Paróquia Matriz Santo Antônio de Pádua (Americana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paróquia Matriz Santo Antônio de Pádua
Estilo dominante Neoclássico
Construção 1950-1977
Diocese Diocese de Limeira
Bispo D. Vilson Dias de Oliveira
Local Americana (SP),  Brasil

O Paróquia Matriz Santo Antônio de Pádua ou Santuário-Paróquia Santo Antônio de Pádua, é o maior templo católico construído em estilo neoclássico no Brasil. Localiza-se na cidade de Americana, São Paulo. Está em andamento no Vaticano o projeto de transformação da igreja em Basílica, podendo em pouco tempo ser elevada catedral da possível diocese de Americana. Atualmente é o maior templo da diocese de Limeira. Com um rico patrimônio de arte sacra, suas paredes foram pintadas pelos irmãos italianos Pedro e Uldorico Gentilli. É um dos principais pontos turísticos da cidade de Americana. [1]

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

A cidade de Americana cultiva uma forte tradição católica, originada com a chegada dos imigrantes italianos em 1887. Em meados de 1896, foi construída nas terras da Fazenda Salto Grande a primeira capela em homenagem a Santo Antônio, por estes imigrantes italianos.

Dada a influência dos confederados protestantes, a então Vila dos Americanos contava com um pequeno templo protestante desde 1894. Com o aumento da população, torna-se necessária a construção, também, de um templo católico na vila. Então, o Cap. Ignácio Corrêa Pacheco, doa um terreno para a construção do templo, construído em mutirão pelos próprios italianos. Em 13 de junho de 1897 é inaugurada a igreja com uma missa em homenagem a Santo Antônio, escolhido para ser o padroeiro da vila. Esta capela daria origem a atual Matriz Velha de Santo Antônio.

Construção[editar | editar código-fonte]

Desde o final da década de 1940, a Matriz Velha tinha se tornado pequena demais para a população americanense, e começou a ser feito o estudo da possibilidade de se construir uma nova matriz. O Monsenhor Nazareno Maggi foi o precursor da idéia e lutou com os políticos e ao lado da população para que esse sonho se tornasse realidade.

A construção iniciou-se em 1950, pela empresa campineira Lix da Cunha. As previsões de custo assustaram os católicos, e para arrecadar fundos foram feitas varias campanhas na época. A pintura da igreja ficou a cargo dos irmãos italianos Pedro e Uldorico Gentilli, havendo também a participação do pintor e restaurador, Alberto Ettore Gobbo. Pedro Gentilli começou a trabalhar em 1961 e acabou falecendo envenenado pela tinta que usava em 8 de agosto de 1968. Adoeceu quando pintava o quadro da morte de São José, que foi mantido inacabado. A obra da pintura da igreja continuou com seu irmão Uldorico Gentilli, que terminou o trabalho em 1972. Em 22 de abril de 1972 o Monsenhor Maggi falece sem ver totalmente pronto o projeto que ele dedicou toda a vida. Os retoques finais da igreja foram concluídos em 1977.[2]

13 de Junho de 2013[editar | editar código-fonte]

A cidade de Americana alegrou-se, juntamente com a Igreja diocesana e do Brasil com a solene celebração do seu Padroeiro, Santo Antônio de Pádua, ocasião na qual a Igreja Matriz fora contemplada com o título de Santuário diocesano. A Solenidade de elevação ao grau de Santuário teve lugar no dia 13 de junho (feriado municipal), iniciando-se às 09h45 com o hasteamento das Bandeiras do Vaticano, do Brasil, de Americana e do Santuário Santo Antonio de Pádua e em seguida a Solene Santa Missa de Elevação presidida pelo então Bispo Diocesano, D. Vilson Dias de Oliveira contando com ainda com a participação de autoridades e clérigos da região.

O edifício[editar | editar código-fonte]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A Matriz Nova de Santo Antônio é a maior igreja da diocese de Limeira e a maior do seu estilo no Brasil.[3] Construída em estilo neoclássico, mede 22 metros de altura em 80 metros de comprimento, com 30 metros de largura. Sua cúpula tem 50 metros de circunferência, e seu piso se estende por 42 metros. A fundação da igreja conta com 560 grandes estacas de concreto, e foram utilizados 3 milhões de tijolos em sua construção. A igreja tem forma de cruz latina, com cinco naves e transepto com cúpula sobre o cruzeiro. A fachada, é formada por seis colunas sustentando sua torre.

Arte Sacra[editar | editar código-fonte]

Suas paredes e teto têm pinturas que são verdadeiras obras de arte, pintadas pelos irmãos Pedro e Uldorico Gentilli, havendo também a participação do pintor e restaurador, Alberto Ettore Gobbo. Uldorico Gentilli esculpiu doze imagens para o lado externo da cúpula. Destas imagens, oito medem 3,4 metros de altura e quatro medem 2,40 metros. As figuras foram modeladas em barro e depois fundidas em cimento. Mais tarde, em 1959, foi instalado em cima da cúpula uma imagem de Santo Antonio com 4,10 metros de altura, junto com os sinos. De cada janela foi feito um vitral com um dos dez mandamentos, feitos por diversos artistas, seguindo as imagens bíblicas, já selecionadas pelo Monsenhor Nazareno Maggi. A pintura foi feita em vidros importados da Alemanha, que foram cozidos no fogo. Alberto Ettore Gobbo contribuiu também ao criar o projeto original da Torre da Matriz.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]