Ilha de Luanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilha de Luanda
Ilha de Luanda está localizado em: Angola
Ilha de Luanda
Localização em Angola
8° 47' 12" S 13° 13' 56" E
Geografia física
País Angola
Localização África
Luanda 13.23266E 8.80761S.jpg
A ilha de Luanda, língua de terra em frente à cidade de Luanda
Cabanas de colmo para os turistas na Ilha de Luanda.

A Ilha do Cabo,[1] geralmente conhecida por Ilha de Luanda,[2] é um cordão litoral, em Angola, composto por uma estreita língua de terra com 7 km de comprimento que, separando a cidade de Luanda do Oceano Atlântico, cria a Baía de Luanda.

A Ilha de Luanda, ou simplesmente A Ilha como a chamam os habitantes de Luanda, encontra-se ligada à cidade por um pequeno istmo no sopé da Fortaleza de São Miguel. É por excelência o local de divertimento e lazer dos luandenses, podendo aqui encontrar-se uma grande variedade de equipamentos turísticos, dos bares aos restaurantes junto ao mar e das discotecas aos hotéis, sem esquecer os mercados de rua, as inevitáveis praias e a marina.

Na ilha está localizada a Igreja da Nossa Senhora do Cabo, a mais antiga de Angola, fundada em 1575 pelos quarenta portugueses que viviam na ilha antes da mudança da cidade de Luanda para o continente, feita por Paulo Dias de Novais.[3]

A Ilha de Luanda, faz parte do município da Ingombota, província de Luanda, e tem três comunas Ingombota, Kinanga e Ilha do Cabo.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

Cerca de 1570, Duarte Lopes escreveu, na sua "Relação do Reino do Congo e das Terras Circunvizinhas", que o lugar chamava-se "Loanda, que quer dizer, naquela língua, terra rasa, sem montes e baixa", levando a concluir que o local se chamaria assim por ser um areal raso. No entanto, estudos etimológicos da palavra levam a outra conclusão.

Seguindo o princípio da derivação das línguas bantas, o prefixo lu é aplicado em palavras que descrevem regiões alagadas, como ilhas, braços e bacias de rios etc., seguido da estilização ortográfica das características topológicas dessa região. Dessa forma, surge a palavra luando, que, por se referir a uma ilha, um vocábulo feminino, ao ser aportuguesada deu o actual "Luanda", vocábulo obtido através da aglutinação de lu + (nd)ando, onde ando é o étimo comprimido de ndandu, que significa "mercadorias", "objecto de comércio", "valores" etc., relativo aos produtos retirados da ilha, como o peixe ou os pequenos búzios (cauris) ali apanhados, normalmente conhecidos como njimbo ou zimbo e que eram a moeda corrente do Reino do Kongo.[4] Segundo este estudo, a ilha teria o nome de Luando por ser um local de comércio situado num areal.

Uma outra versão refere que o nome deriva de "Axiluandas" (homens do mar), nome supostamente dado pelos portugueses aos habitantes da ilha, porque, quando ali chegaram e lhes perguntaram o que estavam a fazer, estes teriam respondido uwanda, um vocábulo que, em kikongo, significa "trabalhar com redes de pesca".[5]

História[editar | editar código-fonte]

No século XVI, Duarte Lopes e Filippo Pigafetta descreviam a ilha desta maneira:

Cquote1.svg Após o Rio Coanza jaz o porto de Loanda, que está em 10 graus de largura, formado, como se disse, por uma ilha chamada Loanda, que quer dizer, naquela língua, terra raza, sem montes e baixa, que ela pouco se alevanta sobre o Oceano, e é feita da areia e vaza do mar e do Rio Coanza, encontrando-se os seus cursos, e caindo ali no fundo a matéria; terá de comprimento 20 milhas e de largura, quando muito, uma milha, e, em alguns lugares, um tiro de arco somente; e coisa maravilhosa é que naquela areia, cavando-se dois ou três palmos de fundo, se acha água doce, a melhor daquelas comarcas; e sucede nela um efeito estranho; pois, como o Oceano baixa, aquela água se torna um pouco salgada, porém, logo que sobe de todo, é dulcíssima: coisa que na Ilha de Cádiz, em Espanha, segundo o testemunho de Estrabão, assim acontecia. Cquote2.svg
Relação do Reino do Congo e das Terras Circunvizinhas

Cerca de 1844, Arsénio Pompílio Pompeu de Carpo, madeirense exilado em Angola, onde se dedicava ao comércio de escravos, morador na Ilha de Luanda, doou a sua casa e quinta nessa ilha para a construção do Hospital da Estação Naval, oferta que foi recusada pelo Governador Geral de Angola, com os devidos agradecimentos, por já estar estabelecido o Hospital Flutuante em Luanda.[6]

Habitantes[editar | editar código-fonte]

Os habitantes originais da ilha são os Axilwanda (Axiluanda), um subgrupo dos Ambundu, em tempos súbditos do Rei do Kongo.[7] Os seus descendentes, os "pescadores da ilha", guardam até hoje alguns hábitos tradicionais.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Muitas mulheres usam penteados trançados, missangas nos pulsos e ao pescoço e as bessanganas, traje tradicional feito com tecidos coloridos. No mês de Novembro comemora-se a Festa da Kianda (ou Quianda), ritual de veneração à divindade das águas, protectora dos pescadores.

São também típicos da ilha os pratos Mufete e Muzongué (um tipo de caldo).[8]

O grupo de Carnaval União Mundo da Ilha,[9] foi fundado em 1968 pelos habitantes indígenas e é um dos grupos de Carnaval mais antigos de Luanda.[10] O grupo possui na sua galeria 12 títulos[10] e usa nos seus numero danças populares como a Varina e o Semba[11] e canções em kimbundo.[10] Tem na sua constituição mais de duas mil pessoas, entre pescadores, quitandeiras e peixeiras.[10]

Na ilha também se encontram dois clubes náuticos históricos, o Clube Náutico da Ilha de Luanda e o Clube Naval de Luanda.

Referências

  1. Ponte que liga marginal à Ilha de Luanda será inaugurada sexta-feira. ANGOP. Página visitada em 18 de Agosto de 2011.
  2. Rádio Ecclesia: Paróquia da Ilha do Cabo em festa, 341 anos de Fundação. Página visitada em 18 de Agosto de 2011.
  3. 7 igrejas históricas de Luanda. O País. Página visitada em 18 de Agosto de 2011.
  4. João de Jesús Pires (1965). O Lobito e o Umbigo do Mundo (em português). Boletim da Câmara Municipal do Lobito. Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
  5. Chicoadão. As Origens do Fenómeno Kamutukuleni e o Direito Costumeiro Ancestral Angolense Aplicável. Viana: Instituto Piaget, 2005. 212 pp. ISBN 9789727717965
  6. Annaes Maritimos e Coloniaes. [S.l.]: Imprensa Nacional, 1944. p. 6. (4ª série)
  7. José Redinha. Etnias e culturas de Angola. Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola, 1975.
  8. Ilha de Luanda e as suas tradições. Ilha de Luanda. Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
  9. União Mundo da Ilha abre desfile da classe A do Carnaval de Luanda. ANGOP. Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
  10. a b c d União Mundo da Ilha será homenageado. ANGOP (22-01-2009). Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
  11. União Mundo da Ilha vai desfilar com mais de dois mil integrantes. RNA (09-02-2011). Página visitada em 19 de Agosto de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]