Ilha dos Amores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ilha dos Amores
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 60 minutos
Criador(es) Maria João Mira
País de origem  Portugal
Idioma original Português
Produção
Produtor(es) NBP
Elenco Sofia Alves
Joana Solnado
Diana Chaves
Marco Delgado
Elisa Lisboa
Carloto Cotta
Helena Laureano
Marco D'Almeida
António Capelo
Cláudia Vieira
Tema de abertura Canção do Mar - Diana Basto (Versão adaptada da de Dulce Pontes)
Exibição
Emissora de
televisão original
Portugal TVI
Transmissão original 26 de Março de 2007 a 9 de Dezembro de 2007 / 3 de Agosto de 2011 a 20 de Julho de 2012
N.º de temporadas 1
N.º de episódios 214
Cronologia
Último
Último
Tempo de Viver (2006)
Fascínios
Próximo
Próximo

Ilha dos Amores foi uma telenovela portuguesa da TVI que estreou dia 26 de Março de 2007 e terminou dia 9 de Dezembro. É da autoria de Maria João Mira e Diogo Horta.

Tem como tema a emigração. A acção centra-se, principalmente, nos Açores, mas também acontecem passagens pelo Canadá e por Portugal continental, nomeadamente por Lisboa. As suas gravações começaram em Janeiro. As gravações nos Açores ocorreram até Agosto.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A novela começa em 1977, em São Miguel nomeadamente na freguesia de Ponta Garça.
S. Miguel, 30 anos atrás, Jaime Valente (Hugo Tavares) e Beatriz Machado da Câmara (Vera Kolodzig) conheciam-se desde crianças. Ele era filho de pobres trabalhadores rurais e ela a herdeira de uma família de fortuna e pergaminhos. Os dois jovens namoravam em segredo, temendo a oposição da família Machado da Câmara, o que veio a acontecer. Jaime e Beatriz decidiram então fugir num cargueiro que rumava ao Canadá. Mas os Machado da Câmara descobriram os planos de fuga e ameaçaram Beatriz de que Jaime seria preso, mal pusesse o pé em terra, acusado de rapto de menores.
Jaime partiu sozinho para o Canadá e Beatriz juntar-se-lhe-ia logo que atingisse a maioridade. Entretanto, trocavam cartas cheias de sonhos e projectos de futuro. Mas as cartas nunca chegavam ao seu destino e cada um deles se convenceu de que fora esquecido pelo outro. Meses mais tarde, Beatriz recebeu a visita de uma rapariga, Alice (Adriana Moniz), que lhe disse esperar um filho de Jaime e teve a certeza da traição.
Por detrás da intriga, estava Henrique Medeiros (Rui Drummond), vizinho e pretendente de Beatriz. Fora ele quem denunciara os planos de fuga de Jaime e Beatriz e foi também ele quem pagou à rapariga para que mentisse sobre a gravidez. Queria casar com Beatriz e estava disposto a tudo para atingir o objectivo mas não o conseguiu, pois Beatriz acabou por casar com outro homem.
Por seu lado, Jaime esperou pelas notícias que não vinham, até que soube que Beatriz tinha casado. O sonho cor-de-rosa terminara. Mas não a determinação de vencer na vida. Trabalhou duramente para o conseguir e fez fortuna. Casou com uma rapariga emigrante como ele e construiu uma família.
Beatriz e Jaime juraram enterrar o passado. Mal sabiam que, muitos anos depois, o passado viria ter com eles.
30 Anos Depois, por ironia do destino, as posições de Beatriz (Sofia Nicholson) e Jaime (Adriano Luz) invertem-se. Ele é agora um homem milionário e ela, fruto de negócios ruinosos, está na falência. O seu principal rendimento resume-se à plantação e fábrica de chá. Viúva e com três filhas para criar, Clara Machado da Câmara (Sofia Alves), Mónica Machado da Câmara (Diana Chaves) e Mariana Machado da Câmara (Joana Solnado), o futuro avizinha-se negro. Contra a vontade dos filhos e da segunda mulher, Jaime decide regressar à sua terra natal e, daí, gerir os seus negócios. Nos Açores, ele quer mostrar, principalmente a Beatriz, que tinha condições para vingar na vida. Foi ele, de forma anónima, quem comprou as terras dos Machado da Câmara e que se prepara para adquirir o banco que detém as hipotecas dos terrenos da família rival. Afundada em dívidas, Beatriz aceita vender uma propriedade. Sabendo que um emigrante recém regressado do Canadá está a investir na região, marca uma entrevista para lhe fazer uma proposta. Trinta anos depois, o encontro promete.
No dia do negócio, Jaime cruza-se na estrada com Beatriz e os dois reconhecem-se. Era difícil esquecerem-se um do outro. Porém, a tragédia tinha hora marcada: os carros chocam, despistam-se e caem por uma ribanceira. Os dois morrem. Clara, filha de Beatriz, e Tomé Valente (Marco D'Almeida), filho de Jaime, ambos de 28 anos, conhecem-se no cemitério. O ódio é enorme. Ele, batalhador, frio, implacável nos negócios, jura-lhe vingança e ela, bonita, inteligente e inconformada, promete fazer-lhe frente. Mas nenhum dos dois imagina que o coração vai voltar a pregar uma partida.
Os dois acabam por se apaixonar, assim como Miguel Valente (Carloto Cotta) e Mariana, mas durante a drama muitas revoltas irão acontecer, o que fará com que os dois "casalinhos" se acabem por separar. Miguel e Mariana são duas pessoa muito diferentes uma da outra, mas no meio dos dois está a malvada Anabela Santos (Joana Santos) que tudo fará para os separar, pois ela só está interessada no dinheiro da família Valente, assim como a madrasta de Miguel e Tomé que só casou com Jaime por dinheiro. Com isto tudo colocam-se duas perguntas: Será que o amor de Miguel e Mariana vai resistir a tantas pedras que se atravessarão no seu caminho? E será que Tomé e Clara vão vencer os fantasmas e as desconfianças do passado e ficar juntos?

