Idealização suicida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A idealização suicida é um termo médico utilizado para se referir a pensamentos sobre suicídio, que podem ser tão detalhados quanto a formulação de um plano, sem o ato suicida propriamente dito. Embora muitas pessoas que desenvolvam uma idealização suicida não venham a cometer suicídio, algumas prosseguem com a idéia e tentam tirar a própria vida. [1] O espectro da idealização suicida varia enormemente, indo desde o flerte até o planejamento detalhado, a encenação e o parassuicídio, que podem ser deliberadamente construídos para falhar ou serem realmente letais.

Num estudo conduzido na Finlândia por Michael F. Gliatto e Anil K. Rai, publicado em março de 1999, 22% das vítimas de suicídio examinadas havia discutido a intenção suicida com um profissional de saúde em sua última visita.

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

Epidemiológicos[editar | editar código-fonte]

  • Homens, brancos, idade superior a 65 anos;
  • Homens entre 20 - 25 anos
  • Viúvos ou divorciados;
  • Vivem sozinhos, sem filhos menores de 18 anos em casa;
  • Presença de eventos estressantes durante a vida.

Transtornos psiquiátricos[editar | editar código-fonte]

Passado[editar | editar código-fonte]

  • Histórico de tentativa de suicídio;
  • Histórico familiar de tentativa de suicídio.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a morte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.