Ilha Vozrozhdeniya

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Imagem de satélite da Ilha Vozrozhdeniya

A ilha de Vozrozhdeniya (em russo: Возрождения: 'Renascimento') era a principal das ilhas no interior do Mar de Aral. Em decorrência do desvio dos rios que alimentavam o Mar de Aral (Amu Darya e Syr Darya), [1] ocorreu uma drástica redução do nível das águas do Mar de Aral, e a ilha tornou-se uma península. Atualmente é um território dividido entre Cazaquistão e Uzbequistão.

Produção de de armas biológicas[editar | editar código-fonte]

Em 1948, um laboratório soviético secreto, destinado a testes de armas biológicas, foi construído em Vozrozhdeniya. Em 1988, centenas de toneladas de bactérias do antraz - o suficiente para destruir o mundo várias vezes - foram colocados em gigantescos recipientes de aço. Foi usada lixívia para descontaminar a carga letal, que, em seguida, foi despachada num trem para a ilha. Lá, soldados russos cavaram enormes fossos, despejaram a lama no solo e a enterraram. [2] A base foi abandonada em 1992 depois do colapso da URSS, com a desintegração do Exército Vermelho.[2] [3]

Contaminação do solo[editar | editar código-fonte]

Em 1998, testes feitos com amostras do solo dos fossos, onde as bactérias do antraz haviam sido enterradas, mostraram que ainda havia esporos vivos - e potencialmente letais.[2]

É possível que esse laboratório esteja na origem do antraz dos ataques biológicos ocorridos nos Estados Unidos, em 2001 .[4] [5] Missões científicas demonstraram que o local era usado para a produção, análise e eliminação de armas biológicas.[4] [6]

Uma equipe dos EUA visitou a ilha após os ataques de 11 de Setembro de 2001, supostamente para descontaminar os aterros infectados sobretudo por esporos do Bacillus anthracis, bactéria causadora do antraz[4] [6] . Na verdade, a missão do grupo era verificar se haveria ali algum tipo de arma biológica que pudesse cair nas mãos de terroristas .[7]

Quase todos os agentes responsáveis pelas doenças mortais testados em Vozrozhdeniye são rapidamente destruídos quando expostos à luz ultravioleta. O solo arenoso, a esparsa vegetação da ilha e as altas temperaturas, que chegam a 60°C no verão, reduzem drasticamente a possibilidade de sobrevivência dos microorganismos patogênicos. A exceção importante é o antraz, um esporo que sobrevive a todos os outros, podendo persistir no solo por um período muito longo. E, se quaisquer esporos atingirem os pulmões, a probabilidade de morte é quase sempre superior a 90%. Especialistas estimam que a descontaminação da ilha requeira mais de 40 anos. [7] A exposição aos esporos pode significar uma nova ameaça para uma população cuja condição sanitária já é precária. Resta saber quais das muitas das doenças que afetam a região são atribuíveis à pobreza e à degradação ambiental e quais podem estar ligadadas à sua herança biológica e química.[2]

Referências

  1. GlobalSecurity. Weapons of Mass Destruction (WMD) - Vozrozhdeniye Island
  2. a b c d Judith Miller. Cold war leaves a deadly anthrax legacy (em inglês) 2 de junho de 1999.
  3. Don Knapp. Anthrax 'time bomb' ticking in Aral Sea, researchers say (em inglês) CNN, 22 de junho de 1999.
  4. a b c Mike Nartker. Central Asian Countries Pose Proliferation Risks, Have Helped Strengthen Nonproliferation Agreements, Experts Say (em inglês) Nuclear Threat Initiative (NTI), 6 de outubro de 2003.
  5. Fred Weir. From the cold war, lessons in combating anthrax (em inglês) The Christian Science Monitor, 18 de outubro de 2001.
  6. a b Gulbarshyn Bozheyeva, Yerlan Kunakbayev, Dastan Yeleukenov. Former Soviet Biological Weapons Facilities in Kazakhstan: Past, Present, and Future (em inglês) James Martin Center. Nonproliferation Studies (CNS).
  7. a b Welcome to anthrax island. Por Nick Middleton. The Guardian, 21 de abril de 2005


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Uzbequistão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.