Igreja de Antioquia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antioquia.
Gravura de William Miller.

A Igreja de Antioquia (em árabe: كنيسة أنطاكية) é uma das cinco grande Igrejas que compunham a Igreja Cristã antes do grande cisma do oriente.

História[editar | editar código-fonte]

A Igreja de Antioquia traça suas origens à comunidade cristã fundada pelos apóstolos Pedro e Paulo. Posteriormente, ela se tornou um dos cinco grandes Patriarcados, parte da Pentarquia.

Na Bíblia, de acordo com Atos 11:19-26, a comunidade cristã de Antioquia começou quando cristãos que foram expulsos de Jerusalém fugiram para lá. A eles se juntaram cristãos vindos de Chipre e Cirenaica, que migraram também para a cidade. Foi ali que os seguidores de Jesus passaram a ser chamados de "cristãos". E lá também Paulo iniciou as suas três viagens missionárias, tema principal dos Atos dos Apóstolos.

Na dispersão da igreja original de Jerusalém, logo após os problemas originados das corajosas ações de Estevão, alguns judeus cipriotas e cirenaicos, que tinham sido criados em terras de cultura helênica e tinham uma visão de mundo mais ampla do que os judeus palestinos, vieram para Antioquia. Lá, eles "inovaram", convidando não apenas judeus, mas também gregos. Há duas possibilidades sobre isto. A primeira, de que realmente houve pregação ativa aos gregos e muitos deles se converteram e se juntaram à Igreja. Ou, que a inovação se deu em passos mais lentos, sendo que os primeiros gregos a ouvirem as pregações eram prosélitos que iam à sinagoga[1] .

Antioquia está intimamente conectada com a história inicial do cristianismo. Lá era o grande ponto central de onde os missionários para os gentios eram enviados (provavelmente após a Grande Comissão).

O Patriarcado[editar | editar código-fonte]

A sede do Patriarcado era originalmente em Antioquia, atualmente a cidade turca de Antakya. Porém, no século XV d.C., ele foi movido para a Síria em resposta à invasão otomana.

Atualmente cinco "ramos" da Igreja cristã alegam ser sucessoras do Patriarcado de Antioquia, três dos quais - o melquita, o sírio e o católico maronita - estão em comunhão plena com a Igreja Católica e, portanto, reconhecem mutuamente as alegações das outras. A Igreja Ortodoxa de Antioquia é parte da Igreja Ortodoxa e a Igreja Ortodoxa Síria é parte da Ortodoxia Oriental.

São elas:

A Igreja Católica também alegou a sucessão ao patriarcado após a conquista da cidade na Primeira Cruzada (o cerco de Antioquia) e passou a a apontar patriarcas titulares de rito latino para Antioquia durante muitos séculos, mas renunciou à alegação em 1964, com a extinção do Patriarcado Latino de Antioquia.

Ver também[editar | editar código-fonte]


A Pentarquia
Bispo de Roma
(Lista de papas)
Patriarca da Igreja de Alexandria
(Lista de patriarcas)
Patriarca da Igreja de Antioquia
(Lista de patriarcas)
Patriarca da Igreja de Jerusalém
(Lista de patriarcas)
Patriarca da Igreja de Constantinopla
(Lista de patriarcas)


Referências

  1. Ramsay, W.M.. St. Paul the Traveler and the Roman Citizen: The Church in Antioch (em ). [S.l.: s.n.]. Capítulo 3.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]