Império Ashanti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
Asanteman
Império Ashanti

União Asante

Império

Blank.png
1670 – 1902 Flag of the Gold Coast.svg
Flag Brasão
Bandeira Emblema nacional
Localização de Império Asante
Império Asante (esboço vermelho) durante o século 19
Império Asante
Mapa da região Axânti
Continente África
Região África Ocidental
País Gana
Capital Seal of Kumasi Kumasi
Língua oficial Twi
Religião Culto dos mortos
Governo Monarquia
Monarca
 • 1670-1717 (primeiro) Osei Tutu
 • 1888-1896 (último da Indep. Asante) Prempeh I
 • 1999-presente (sub-nacional dentro Gana) Osei Tutu II
Legislatura Asante Kotoko (Cosselho de Kumasi)[1]
Asantemanhyiamu (Assembleia Nacional)
História
 • 1670 Fundada
 • 1701 Independência de Denkyira
 • 1896 Protectorado britânico
 • 1935 Restauração da monarquia
 • 1957 Incorporação em Gana
 • 1902 Disolvida
Área
 • 1874[2] 259 000 km2
População
 • 1874[2] est. 3 000 000 
     Dens. pop. 11,6/km²
Moeda Moeda de ouro
Búzios (conchas)
Atualmente parte de  Gana

O Império Ashanti (também Axânti ou Asante), conhecido ainda como Confederação Ashanti ou Asanteman (independente de 1701-1896), foi um estado pré-colonial da África Ocidental criado pelo povo Akan e que é hoje a região Ashanti em Gana. Seu império se estendia desde a Gana central até o Togo e a Costa do Marfim dos dias atuais. Hoje, a monarquia Ashanti continua como um dos estados sub-nacionais tradicionais constitucionalmente protegidos dentro da República de Gana.

Origens[editar | editar código-fonte]

Os ashantis ou axântis são um importante grupo étnico de Gana. Eles foram um povo poderoso, militarista e altamente disciplinado da África Ocidental. Os antigos ashantis migraram das imediações da região noroeste do Rio Níger após a queda do Império Gana no século XIII. Evidência disto está nas cortes reais dos reis Akans, refletida pela dos reis Ashanti cujas procissões e cerimônias mostram resquícios de antigas ceremônias de Ghana. Etno linguistas têm comprovado a migração pelo uso das palavras e pelo padrão de fala ao longo da África Ocidental.

Por volta do século XIII DC, os ashantis e vários outros povos Akan migraram para o cinturão de floresta da Gana atual e estabeleceram pequenos estados na região montanhosa em volta da Kumasi atual. No auge do Império Mali, os ashantis e o povo Akan em geral se enriqueceram como o comércio de ouro extraído do seu território. No início da história ashanti, este ouro foi negociado com os importantes impérios de Gana e Mali

Contudo alguns historiadores mantêm que os ashantis são os descendentes daqueles etíopes mencionados pelos historiadores gregos, Diodoro Sículo e Heródoto, e que eles foram dirigidos para o sul por um exército egípcio conquistador.

Formação do reino[editar | editar código-fonte]

A organização política Akan centrada em vários clãs, cada uma chefiada por um chefe supremo ou Amanhene.[3] Um desses clãs, o Oyoko, assentados na sub-região de floresta tropical do Gana, estabelecendo um centro em Kumasi.[4] Durante a elevação de outro Estado akan conhecido como Denkyira, Ashanti passou a tributário. Mais tarde em meados de 1600, o clã Oyoko sob a chefia de Oti Akenten começou a consolidar outros clãs Ashanti em uma confederação livre que ocorreram sem destruir a autoridade suprema de cada chefe sobre seu clã.[5] Isto foi feito em parte por agressão militar, mas em grande parte por uni-las contra a Denkyira, que anteriormente tinham dominado a região.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Edgerton, Robert B: "Queda do Império Asante: A guerra dos cem anos da África da Costa do Ouro" Free Press, 1995
  2. Obeng, J. Pashington: "Asante Catholicism: Religious and Cultural Reproduction Among the Akan of Ghana", page 20. BRILL, 1996
  3. Ashanti.com.au - Our King
  4. Ashanti.com.au - Ashanti
  5. Ghana - The Precolonial Period

Ligações externas[editar | editar código-fonte]