Ilha do Medo (Maranhão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ilha do medo (Maranhão))
Ir para: navegação, pesquisa
Ilha do Medo
Ilha do Medo está localizado em: Brasil
Ilha do Medo
Localização no Brasil
2° 32' S 44° 23' O
Geografia física
País Brasil
Localização Oceano Atlântico
Arquipélago Golfão Maranhense
Geografia humana
População 36
Ilha do Medo - Baía de São marcos.jpg
Ilha do Medo

A Ilha do Medo é uma pequena ilha a noroeste de São Luís do Maranhão, localizada na parte central do Golfão Maranhense.[1] A Ilha do Medo é um dos maiores fragmentos de estrutura sedimentar que compreende toda a região do litoral maranhense e faz parte do agrupamento insular vizinho à ilha de São Luís. Geologicamente, a ilha está representada pelas formações de Itapecuru, série Barreiras e Açuí.[2]

A ilha do Medo fica distante 6,2 km da cidade de São Luís, capital do Maranhão. A ilha foi formada durante milhares de anos por erosões causadas pelo mar. Os aspectos geomorfológicos da região da ilha são idênticos ao da Ilha de São Luís, assim como da Ilha do Cajual entre outras.[1] Os mangues predominam no litoral da região, onde também encontra-se os sisais. O solo também acompanha a topografia da região, sendo mais argiloso na parte baixa e mais arenoso na parte alta.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Pela análise das formações geológicas presentes na ilha do Medo, sua formação provavelmente data do período cretáceo inferior. O processo de isolamento do local iniciou-se no período do plioceno com a elevação da faixa litorânea seguido do surgimento dos vales profundos circundando a ilha e a maior regressão marítima. [3]

Segundo relatos dos moradores, a ilha começou a ser habitada pela família de um homem de aproximadamente 56 anos de idade acompanhado por outra família vinda do município de Sâo João Batista, da baixada maranhense.[4] Sua chegada na ilha proporcionou que outras famílias habitassem o mesmo local. Dados não oficiais contam cerca de 36 pessoas morando na ilha do Medo, atualmente, sendo que a maioria dos moradores reservam a vida tanto na ilha como na capital maranhense, não abandonando o local para a manutenção das tradições.[4] O modo de vida é rural pois os moradores vivem da agricultura de subsistência, da pesca e da extração de babaçu.[2]

Geografia e Clima[editar | editar código-fonte]

A ilha do Medo esta localizada no hemisfério sul a dois graus da linha do equador. A ilha faz parte do Arquipélago do Golfão Maranhense, sendo uma das maiores ilhas junto com Upaon-Açu onde localiza-se a cidade de São Luís capital do estado de Maranhão.

A estratigrafia da ilha é composta pelas formações geológicas do Itapecuru, que data do Cretáceo Inferior se constituindo basicamente por rochas sedimentares destacando-se arenitos finos de coloração avermelhadas, cinzas, argilosos ou róseos separados comumente em camadas horizontais.[2]

Outras formações importantes são a série Barreiras que data do período Terciário predominando-se sedimentos clásticos, isto é, formados a partir da fragmentação de rochas pré-existentes na superfície, de coloração amarela à vermelha. Na ilha, a série barreiras pode ser encontrada a partir do tabuleiro de rochas localizado em frente à praia indo até as formações falesianas. As praias constituem-se principalmente de fragmentos finíssimos de areia de quartzosas e em menor proporção por areia biodetrítica depositados e acumulados na costa da ilha peça ação das marés.[2] As planícies na ilha do Medo são encontradas na geologia do tipo Açuí compostas por sedimentos quartenários fracamente agregados ou totalmente não consolidados.[3]

Recentemente, foram descobertas cinco cavernas localizadas a nordeste da ilha do Medo, todas próximas ao litoral. [5] Durante milhares de anos, a ação dos ventos vindos à direção nordeste da ilha intensificaram as ondas que atingiram as falésias presentes naquela região, e como resultado desse intemperismo, houve a formação de cavernas na ilha.[6]

Há duas estações principais na região: a estação das chuvas e a estação seca. A ilha recebe dois tipos de massas de ar: equatorial atlântico e equatorial continental, sendo a média anual acima de 26º, estas massas de ar provocam um fenômeno conhecido como Zona de Convergência Intertropical que provoca chuvas durante boa parte do ano.[2]

Flora e fauna[editar | editar código-fonte]

O clima tem forte influência sobre a vegetação, sendo a do tipo herbácea mais presente na região. Também há a presença de pequenas palmeiras e gramíneas. A vegetação muda de acordo com a altitude da ilha: na parte mais baixa, onde as praias são invadidas pelas marés altas, há uma predominância de restingas e mangues; na parte mais alta predominam as palmeiras, destacando-se a presença da espécie babaçu que tem grande importância tanto alimentar quanto econômica para os habitantes da ilha.[2]

Em geral, a vegetação encontrada na região é bastante semelhante a presente na ilha Upaon-Açu.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Crhis Anderson Souza (2006). Ilha do Medo: Um potencial turístico inexplorado Jornal Pequeno. Visitado em 11 de maio de 2011.
  2. a b c d e f SILVA, G. da, FERREIRA, F. G. de S., FERREIRA, L. C., SOUZA, U. D. e FEITOSA, A. C.. Aspectos geomorfológicos da ilha do Medo, São Luís - MA. Universidade Federal do Maranhão (UFMA), , 2006. Página visitada em 27 de janeiro de 2012.
  3. a b Castro, E. [www.revistageonorte.ufam.edu.br/attachments/article/15/21_ZONEAMENTO_GEOMORFOLÓGICO_DA_ILHA_DO_MEDO.pdf Zoneamento Geomorfológico da Ilha do Medo - MA]. Universidade Estadual do Maranhão, , 2014. Página visitada em 12 de fevereiro de 2015.
  4. a b Souza, Emilene. A Ilha do Medo e o Medo do Turismo 15 f. Universidade de Caxias do Sul ((UCS), , 2008. Página visitada em 08 de junho de 2012.
  5. Cavernas do Maranhão são objetos de estudo de pesquisa da UEMA Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) (2013). Visitado em 9 de fevereiro de 2015.
  6. Morais, Antônia Rejane Cavalcante. Aspectos geomorfológicos e potenciais espeleológicos da ilha do Medo em São Luís do Maranhão. Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), , 2014. Página visitada em 9 de fevereiro de 2015.