Independentismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde fevereiro de 2010)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O Grito do Ipiranga, pintura de François-René Moreaux em que se representa a proclamação da independência brasileira, pelo príncipe Pedro de Portugal, primeiro imperador do Brasil, em 1822.

O independentismo, também chamado por vezes separatismo, é um conjunto de ideologias nacionalistas que têm a ver com a reivindicação dos direitos nacionais por parte de um povo sem Estado face a um Estado expansionário maior. Nas aplicações normais em português, muitas vezes o termo separatismo recebe uma denotação pejorativa.

Se opõe ao unionismo (também denominado unitarismo), que é a corrente ideológica que defende o contrário, a união de todo o estado originário.

Há diversas formas de independentismo, que podem aparecer misturados:

Existem ainda movimentos independentistas de diverso signo político, alguns com base na reivindicação por livre exercício de autodeterminação reconhecido pelas principais instâncias internacionais, outros promovidos de maneira mais ou menos "artificial" com base em interesses econômicos de elites poderosas, como no caso da região Padânia, no norte da (Itália) ou o departamento de Santa Cruz, na Bolívia.

Movimentos independentistas bem sucedidos[editar | editar código-fonte]

Líder histórico da independência cubana, José Martí.

O processo de formação da maior parte dos países atuais envolveu o separatismo em suas diversas formas. São exemplo disso os numerosos países surgidos dos processos de descolonização das potências imperialistas ao longo dos séculos XIX e XX nas Américas, na África, na Ásia e na Oceania. Foi por processo de separação que os Estados Unidos proclamaram sua independência da Grã-Bretanha, e o Texas, do México, antes de se auto-anexar aos Estados Unidos. O mesmo ocorreu com o Brasil, emancipado de Portugal em 1822, e o Uruguai, emancipado do Brasil, em 1825.

No mundo todo, existem movimentos separatistas em numerosos países, de maior ou menor expressão. Por exemplo, na Europa, apenas a Islândia e Portugal carecem hoje de movimentos soberanistas de grande incidência[carece de fontes?], uma vez que todos os outros Estados contam com territórios com línguas e consciência nacional próprias. Os movimentos separatistas podem ser armados ou pacíficos, e podem ou não envolver conflitos com os países dos quais se pretende a separação. Alguns casos de separatismo recentemente bem sucedido, por via militar ou mais ou menos violenta, incluem:

Por via pacífica, mediante referendo, atingiram recentemente a independência, países como:

A independência de Kosovo, emancipado da Sérvia em 2008, ainda não pode ser tida como bem-sucedida, eis que não foi até o momento reconhecida pela Sérvia, Rússia e outros países. Sua independência também não pode ser tida por pacífica ainda, devido à ameaça constante de guerra, tanto civil, podendo envolver a minoria sérvia do norte do país, como externa, contra a própria Sérvia.

Movimentos independentistas atuais[editar | editar código-fonte]

Manifestação independentista na Galiza (Santiago de Compostela, 2005).

Outros movimentos separatistas atuais, em maior ou em menor grau, incluem as seguintes cisões:

Na história do Brasil[editar | editar código-fonte]

Exército Imperial do Brasil ataca as forças confederadas no Recife, 1824, no contexto da Confederação do Equador.
Carga de cavalaria Farroupilha, de Guilherme Litran.

Durante a história do Brasil, especialmente no período imperial, surgiram vários movimentos separatistas, pretendendo formar repúblicas separadas, por acharem que a monarquia brasileira não atendia adequadamente os interesses de uma dada região. Conspiração dos Suaçunas, Revolução Pernambucana, Confederação do Equador e Revolução Praieira, em Pernambuco;[1] [2] [3] [4] Cabanagem, no Pará; a Balaiada, no Maranhão; e a Sabinada, na Bahia. Houve também movimentos que defendiam criações de novos estados, como aconteceu com Mato Grosso do Sul e Tocantins.

O único movimento separatista de sucesso no Brasil foi o que proclamou a República Oriental do Uruguai, na Guerra da Cisplatina; e o que mais tempo durou sendo suplantado no final foi o que proclamou a República Rio-Grandense, na Revolução Farroupilha.

Movimentos atuais no Brasil
  • Flag of Piratini Republic.svg Movimento pró República Rio-grandense: Movimento que defende a separação do estado do Rio Grande do Sul.
  • Flag of Piratini Republic.svg República do Pampa: Criado em 1990 por Irton Marx, e defende a separação do estado do Rio Grande do Sul.
  • Flag of Piratini Republic.svg RS Livre: Sigla para Associação Rio Grande Livre, é uma ONG não oficialmente separatista, composta por pessoas que têm em geral o ideal da independência política e administrativa para o Rio Grande do Sul, assim como o resgate da cultura e história locais.
  • Bandeira do sul.svg O Sul é o Meu País: Defende a autonomia da Região Sul, constituída por três estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
  • Brazil Region Nordeste.svg Grupo de Estudos Nordeste Independente (GESNI): Defende a autonomia da Região Nordeste do Brasil.
  • Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg Autonomia Carioca: Defende a autonomia da Guanabara, constituída pelo município do Rio de Janeiro ou o antigo Estado da Guanabara.[5]
  • Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg O Rio Decide: Movimento fundado em 2008, que também defende a autonomia da Guanabara com uma campanha de desfusão, que quer consituir novamente o antigo Estado da Guanabara.[6]
  • Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg Movimento O Rio é o Meu País: Criado em 2013, luta pela independência do estado do Rio de Janeiro.[7]
  • São Paulo Movimento República de São Paulo - É um movimento paulista, que atua diretamente com todas as comunidades. Busca alcançar maior autonomia do estado de São Paulo em relação ao Governo Federal com "a mudança do sistema federativo brasileiro para uma confederação de estados livremente associados", conforme reportagem da Terra Magazine.[8] [9]
  • São Paulo Também existem pequenos movimentos separatistas em São Paulo, divulgados na Internet, especialmente Orkut e Twitter, porém, com caráter discriminatório[10] ou nazi-fascista[10] sobre a população do Nordeste, o que caracteriza crime de apologia ao nazismo[10] [11] segundo o Código Penal.

Na América do Sul[editar | editar código-fonte]

O movimento Mapuche luta pela independência da Argentina e do Chile.[12]

Na História de Portugal[editar | editar código-fonte]

Na sequência da Revolução dos Cravos (25 de Abril de 1974), formaram-se em Portugal alguns movimentos separatistas para os arquipélagos dos Açores e Madeira.

Madeira[editar | editar código-fonte]

A FLAMA (Frente de Libertação do Arquipélago da Madeira) (extinto) - movimento independentista da Madeira com respeito a Portugal. A FLAMA levou a cabo ações armadas nos anos 1974-1976, foi desativada, mas realizou recentemente algumas ações propagandísticas.[13]

Açores[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências