sofrimento e o deslocamento causado pela guerra foram comparáveis em algumas muitas maneiras as experiências do Camboja na década de 1970.[9]

Os Siamese e os vietnamitas tinham atitudes fundamentalmente diferentes sobre as suas relações com o Camboja.[9] Os Siamese compartilhavam com o Khmer uma religião, mitologia, literatura e cultura comum.[9] Os reis Chakri em Bangkok queria lealdade, tributos, e a terra do Camboja, mas eles não tinham intenção de mudar os valores do seu povo ou modo de vida.[9] Os vietnamitas viam o povo Khmer como bárbaros a serem civilizados através da exposição à cultura vietnamita, e eles consideravam as terras férteis Khmer como lugares legítimos para a colonização por colonos vindos do Vietnã.[9]

Referência[editar | editar código-fonte]

  1. French Indochina multilingualararchive.com.
  2. a b c d e f g h i j Library of Congress Country Studies. Cambodia: Introduction.
  3. a b c d cambodia/1653 Camboja cambodian.info/history-of cambodia.
  4. Ross Marlay, Clark D. Neher. Patriots and Tyrants: Ten Asian Leaders. [S.l.]: Rowman & Littlefield, 1999. 147 pp. ISBN 0847684423
  5. a b c d e f g h i j k l m Library of Congress Country Studies. CAMBODIA'S STRUGGLE FOR SURVIVAL, 1432-1887 ..
  6. a b c d e f g h i j k l m n cambodias_struggle_for_survival workmall.com.
  7. Thailand-Cambodia A Love-Hate Relationship kyotoreview.cseas..
  8. Boxer first2= Galeote, Charles Ralph; Pereira; Cruz, Gaspar da; Rada, Martín de (1953), South China in the sixteenth century: being the narratives of Galeote Pereira, Fr. Gaspar da Cruz, O.P. [and Fr. Martín de Rada, O.E.S.A. (1550-1575)], Issue 106 of Works issued by the Hakluyt Society, Printed for the Hakluyt Society, pp. lix,59–63, http://books.google.com/books?id=ImoTAAAAIAAJ 
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Library of Congress Country Studies. Camboja: Domination by Thailand and by Vietnam.