Indie rock

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Indie Rock
Origens estilísticas Rock alternativo, pós-punk e new wave
Contexto cultural Início dos anos 80, Estados Unidos e Reino Unido
Instrumentos típicos Vocal
Guitarra
Baixo
Bateria
Sintetizador
Popularidade Alta a nível mundial nos anos 2000
Formas derivadas Post-rock, riot grrrl, grindie, Britpop
Subgêneros
Garage punk, riot grrrl, noise rock, twee pop, grindie, power pop, post-punk revival, queercore, noise pop, folk punk, post-hardcore, dance-punk, New Weird America, Pop barroco, new prog, garage rock, lo-fi, sadcore, C86, math rock, shoegazing
Formas regionais
várias partes do mundo, Inglaterra - Irlanda -Escócia - País de Gales - Estados Unidos - Canadá - Suécia - Japão
Outros tópicos
DIY, Lista de bandas de indie rock

Indie rock (ou "rock independente" em português) é um gênero musical surgido no Reino Unido e Estados Unidos durante a década de 1980. É enraizado em gêneros mais antigos, como o rock alternativo, o pós-punk e o new wave. O termo é frequentemente utilizado para descrever os meios de produção e distribuição de música underground independente e dissociada de grandes gravadoras, assim como o estilo musical a utilizar originalmente este meio de produção.[1]

Artistas de indie rock são conhecidos por fazerem questão de manter controle completo de sua música e carreira, lançando álbuns por gravadoras independentes (empresas por vezes fundadas e gerenciadas pelos próprios artistas) e baseando toda a divulgação de seu trabalho em turnês, rádios independentes e, mais atualmente, na internet.

História[editar | editar código-fonte]

No Reino Unido, e talvez no mundo, a primeira banda a prescindir de uma gravadora e que lançou um disco totalmente independente foi a banda punk Buzzcocks, com o EP Spiral Scratch em 1976. As paradas musicais indie por lá vêm sendo compiladas desde o início da década de 1980. Inicialmente ela tratava de bandas que emergiram do punk e outras formas alternativas do rock. Tais bandas eram caracterizadas meramente por lançarem álbuns por pequenas gravadoras, independente da cena musical em vigor. Apesar disso, o termo indie começou a ser associado com o estilo de rock alternativo baseado majoritariamente em guitarras que dominava a parada, particularmente artistas de indie pop como Aztec Camera e Orange Juice, o movimento C86 e os artistas da Sarah Records. As bandas que marcaram o estilo na década de 1980 foram The Smiths, New Order, the Stone Roses e The Jesus and Mary Chain, Happy Mondays, My Bloody Valentine que influenciaram diretamente os movimentos alternativos de rock da década de 1990 como o shoegaze e o britpop. De fato, é bastante comum para os britânicos denominarem qualquer forma alternativa de música como indie ao invés de alternativo.

Nos Estados Unidos, a música normalmente denominada indie rock descende da cena de rock alternativo influenciada pelo punk rock e hardcore da década de 1970 e início dos anos 1980. Nos anos 80 o termo indie rock foi particularmente associado à bandas com som forte e distorcido como Hüsker Dü, Dinosaur Jr., Pixies, Sonic Youth, Pavement e Big Black.[1] Durante a primeira metade da década de 1990, o rock alternativo liderado por bandas do movimento grunge como Nirvana e Pearl Jam explodiram para o público geral, alcançando sucesso comercial. Logo após o gênero alternativo tornou-se comercializável, atraindo grandes gravadoras a investirem em formas pró-comerciais com um apelo conservador (retrô).

Na década de 2000, o gênero Indie Rock foi mudando para um estilo mais rápido, com uma cena undeground, tiarada de bandas como Nirvana e outros timbres grossos, de guitarras limpas e sem distorção, em alguns casos, um som mais gritado, como é ouvido em bandas como The Strokes. Ainda não pode-se discutir se Queens of the Stone Age se define como Indie rock, pois eles usam o lado Stoner Rock com frequência. O movimento indie foi bastante forte na Inglaterra, com o surgimento das bandas Arctic Monkeys, Kasabian, Franz Ferdinand, Travis, Kaiser Chiefs etc. Essas bandas são considerados o indie pesado, com influências do britpop e do rock clássico inglês. Radiohead,Oasis, The Verve e U2 influenciaram bastante essas bandas. Com letras de diversos sentidos e interpretações, elas ganharam notoriedade por uma diversificação de Indie rock: Franz Ferdinand com o lado mais disco e funk, com algumas canções punk, Kaiser Chiefs com o gênero punk mais britpop, Travis apenas britpop, Arctic Monkeys garage rock e assim vai. Até que essas bandas se confundem com a banda Gogol Bordello, porém essa não é indie e sim Gypsy Punk. As bandas Coldplay, Snow Patrol e Keane também são Indie rock,mas voltados ao toque do piano e o timbre puxado para o folk britânico e post-britpop. As bandas The Black Keys e Kings of Leon são indie também, mas tem um som parecido com o Blues, como The Black Keys e Country como Kings of Leon. A banda Kings of Leon foi até Southern Rock em início de carreira.Não são consideradas bandas indie Muse, 30 Seconds to Mars, Lifehouse, Train, OneRepublic e The Fray, porém eles tem um toque mais rock alternativo, power pop e Pop rock do que para o Indie. Algumas canções do Muse e Panic! At the Disco fazem referência ao Indie rock. Depois de 2005, o crescimento massivo de bandas indie aumentam, porém com um som diferente do indie antes de 2005. Surgem bandas que ganham fama nessa época como Two Door Cinema Club, Vampire Weekend, Passion Pit, MGMT, com um som ainda similar ao antigo indie, mas com toques de guitarras mais rápido, e com influências psicodélicas tiradas do anterior, mais o afro-beat e o Dance-rock. De 2010 em diante, ganham novas formas de Indie Pop e Indietronica que surgem como Foster the People, Mumford & Sons, Neon Trees, fun., Florence + the Machine, Gotye, Passion Pit, Woodkid, Walk the Moon, Matt & Kim, Grouplove, Imagine Dragons,The Lumineers, Of Monsters and Men, The Naked and Famous etc, marcando a evolução da música indie para sons folk, electronica, rock alternativo e menos psicodelia e mais pop/rock. Nessa época surgem cantores não indie como Alex Clare, Adele, Phillip Phillips, Macklemore & Ryan Lewis, que fazem parte da nova era muiscal de 2010 em diante.


Com isso, o significado da denominação alternativo mudou de sua forma original, uma contra-cultura, para uma cultura comercialmente bem sucedida e apelativa ao grande público, enquanto o termo indie rock passou a denominar bandas e gêneros que permaneceram na cena "underground".

No Brasil, a sonoridade do Indie Rock é muito presente no estado de São Paulo,Paraná e Rio Grande do Sul. Entre os principais nomes do indie destacam-se bandas como o Pato Fu, A Banda Mais Bonita da Cidade, Inky, Garotas Suecas, CSS, Apanhador Só e Vivendo do Ócio [2] dentre outras, e músicos como Tiê [3] , Saulo Haikal [4] , Thiago Pethit e China [5] . Muito se discute se o Indie Rock no Brasil seria uma ramificação do gênero MPB, sendo que não há resposta pacífica sobre o tema.

Subgêneros[editar | editar código-fonte]

Sempre foi uma tarefa difícil saber se uma banda era de Indie Rock ou não. O Indie Rock pode ser tanto um tipo de Folk quanto um estilo de hardcore. Abaixo estão classificados os estilos:

 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • ABMI - Músicos Independentes Brasileiros