Ilha Sorna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Ilha Sorna (ou Isla Sorna em espanhol) é uma ilha fictícia da série de livros e respectivamente filmes de Jurassic Park - Parque dos Dinossauros. É conhecida como o "Sítio B" ou "Ponto B".1 2

Localização Geográfica[editar | editar código-fonte]

A Isla Sorna está localizada a 87 milhas da Isla Nublar e 207 milhas a oeste do Golfo de Nacoya (Costa Rica), 8,20º de latitude norte e 88,15º de longetude oeste. É a maior ilha do arquipélago Las Cinco Muertes, composta pelas ilhas Mataceros, Muerta, Sorna, Tacaño e Peña.

Projeto Genesis[editar | editar código-fonte]

Um mosquito fossilizado em âmbar.

A Ilha Sorna, uma das cinco ilhas do arquipélago "As Cinco Muertes" permaneceu em segredo até meados da década de 1990. Ao ser descoberta, revelou ser um grande mistério. No livro, os dinossauros eram soltos na ilha. Não havia cercas, nem fossos e poucas câmeras automáticas. O abandono da Ilha Sorna pela InGen não é esclarecido nos livros. No filme pode-se ver que a ilha possuía cercas elétricas, tendo sido abandonada e os animais soltos, permitindo que vivessem em liberdade logo depois de um grande furacão, que arrasou parte das instalações e provocou uma crescente onda de baixas.

O Verdedeiro Laboratório

Esta era, e não a Núblar, a ilha onde ocorriam os experimentos e a recriação propriamente dita dos animais e plantas. O que era mostrado como parte do passeio em Núblar - um laboratório de engenharia genética equipado com encubadoras - não passava de uma estratégia para dar a impressão de que as recriações sempre funcionavam e eram seguras.

Muitas das experiências deram errado. Diversos espécimes nasceram com algum tipo de anomalia, seja genética ou física. Muitas das experiências realizadas neste local eram antiéticas e inconseqüentes, como estudo comportamental, administração de remédios, fabricação de equipamento, gerenciamento de DNA e correção na sequência genética. Nenhum dinossauro era clonado na Ilha Nublar sem que sua sequência genética fosse exaustivamente consertada e seu desenvolvimento estudado na Ilha Sorna. A lista de problemas era imensa. Os animais por muitas vezes eram extremamente agressivos, sofriam de deficiência de cálcio, morriam subitamente ou entravam em coma inexplicavelmente.

A Praga

O maior de todos os problemas provavelmente eram as doenças. Mas não doenças comuns: eram doenças pré-históricas, recriadas acidentalmente com o código genético dos animais. Pragas virais, infecções bacterianas e vermes contaminavam dos ovos aos demais dinossauros, provocando muitas baixas.

De toda forma, a questão "praga" era tratada como prioridade máxima a ser resolvida. Apesar de não se saber ao certo se essas doenças eram nocivas a seres humanos, o temor por contaminações, mutações de vírus pré-históricos combinados com vírus modernos e epidemias era imenso.

Pode-se ter uma ideia do risco que as atividades da InGen poderiam trazer para a Humanidade…

A Vila Dentre todos os projetos ambiciosos que a InGen desenvolveu, provavelmente a "Vila" foi um dos mais sofisticados e, aparentemente, bem-sucedidos. Sabe-se pouco sobre os projetos, e nada acerca deste em questão.

Analisando os fatos, pode-se afirmar que o objetivo desta vila não era simplesmente ser uma área de laboratórios e habitação. Além disso, era uma verdadeira fortaleza auto-sustentável. Sofisticados sistemas de computador foram criados para comandarem todas as instalações, gerenciar recursos e garantir a segurança.

Ao contrário da Ilha Núblar, em que a InGen espalhou diversas instalações por toda a sua extensão (como um parque temático deve ser), os edifícios construídos em Sorna ocupam apenas sua região central. Este era o único setor que se encontrava isolado por cercas, dando a impressão de eram as pessoas que ficavam aprisionadas.

A vila era a única área de habitação humana.

Abaixo estão classificados os tipos de instalações encontradas ali:

  • Moradia - separadas por categorias, como "trabalhadores", "cientistas" e "chefia",
  • Laboratórios - para desenvolvimento de embriões;

Acompanhamento de crescimento de recém nascidos; Encubadoras; Estudo de pragas; Informática; Desenvolvimento de alimentos especiais e remédios; "Educação de filhotes";

  • Galpões - para estocagem de recursos, tais como suprimentos, ferramentarias, materiais e equipamentos;
  • Oficinas - para manutenção de equipamentos, de veículos e de desenvolvimento de máquinas-ferramenta;

Uma unidade de extração, tratamento e estocagem de água; Uma pequena área de lazer; Garagem.

O Enigma de Sorna

Seguindo a trama do livro, um dos grandes mistérios que cercam a série é qual era a fonte que fornecia energia elétrica para as instalações, uma vez que não havia usinas hidrelétricas, termoelétricas ou qualquer coisa do gênero. Isso foi explicado no livro de forma mais aprofundada.

A expedição de Malcolm descobre que parte dos equipamentos das instalações da vila ainda estavam em atividade, com a rede de distribuição de energia funcionando, iluminação automática, alguns maquinários e a rede de computadores e terminais.

Mas como poderiam estar funcionando depois de pelos menos 7 anos de abandono?

Energia Geotérmica[editar | editar código-fonte]

A fonte de energia empregada pela InGen para abastecimento vinha do solo, mais especificamente do calor do solo. As ilhas Las Cinco Muertes surgiram de uma formação vulcânica. Seu subsolo guarda muito calor provocado pelos mantos de lava.

Em mais um grande projeto ambicioso e, por que não dizer brilhante, a InGen desenvolveu uma usina geotérmica "própria". A expedição de Malcolm descobre uma pequena unidade dessa usina operando "tranquilamente" na vila. É uma descoberta surpreendente e sem dúvida de grande utilidade para o Homem, já que o impacto ambiental provocado por essa usina em questão, teoricamente, é zero, a não ser pelo espaço ocupado.

Ao contrário das usinas geotérmicas convencionais, esta não emitia gases provenientes do interior da Terra e era um tanto quanto silenciosa. Seu princípio de funcionamento é o mesmo, mas sua arquitetura provavelmente era totalmente diferente das usinas comuns.

Seu custo é desconhecido, mas provavelmente é menor que outras fontes de energia renováveis, como a eólica e a hidrelétrica e mesmo as geotérmicas convencionais.

Referências