Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja Nossa Senhora dos Navegantes
Construção 1919
Diocese Arquidiocese de Porto Alegre
Padre Luiz Remi Maldaner
Bispo Dadeus Grings
Local Porto Alegre,  Brasil

A Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes é um dos templos católicos mais populares da cidade de Porto Alegre. É o foco de uma das maiores procissões da cidade no dia 2 de fevereiro.

Origens[editar | editar código-fonte]

Imagem da Padroeira no altar-mor

A devoção à Senhora dos Navegantes chegou em Porto Alegre em 1869, trazida pelo clero baiano da comitiva do Bispo Dom Sebastião Dias Laranjeira, e sua imagem foi encomendada ao escultor João Afonseca Lapa, da Vila Nova de Gaia, Portugal, pelos portugueses João José de Farias, Joaquim Assunção, Antônio Campos e Francisco Lemos Pinto.

A imagem foi primeiramente instalada na Capela do Bom Fim em 1871, sendo então benta, mas logo em seguida foi levada em procissão até a Capela do Menino Deus, onde ficou por alguns anos até a construção do seu templo próprio.

As primeiras capelas[editar | editar código-fonte]

Em 21 de janeiro de 1875 Margarida Teixeira de Paiva doou um terreno, no fim do Caminho Novo, hoje a Rua Voluntários da Pátria, para construção do primeiro templo dedicado à Senhora dos Navegantes. Poucos dias depois, uma provisão episcopal autorizou a construção de uma capela, que foi erguida em madeira.

Contudo, de início os portugueses proprietários da imagem não consentiram com a sua remoção da Capela do Menino Deus, e ela passou para os cuidados da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, até que houve um acordo e, então, a imagem foi levada em procissão fluvial à sua nova casa. Esta primeira capela foi destruída pelo fogo e, em 1896, foi erguida outra no mesmo lugar, já de alvenaria e, no ano seguinte, foi promovida a sede do curato. Esta segunda capela também foi consumida pelas chamas em 21 de dezembro de 1910, junto com a antiga imagem da padroeira e os arquivos eclesiásticos, salvando-se apenas o cálice da comunhão e o bastão do juiz.

O edifício atual[editar | editar código-fonte]

Aspecto do interior

Novamente a comunidade reergeu o local de culto, agora ampliado, terminado em 1912 e inaugurado solenemente em 23 de março de 1913, com uma estátua da Virgem feita à semelhança da que se perdera no incêndio, também obra de João A. Lapa.

Em 28 de junho de 1919 o curato foi elevado a paróquia. Em 1935 o templo passou por obras de ampliação, adicionando-se naves laterais e reformando-se a decoração, com as obras sendo concluídas em 1945. Em agosto de 2004 o piso foi restaurado.

O edifício tem um estilo neogótico simplificado, com torre única centralizada e duas naves laterais com uma série de arcobotantes, pequenos pináculos e pilastras destacadas no exterior. Sobre a porta de entrada existe um baixo-relevo com a imagem da Santa salvando náufragos.

No interior as três naves são decoradas com simplicidade, destacando-se porém um grande crucifixo à esquerda da entrada, o gracioso coro, a bela série de vitrais com figuras diversas nas janelas e a imagem da Padroeira no altar-mor, que é um fino exemplar de escultura sacra.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vargas, Élvio (editor). Torres da Província: História e Iconografia das Igrejas de Porto Alegre. Porto Alegre: Pallotti, 2004.
  • Franco, Sérgio da Costa. Guia Histórico de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 4ª edição, 2006.