Elenco[editar | editar código-fonte]


Participação Especial no 1º Episódio:


Participação Especial:


Actor Convidado:


Elenco Infantil:


Elenco 1977:


Elenco Adicional:

Banda Sonora[editar | editar código-fonte]

  1. Canção do Mar - Diana Basto (Versão adaptada da de Dulce Pontes) (tema do genérico)
  2. Mariana - Luís Represas (tema de Mariana)
  3. Pássaro Azul - André Sardet (tema de Tomé)
  4. The Moment You Believe - Melanie C (tema de Mariana e Miguel)
  5. Refúgio - Pedro Khima (tema de Tobias)
  6. Três Vidas - Ritual Tejo (tema de André)
  7. Sentimento - Rita Guerra (tema de Cecília)
  8. Sei Que Sabes Que Sim - EZ Special (tema de Miguel)
  9. Ilumina-me - Pedro Abrunhosa (tema de Clara e Tomé)
  10. Na Maré De Ti - Gil do Carmo (tema de Carlota e Rui)
  11. Meu Coração Abandonado - Viviane (tema de Glorinha)
  12. Palavras Minhas - Carlos Martins e Carlos do Carmo (tema de Henrique)
  13. Caçador de Sóis - Ala Namorados (tema de JP)
  14. As Cores do Céu - Luís Alberto Bettencourt
  15. Ilha dos Amores - Paula Teixeira (tema Açores)
  16. Vida Proíbida - Sépia (tema de Luísa)
  17. Tudo Ou Nada (Ser Melhor) - Gutto (tema de Carmo)
  18. Perigo e Sedução - Sofia Gaspar (tema de Madalena)
  19. Já Se Sabe - Nuno Brito (tema de Gil)

E ainda:

