Campus Juiz de Fora do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ifet juiz de fora)
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais. Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde outubro de 2012)
IFSEMG
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas - Campus Juiz de Fora
Logotipo IFET.svg
Fundação 2 de fevereiro de 1957 [1]
Tipo de instituição Pública Federal
Total de estudantes 3000[1]
Ensino técnico Informática
Design de Móveis
Mecânica
Metalurgia
Eventos
Transações Imobiliárias
Transporte Rodoviário
Eletromecânica
Eletrotécnica
Edificações
Eletrônica
Transporte Ferroviário
Diretor(a) Paulo Rogério Araújo Guimarães[2]
Estado Minas Gerais
Página oficial [1]
Entrada do IFET Juiz de Fora.jpg
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Juiz de Fora é uma escola técnica do Instituto Federal do Sudeste de Minas que substitui o antigo Colégio Técnico Universitário da UFJF. Seu Diretor de Ensino é Rodrigo Alvim.[3] [4] Obteve a terceira melhor média do Enem entre as demais escolas técnicas federais em 2009.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Setor da UFJF[editar | editar código-fonte]

Desempenho no ENEM
Ano Média*
2010[6]
  
668.36
2009[7]
  
688.95
*Média = média final da escola
Instituto Federal; Colégio Técnico Universitário

O CTU foi fundado em 2 de fevereiro de 1957 pelo então diretor da UFJF, Dr. Josué Lage Filho, nas dependências da Escola de Engenharia com o nome de Cursos Técnicos da Escola de Engenharia, para atender à demanda de mão-de-obra qualificada do país, que estava em alta devido ao crescimento urbano e industrial da época.[1] Contava inicialmente com os cursos de Máquinas e Motores, Eletrotécnica, Pontes e Estradas, e Edificações, todos com duração de três anos e com aulas ministradas nas antigas instalações e laboratórios da Escola de Engenharia, no prédio onde hoje funciona o Diretório Central dos Estudantes (DCE), e no prédio onde funciona atualmente o Colégio de Aplicação João XXIII da UFJF.[1]

Instituição subordinada à UFJF[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1965, os Cursos Industriais Técnicos da Escola de Engenharia foram reconhecidos como Colégio Técnico Universitário, devido ao desenvolvimento do país, que requisitava técnicos.[1] Ao final da década de 1970 foi criado o curso de Metalurgia, e o prédio da Fábrica Meurer na Rua Antônio Dias, onde algumas aulas eram ministradas, precisou ser desocupado. Então o CTU foi transferido ára o Campus da UFJF, onde atualmente é a Faculdade de Engenharia, oferecendo algumas aulas no atual prédio da Casa de Cultura, situado à Av. Rio Branco.[1]

Na década de 80, houve a necessidade de o CTU mudar-se novamente para outro espaço. Desta vez, a escola passa a ocupar galpões provisórios, onde hoje se localiza a Faculdade de Arquitetura da UFJF. Atendendo à ascensão da informática, em 1987 é criado o curso técnico de Informática Industrial.[1]

O último lugar que o Colégio Técnico Universitário ocuparia antes de se iniciar a construção de seu campus próprio seria a antiga Faculdade de Odontologia da UFJF, localizada na Rua Espírito Santo.[1]

No espaço destinado à antiga Escola União-Indústria, no bairro Fábrica, iniciou-se a construção definitiva do Campus do CTU em setembro de 1993, através de uma negociação com o Ministério da Agricultura. Entretanto, a transferência para a sede própria se consolidaria, de fato, em 1998.[1]

Em 1999 são criados cursos no setor de prestação de serviços. Os primeiros foram os cursos técnicos em Transações Imobiliárias e Turismo (hoje Eventos). Em seguida vieram os cursos de Transporte e Trânsito (hoje Transporte Rodoviário), Design de Móveis e mais recentemente o de Transporte Ferroviário. Criou-se também, 2 cursos de graduação: Engenharia Mecatrônica e Licenciatura em Física.[1]

Hoje o IFJF possui um espaço físico de 36.000 m2, com aproximadamente 2.000 m2 de área construída, em expansão.[1]

Nessa trajetória, o IF Sudeste MG - Câmpus Juiz de Fora cresceu consideravelmente, tanto na quantidade de alunos, como na ampliação do corpo docente e da oferta de cursos. Hoje são quase 3.000 alunos distribuídos nos cursos de Informática, Design de Móveis, Mecânica, Metalurgia, Eventos, Transações Imobiliárias, Transporte Rodoviário, Eletromecânica, Eletrotécnica, Edificações, Eletrônica e Transporte Ferroviário. Ainda oferece cursos técnicos na modalidade a distância (EaD), com os cursos de Enfermagem, Segurança do Trabalho e Serviços Públicos. Possui 3 cursos superiores: Bacharelado em Sistemas de Informação, Engenharia Mecatrônica e Licenciatura em Física.[1]

Instituição independente[editar | editar código-fonte]

Atualmente a Escola faz parte da rede de Institutos Federais, e do IF Sudeste MG, em conjunto com outras Instituições Federais de Ensino da Zona da Mata e Campo das Vertentes. A nova Instituição abre novos horizontes para a Escola, potencializa o crescimento quantitativo e qualitativo de suas ações e continua a marcar cada vez mais a importância da sua contribuição para o desenvolvimento econômico e social de Juiz de Fora e região.[1]

Imagens do local[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m História do CTU, acessado em 11 de outubro de 2010.
  2. Congregação aprova transformar CTU em IFET Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (1 de março de 2008). Página visitada em 8 de outubro de 2011. "Segundo o diretor do CTU, Prof. Paulo Rogério Araújo Guimarães [...]."
  3. CTU realiza audiência pública para discutir formação inicial de docentes Universidade Federal de Juiz de Fora (23 de abril de 2008). Página visitada em 8 de outubro de 2011. "De acordo com a Diretora de Ensino do Colégio, professora Maria da Graça Martins Guerra[...]. [...] No CTU, o encontro será conduzido pela Diretora de Ensino e Professora Maria da Graça Martins Guerra[...]."
  4. OBMEP estimula alunos da rede pública a estudar Matemática Ecaderno (17 de agosto de 2010). Página visitada em 8 de outubro de 2011. "Uma grande incentivadora de Weslley foi a professora de matemática e diretora de ensino Maria da Graça Martins Guerra."
  5. Acessa.com, acessado em 11 de outubro de 2010.
  6. Veja notas no Enem 2010 por escola G1 (12 de setembro de 2011). Página visitada em 23 de novembro de 2011.
  7. O ranking de escolas do Enem 2009 Veja. Página visitada em 23 de novembro de 2011.