Imigração checa no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Embora os checos ou tchecos representem proporcionalmente uma pequena parcela do total de imigrantes que desembarcaram no Brasil, a imigração checa é significativa quando considerada em valores absolutos. Evidência disso é o fato de que uma pesquisa na lista telefônica de 2007 da cidade de São Paulo revelava que todos os dez sobrenomes masculinos mais comuns na República Checa no ano de 2006 eram também encontrados entre os assinantes da capital paulista.[1] [2] Além disso, o peso da imigração checa ainda é marcante em vários aspectos do dia-a-dia de certas regiões do país.[3] [4]

Há 500 mil checos e descendentes no Brasil.[5]

Os primeiros checos[editar | editar código-fonte]

Os primeiros checos a pisar o solo brasileiro foram, provavelmente, membros da Companhia de Jesus, ainda no século XVII como, por exemplo, o jesuíta Valentin Stansel da cidade de Olomouc.[6] Os primeiros imigrantes a desembarcar no Brasil, entretanto, chegaram no ano de 1823. Dentre eles, encontrava-se um carpinteiro de Třeboň, Jan Nepomuk Kubíček, um dos bisavós maternos do ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira.[7] [8] [9]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Ao longo do século XX, chegaram ao Brasil três grandes ondas de imigrantes checos. A primeira ocorreu nos anos de 1930. Novos imigrantes entraram no país a partir de 1948, quando do golpe comunista na Checoslováquia. Por fim, uma terceira onda iniciou-se a partir de 1968, após a invasão da Checoslováquia pelas tropas do Pacto de Varsóvia.

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

A maioria dos checos que chegaram ao Brasil fixaram-se na região sul do país. Nesses estados, os primeiros imigrantes começaram a chegar ainda no século XIX, tornando-se, freqüentemente, uma minoria em áreas de colonização majoritariamente alemã ou polonesa.

Em Santa Catarina, os checos ocuparam principalmente as mesorregiões do Vale do Itajaí e Norte Catarinense, incluindo as microrregiões de Joinville, São Bento do Sul e Mafra, entre outras.[10] [11] [12]

No Rio Grande do Sul, distribuíram-se principalmente na região da Serra Gaúcha (notavelmente no município de Nova Petrópolis), no Litoral Norte, na região das Missões e na Depressão Central.[13]

No Paraná, os checos estabeleceram-se principalmente na região norte do estado, nos municípios de Londrina, Rolândia e Cambé, entre outros. Na região de Londrina, destaca-se o distrito rural de Warta, onde checos e polacos disputaram as terras disponíveis para o cultivo de café entre os anos de 1932 até a década de 1940, ao passo que, em Cambé, fixaram-se na parte alta da Colônia Bratislava entre os anos de 1931 e 1932. [14] [15]

No século XX, muitos checos migraram também para a região centro-oeste do Brasil. Esses imigrantes chegaram principalmente nas décadas de 1940 e 1950, liderados por Jan Antonín Baťa, irmão de Tomáš Baťa, ambos empresários da indústria de calçados que haviam deixado a Checoslováquia após a ocupação dos Sudetos pelos nazistas em 1938. Jan Baťa fundou várias cidades no Brasil: Batayporã Gerenciada por Jindrich Trachta - www.cmjt.org, Bataguassu, Batatuba e Mariápolis.

A colonização de parte da região sudeste do Mato Grosso do Sul foi possível graças à Companhia Viação São Paulo-Mato Grosso do Sul, propriedade de Baťa administrada por Vladimir Kubik.[16]

Associações Culturais Checas no Brasil[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Referências

  1. Ministerstvo vnitra - Statistiky: Mužská příjmení - 20 nejčetnějších
  2. Telelistas.net - Serviço de busca de assinantes telefônicos no território brasileiro.
  3. Modernell, Renato - O Vale dos Imigrantes. Revista Terra, São Paulo, v. 63, p. 26 - 33, 01 jul. 1997
  4. Ruiz, João H. W. - Warta "nasceu" antes mesmo de Londrina, Jornal Comtexto, Londrina, Ano III. Edição nº 072, 16 mar. 2006
  5. Título ainda não informado (favor adicionar).
  6. Embaixada da República Checa no Brasil - Relações bilaterais
  7. Brož, Ivan - Brazilský prezident českého původu
  8. Consulado Geral da República Tcheca em São Paulo - Curiosidades
  9. Fňukal, Miloš RNDr. Ph.D. - Regionální geografie Ameriky: Brazílie
  10. Editora Letras Brasileiras - Caminho dos príncipes
  11. Prefeitura de São Bento do Sul (SC) História de São Bento do Sul
  12. Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-SC) Turismo em Santa Catarina
  13. Prefeitura de Nova Petrópolis - Etnia tcheca é homenageada na Assembléia Legislativa
  14. Ruiz, Glacy Weber - Londrina
  15. Prefeitura de Rolândia (PR)História do município
  16. Batista, L.C.; Martins Jr.. C. - Resgate e construção da memória e da história da colonização do sudeste de Mato Grosso do Sul
  17. Lídice Brasileira - História do distrito
  18. Budo Esperanta de Valença - Francisco Valdomiro Lorenz

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal do Brasil