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O enredo apresenta um aspecto curioso e original: durante toda a novela, a história centra-se no amor trágico dos protagonistas Beatriz Machado da Câmara (Sofia Nicholson) e Jaime Valente (Adriano Luz), embora os dois morram logo no primeiro episódio, quase nunca aparecendo durante a novela. Os protagonistas passam a ser os filhos, Clara Machado da Câmara (Sofia Alves) e Tomé Valente (Marco d'Almeida).
  • Joana Solnado provou porque é considerada umas das melhores actrizes da sua geração, brilhando como Mariana Machado da Câmara, dando-lhe tiques e gestos numa expressão facial e corporal genial. Grande momento também de António Capelo, com uma interpretação quase monstruosa como Henrique Medeiros. Sem dúvida, duas interpretações marcantes nas carreiras dos respectivos actores.
  • Dia 26 de Setembro decorreu no CCB a primeira Gala da Ficção Nacional, organizada pela TVI. Ao longo de 4 horas de emissão foram homenageados cerca de 40 actores portugueses e relembradas dezenas de telenovelas que fizeram a delicia dos telespectadores ao longo dos tempos. Alguns dias antes da Gala iniciou-se uma votação via telefone/internet com a qual se pretendia escolher a telenovela favorita dos portugueses. Estiveram em votação 28 telenovelas, das quais foram eleitas as 5 preferidas e finalmente foi dada a conhecer a favorita. Foi a telenovela Ilha dos Amores a escolhida pelos telespectadores portugueses com maior número de votos.
  • Eunice Muñoz, que recusara um convite para interpretar Maria Amélia Machado da Câmara, papel depois entregue a Elisa Lisboa) por outros compromissos profissionais, acabou por entrar mais tarde na novela numa participação especial, dando vida a Emília, uma sem-abrigo que se torna amiga de Mariana.
  • O cargueiro que levou Jaime de Ponta Delgada ao Canadá no 1º episódio foi criado pela produção da novela, recorrendo a computadores. Este foi desenhado a três dimensões e a cena foi finalizada na mesa de pós-produção.
  • Quatro profissionais recrutados em França viajaram até à Ilha de São Miguel, nos Açores, para fazerem a cena do capotamento do automóvel, onde morrem Jaime e Beatriz. A estrada onde esta cena foi gravada fica no topo da Lagoa das Sete Cidades (Vista do Rei) ladeada por profundos precipícios.
  • O primeiro episódio de Ilha dos Amores, foi a terceira estreia mais vista da história da ficção portuguesa da TVI até hoje, sendo Filha do Mar a segunda e a primeira A Outra.
  • O primeiro episódio, que estreou no dia 26 de Março de 2007 em horário nobre, foi visto por quase 1,9 milhões de portugueses (19,7% de audiência média), o melhor resultado dos últimos seis anos.
  • Carlos César, chefe do executivo regional, doou cerca de 350 mil euros à produção da novela, que segundo o próprio permitirá ver, durante seis meses, "o melhor dos Açores, no melhor que se faz em ficção televisiva em Portugal, através de um dos melhores canais nacionais no seu prime-time".
  • A transportadora aérea regional, SATA, pôs à disposição da produção da telenovela da TVI 600 viagens de ida e volta Lisboa-Ponta Delgada-Lisboa, para um período de dez meses que terminou em Agosto desse ano. Mais 175 viagens inter-ilhas e ainda 30 viagens de ida e volta entre Lisboa e Toronto, entre Janeiro e Agosto.
  • O trabalho de campo da NBP foi possível com o apoio das autarquias de Vila Franca do Campo, Povoação, Lagoa, Nordeste e Ribeira Grande empenhadas em (re)descobrir cenários para a trama. Praças, jardins, parques, portos, edifícios e até mesmo figurantes locais foram desencantados e integrados nas cenas.
  • Esta telenovela voltou a ser repetida no ano de 2011 na TVI, mas desta vez passou à hora de almoço (14h30).
  • Na sua reposição, levou a TVI à liderança de audiências no horário da hora do almoço, que anteriormente era dominado pela RTP1 e SIC.
  • Teve como título provisório Projeto Açores.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]