Impeachment de Bill Clinton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Senado dos Estados Unidos durante o processo de impeachment do presidente Bill Clinton em 1999, com William Rehnquist na presidência da sessão.

Bill Clinton, o 42º presidente dos Estados Unidos, sofreu um processo de impeachment pela Câmara dos Representantes sob duas acusações, uma de perjúrio e uma de obstrução da justiça, em 19 de dezembro de 1998. Dois outros artigos do impeachment (uma segunda acusação de perjúrio e uma acusação de abuso de poder) não foram aceitos pela Câmara. As acusações surgiram após o escândalo Lewinsky e a ação judicial movida por Paula Jones.

Clinton foi absolvido pelo Senado em 12 de fevereiro de 1999. Exigindo uma maioria de dois terços para a condenação, apenas 50 senadores (de 100) votaram pela acusação de obstrução e 45 pela acusação de perjúrio.1

A votação na Câmara e no Senado foi amplamente partidária. Na Câmara, apenas cinco representantes democratas votou pelo impeachment. No Senado, que tinha 55 senadores republicanos, nenhum dos senadores democratas votaram pela condenação. Foi a segunda vez que um presidente sofreu um processo de impeachment na história norte-americana, sendo o outro Andrew Johnson, que também foi absolvido pelo Senado, mas pela margem de um voto.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Peter Baker, Helen Dewar. "The Senate Acquits President Clinton". The Washington Post. 13 de fevereiro de 1999. Page A1.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre os Estados Unidos é um esboço relacionado ao Projeto América do Norte. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.