Indie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O termo inglês indie é a abreviação (no diminutivo) de independent (em Português, independente) e se aplica na [[indústria cultural]], de artes e nas apresentações ao vivo aos músicos, produtores e artistas que ainda não têm contratos de publicação e distribuição com grandes empresas ('majors') e lançam os seus projetos independentemente.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Indie também pode se referir a um estilo musical de popularidade restrita, mas que, com o advento da internet, tenha ganhado mais popularidade.[1] Dentre as bandas e artistas indies, estão Arctic Monkeys, Belle & Sebastian, Câmera Obscura, Charlotte Gainsbourg, Fun, Foster the People, Of Monsters and Men, Radiohead, The Strokes, MGMT, Natalie Imbruglia, Matt & Kim, Florence and the Machine, Paloma Faith, Gotye, Marina and the Diamonds, entre outros.

O termo entrou em uso no início da década de 1980, quando muitos músicos e produtores atuaram independentemente para entrar na indústria comercial, designando um gênero musical geralmente associado ao punk rock, rock e pop, com origem no Reino Unido e crescimento nos Estados Unidos.[2]

Por exemplo: atualmente, no portal YouTube, quando um músico, produtor ou diretor cria um cadastro pessoal, ele tem a opção de usar o nome da gravadora dele nos detalhes de seu perfil, ou de usar o termo indie, para refletir que este artista não tem um contrato com um estúdio/gravadora de renome no mercado.

O termo também se aplica a empresas de desenvolvimento de jogos, ou até mesmo a desenvolvedores que lançam seus projetos de forma independente. Mas o termo tem proliferado e adquirido outros significados, tais como:

Referências

  1. de Marchi, Leonardo (2006). A nova produção independente: indústria fonográfica brasileira e novas tecnologias da informação e da comunicação Universidade Federal Fluminense. Visitado em 22 de Junho de 2014.
  2. Hesmondhalgh, David. (01 January 1999). "Indie: the institutional politics and aesthetics of a popular music genre". Cultural Studies (13:1): 34 - 61. DOI:10.1080/095023899335365.