Imperatriz Michiko do Japão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Michiko
Imperatriz consorte do Japão
Empress Michiko of japan.jpg
A Imperatriz em 2006
Governo
Consorte Imperador Akihito
Vida
Nascimento 20 de outubro de 1934 (80 anos)
Japão Tóquio, Japão
Filhos Naruhito
Fumihito
Sayako
Pai Hidesaburo Shōda
Mãe Fumiko Soejima

Sua Majestade Imperial a Imperatriz Michiko (Tóquio, 20 de outubro de 1934) é a esposa do Imperador Akihito do Japão.

Michiko foi a primeira plebéia que se casou com um membro da Casa Imperial do Japão e deteve o título de Princesa Consorte do Japão de abril de 1959 até 1989, quando seu sogro, o Imperador Shōwa, faleceu.

Além disso, ela foi a consorte imperial que mais foi vista em público e que mais viajou ao exterior em toda a história do Japão.

Família[editar | editar código-fonte]

Michiko durante sua infância.

Michiko Shōda (正田 美智子, Shōda Michiko) nasceu em Tóquio. Era a filha mais velha do milionário empresário Hidesaburo Shōda, presidente de uma companhia de moagem de farinha de Nisshin, e de sua esposa, Fumiko Soejima.

A família Shōda, embora fosse rica, tinha um estilo de vida modesto e possuía dois membros que foram agraciados com a Ordem da Cultura. Um dos tios de Michiko se tornaria presidente da respeitável Universidade de Osaka.[1]

Educação[editar | editar código-fonte]

Michiko estudou na Escola Elementar Futaba em Tóquio, mas foi obrigada a deixá-la na quarta série devido ao bombardeio norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial. Tendo retornado à escola depois da guerra, terminou seu ensino secundário em Seishin, também na capital japonesa.

Michiko obteve um bacharelato em literatura inglesa da Faculdade de Literatura da Universidade do Sagrado Coração, em 1957.[2] Embora a Universidade fosse católica, ela continuou sendo budista.[3]

Mesmo reservada, ela foi eleita presidente do grêmio estudantil da Universidade por suas colegas e oradora da turma durante a cerimônia de graduação.

Noivado e casamento[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1957, aos vinte e dois anos, Michiko Shōda conheceu o então príncipe herdeiro do Trono do Crisântemo, Akihito, durante um campeonato de tênis, em Karuizawa, província de Nagano.

Enquanto corriam os rumores sobre o relacionamento no Japão, Michiko viajou para a Inglaterra e Estados Unidos, onde assistiu ao primeiro concerto do pianista Van Cliburn em Carnegie Hall. Manteve, contudo, correspondência com sua família e com Akihito. Regressou ao país em outubro de 1958, logo depois de seu aniversário de vinte e quatro anos.[4]

No dia 27 de novembro daquele ano, o Conselho da Casa Imperial - um corpo formado pelo primeiro-ministro do Japão, pelos oficiais da Dieta do Japão, pelo juiz da Suprema Corte e por dois membros da família imperial - aprovou formalmente o noivado do Príncipe Herdeiro com Michiko Shōda. Porém, os mais tradicionalistas se opuseram ao noivado, pois queriam que a futura Imperatriz fosse uma mulher descendente ou da abolida aristocracia japonesa ou de antigos ramos da família imperial. É dito que a sogra de Michiko, a Imperatriz Kōjun, também foi contra a união, criando intrigas com sua nora.

A cerimônia de casamento de Akihito e Michiko ocorreu em 10 de abril de 1959, encantando o povo japonês.

Filhos e netos[editar | editar código-fonte]

Nome Nascimento Casamento e filhos Observações
Sua Alteza Imperial o Príncipe Herdeiro Naruhito 23 de fevereiro de 1960 É casado com Masako Owada desde 9 de junho de 1993. Eles têm uma filha juntos: Aiko, Princesa Toshi. É o 1.º na linha de sucessão
Sua Alteza Imperial o Príncipe Akishino 30 de novembro de 1965 É casado com Kiko Kawashima desde 29 de junho de 1990. Eles tem três filhos juntos: a Princesa Mako, a Princesa Kako e o Príncipe Hisahito. É o 2.º na linha de sucessão e pai do 3.° na linha de sucessão
Sayako Kuroda 18 de abril de 1969 É casada com Yoshiki Kuroda desde 15 de novembro de 2005. Eles não têm filhos, ainda. Como manda a lei, renunciou, para se casar, ao seu título (Princesa Nori).

Princesa consorte[editar | editar código-fonte]

Mesmo ocupados com suas funções, Akihito e Michiko quebraram novamente uma tradição ao preferirem cuidar de seus filhos pessoalmente, ao invés de confiá-los aos cuidados de camaristas da corte; a então Princesa até mesmo os amamentou e preparou as merendas de seus filhos.[5]

Saúde mental[editar | editar código-fonte]

Em meados dos anos 60, a Princesa teria sofrido um colapso nervoso por causa do frio tratamento que recebia de sua sogra. Ela e seu marido chegaram a tentar dispensar uma dama de companhia que supostamente servia como espiã para a Imperatriz Kōjun, mas não conseguiram.[6]

Seus esforços para escapar das etiquetas sufocantes da corte talvez tenham sido mais sérios do que popularmente se sabe. Um artigo escrito pela antropóloga Sheila K. Johnson, publicado em 1997, contou que Michiko sofreu um aborto espontâneo durante os anos 60, em parte por causa de seu sogro controlador, Hirohito.[7]

No outono de 1993, Michiko, já Imperatriz, perdeu a sua voz por sete meses.[8] Médicos da corte atribuíram isso a "fortes sentimentos de angústia", provocados pelo criticismo da imprensa japonesa.

Imperatriz[editar | editar código-fonte]

O casal imperial durante o aniversário de 72 anos do Imperador.

Com a morte do Imperador Shōwa (Hirohito) no dia 7 de janeiro de 1989, Akihito tornou-se o 125° Imperador do Japão, e Michiko conseqüentemente se tornou a Imperatriz. A cerimônia formal de entronização ocorreu no Palácio Imperial em Tóquio, no dia 12 de novembro de 1990. O casal fez a família imperial ficar mais próxima ao Japão contemporâneo.

Michiko é a presidente honorária da Sociedade da Cruz Vermelha do Japão.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Imperatriz Kōjun
Imperatriz consorte do Japão
1989-
Sucedido por