Inácio de Azevedo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Beato Inácio de Azevedo, S.J.
Inácio de Azevedo de Ataíde de Abreu Malafaia
Mártir
Nascimento 1527 em Porto, Reino de Portugal
Morte 15 de julho de 1570 (43 anos) em Local desconhecido, no Oceano Atlântico
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 11 de maio de 1854 por Papa Pio IX
Festa litúrgica 17 de julho
Gloriole.svg Portal dos Santos

D. Inácio de Azevedo de Ataíde de Abreu Malafaia, também conhecido como Inácio de Azevedo, D. Inácio de Azevedo ou Beato Inácio de Azevedo foi um religioso português. É um dos "Quarenta Mártires do Brasil" que foram beatificados pelo papa Pio IX em 11 de Maio de 1854.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho primogénito de D. Manuel de Azevedo, Comendador de São João de Alpendurada, e de Violante Pereira, e neto paterno de D. João de Azevedo, Bispo do Porto, e de Joana de Castro. Um dos seus irmãos, D. Jerónimo de Azevedo, foi Governador e Vice-Rei da Índia Portuguesa entre 1612 e 1617.

Filho ilegítimo, foi legitimado aos 12 anos pelo rei D. João III. Foi educado na corte portuguesa e aos dezoito anos de idade tornou-se administrador dos bens familiares. Mas, depois de ouvir as prédicas do padre jesuíta Francisco Estrada, decidiu renunciar a esses bens, nomeadamente o senhorio da honra de Barbosa, em Paço de Sousa, Entre Douro e Minho, cabeça do morgadio dos Azevedo Ataíde Malafaia[1] .

Em 1548, após um retiro em Coimbra, fez opção definitiva pela vida religiosa, ingressando na Companhia de Jesus, onde se distinguiu.

Foi nomeado reitor do Colégio de Santo António, em Lisboa, antes mesmo de concluir o curso de Teologia[2] . Foi ordenado em 1553[3] .

Concluído o curso, foi enviado para Braga, a fim de assessorar o bispo da cidade na reforma da Diocese.

No ano de 1565, São Francisco de Borja, confiou-lhe a inspecção das Missões das Índias e do Brasil, tarefa que lhe consumiu cerca de três anos. Em seu relatório, pediu recursos humanos, tendo o santo lhe ordenado que recrutasse, em Portugal e Espanha, elementos para o Brasil.

Após cinco meses de intensos preparativos religiosos, a 5 de Junho de 1570, Inácio e mais 39 companheiros partiram a bordo do navio mercante Santiago, enquanto outros trinta companheiros seguiam em vasos de guerra, na frota em que seguia o novo Governador-Geral do Brasil[4] .

Durante a viagem, enquanto passava junto às Ilhas Canárias, a embarcação em que viajava foi capturada pelo pirata huguenote Jacques Soria, sendo o grupo assassinado na ocasião[1] .

Referências