Independência da Albânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ismail Qemali após a sessão do Assembleia de Vlorë declarando a população albanesa da decisão da independência.
História da Albânia
Coat of arms of Albania.svg

A Declaração de Independência da Albânia (em albanês: Shpallja e Pavarësisë, ou Deklarata e Pavarësisë) é um dos momentos mais importantes da história da Albânia. Aconteceu em Vlorë em 28 de novembro de 1912 e é parte final do Despertar nacional da Albânia. Logo após a Declaração de independência da Albânia, o país foi ocupado pelos Estados membros da Liga Balcânica (Sérvia, Montenegro e Grécia). A ocupação da Albânia (1912-1913) ocorreu durante a Guerra dos Balcãs.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

As primeiras faíscas da Primeira Guerra Balcânica em 1912 foram iniciadas pela insurreição albanesa entre 1908 e 1910 [1] , que foram direcionadas contra as políticas de consolidação dos Jovens Turcos no Império Otomano.

O sucesso da revolta albanesa de 1912 enviou um sinal forte aos países vizinhos que o Império Otomano estava enfraquecido .[2] O Reino da Sérvia se opôs ao plano para um vilayet albanês, preferindo uma partição do território europeu do Império Otomano entre os quatro aliados balcânicos .[3] Os aliados balcânicos planejavam a partição do território europeu do Império Otomano entre eles e, entretanto, os territórios conquistados durante a Primeira Guerra Balcânica foram acordados para ter o status de Condomínio .[4] Essa foi à razão que levou Ismail Qemali a organizar o Congresso Toda a Albânia em Vlorë.[5]

Após o eventual enfraquecimento do Império Otomano nos Balcãs, a Sérvia, Grécia e Bulgária declararam guerra aos turcos e procuraram engrandecer suas respectivas fronteiras nos territórios remanescentes do Império. A Albânia foi invadida pela Sérvia pelo norte e pela Grécia no sul, restringindo o país, assim, a apenas um remendo de terra ao redor da cidade costeira do sul de Vlora. Em 1912, a Albânia, ainda sob a ocupação estrangeira, declarou a sua independência com a ajuda da Áustria-Hungria, e as grandes potências desenharam suas fronteiras atuais. A segurança do território da Albânia seria garantida pelas grandes potências sobre Tratado de Londres.

Reconhecimento da Independência[editar | editar código-fonte]

Esforços diplomáticos[editar | editar código-fonte]

Assim como as comunidades de albaneses estrangeiras tinham estimulado o fervor patriótico que gradualmente levaram à independência de sua pátria, por isso neste momento crítico que mais uma vez demonstraram a sua solidariedade. Em 1 de março de 1913, convocou-se um Congresso Albanês de Trieste, na Áustria. Houve 119 representantes em todos, vindo dos Estados Unidos, Romênia, Bulgária, Turquia, Egito, Itália e, claro, do novo estado em si. O Bispo Fan Noli de Boston foi um dos palestrantes.

O congresso reconheceu o governo provisório de Ismail Kemal, garantiu o seu apoio fiel, discutiu as fronteiras étnicas do novo Estado e enviou fortes resoluções para as capitais europeias e para a Conferência de Embaixadores de Londres, em seguida, em sessão, apelando para o seu reconhecimento da independência da Albânia e para o levantamento do bloqueio grego.

Tratado de Londres e reconhecimento da independência[editar | editar código-fonte]

Isa Boletini e os seus homens do Vilayet de Kosovo nas ruas de Vlorë após a independência ser proclamada.

Em dezembro 1912, as grandes potências se reuniram em Londres para tratar de ajustes territoriais decorrentes da conclusão da Primeira Guerra Balcânica.

Depois de meses de disputas e de compromisso, sob a ameaça constante de uma guerra geral, a conferência anunciou a sua decisão formal em 17 de maio de 1913. A questão da independência albanesa que levou a Conferência dos Embaixadores em Londres, veio para discussão na sua primeira sessão. De acordo com o artigo II do Tratado, os seis embaixadores decidiram que a Albânia seria reconhecida como um estado autônomo sob a soberania do sultão otomano .[6] Após a fuga das guerras dos Balcãs, em 29 de Julho, os embaixadores decidiram reconhecer a total independência e soberania da Albânia. Foi previsto que o país seria governado por um príncipe europeu a ser eleito pelas potências. A neutralidade albanesa seria garantida em conjunto pelas seis grandes potências. Também se nomeou uma Comissão Internacional de Controle para a Albânia, a ser composta por um representante de cada uma das seis potências e um albanês. Esta comissão iria supervisionar a organização, as finanças e a administração do governo albanês por um período de 10 anos. Oficiais holandeses iriam organizar a polícia.

A delimitação das fronteiras do novo Estado deixou um número significativo de comunidades albanesas fora do país. Essa população foi muito dividida entre o Montenegro e a Sérvia (que então incluía a atual República da Macedónia). Um grande número de albaneses, assim, encontraram-se sob domínio sérvio. Ao mesmo tempo, uma rebelião no sul do país pelos gregos locais, levou à formação da República Autônoma do Norte de Épiro nas províncias do sul (1914). Após um período de instabilidade política provocada durante a Primeira Guerra Mundial, o país adotou uma forma republicana de governo em 1920.[7] A segurança do território da Albânia foi garantida por uma declaração da Liga das Nações de 9 de novembro de 1921, que confiou a defesa desse estado para a Itália [8]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Balkans (Nationalism, War and the Great Powers, 1804–1999) – by Misha Glenny
  2. Warrander, Gail; Verena Knaus. Kosovo. United States of America: The Globe Pequot Press, November-2007. p. 12. ISBN 1-84162-199-4
  3. Report of the International Commission to Inquire into the Causes and the Conduct of the Balkan Wars. Carnegie Endowment for International Piece (1914). Página visitada em January 10, 2011. "The Servians hastened to oppose the plan of a "Greater Albania" by their plan for partition of Turkey in Europe among the Balkan States into four spheres of influence."
  4. Report of the International Commission to Inquire into the Causes and the Conduct of the Balkan Wars. Carnegie Endowment for International Piece (1914). Página visitada em January 10, 2011. "In a few weeks the territories of Turkey in Europe .. by the Balkan allies....in their hands as condominium"
  5. Zhelyazkova, Antonina (2000). Albania and Albanian Identities. International Center for Minority Studies and Intercultural Relations. Página visitada em January 10, 2011. Cópia arquivada em January 10, 2011. "calling together an all-Albanian congress. On 28 November 1912, delegates from all over the country gathered in Vlora"
  6. Mowat, R.B.. Select Treaties and Documents 1815-1916. [S.l.]: Oxford Clarendon Press, 1916. 120–121 pp.
  7. Young, Antonia. Albania. [S.l.]: Clio Press, 1997. ISBN 1851092609
  8. Text in League of Nations Treaty Series, vol. 12, pp. 382-383.

Fontes[editar | editar código-fonte]