Individuação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O conceito de individuação foi criado pelo psicólogo Carl Gustav Jung e é um dos conceitos centrais da sua psicologia analítica.

A individuação, conforme descrita por Jung, é um processo através do qual o ser humano evolui de um estado infantil de identificação para um estado de maior diferenciação, o que implica uma ampliação da consciência. Através desse processo, o indivíduo identifica-se menos com as condutas e valores encorajados pelo meio no qual se encontra e mais com as orientações emanadas do Si-mesmo, a totalidade (entenda-se totalidade como o conjunto das instâncias psíquicas sugeridas por Carl Jung, tais como persona, sombra, self, etc.) de sua personalidade individual. Jung entende que o atingimento da consciência dessa totalidade é a meta de desenvolvimento da psique, e que eventuais resistências em permitir o desenrolar natural do processo de individuação é uma das causas do sofrimento e da doença psíquica, uma vez que o inconsciente tenta compensar a unilateralidade do indivíduo através do princípio da enantiodromia.

Jung ressaltou que o processo de individuação não entra em conflito com a norma coletiva do meio no qual o indivíduo se encontra, uma vez que esse processo, no seu entendimento, tem como condição para ocorrer que o ser humano tenha conseguido adaptar-se e inserir-se com sucesso dentro de seu ambiente, tornando-se um membro ativo de sua comunidade. O psicólogo suíço afirmou que poucos indivíduos alcançavam a meta da individuação de forma mais ampla.

Um dos passos necessários para a individuação seria a assimilação das quatro funções (sensação, pensamento, intuição e sentimento), conceitos definidos por Jung em sua teoria dos tipos psicológicos. Em seus estudos sobre a alquimia, Jung identificou a meta da individuação como sendo equivalente à "Opus Magna", ou "Grande Obra" dos alquimistas. A individuação também pode ser compreendida em termos globais como o processo que cria o mundo e o leva a seu destino (Rocha Filho, 2007), não sendo, por isso, uma exclusividade humana. A individuação, neste contexto, se identifica com o mecanismo de auto-realização, ou primeiro-motor do universo.

Referências[editar | editar código-fonte]

GUIMARÃES, C. A. F. 2004. Carl Gustav Jung e os fenômenos psíquicos. São Paulo, Madras.

HILLMAN, J. 1996. O código do ser. Rio de Janeiro, Objetiva.

JUNG, C.G. 1986. Resposta a Jó. Petrópolis, Vozes, O.C. XI/4.

JUNG, C. G. 1986. Símbolos da Transformação. Petrópolis, Vozes, O.C. V.

JUNG, C. G. 1988. Aion – Estudos sobre o simbolismo do si-mesmo. Petrópolis, Vozes, O.C. IX/2.

JUNG, C. G. 1991. A Natureza da Psique. Petrópolis, Vozes, O.C. VIII/2.

JUNG, C. G. 1991. Sincronicidade. Petrópolis, Vozes, O.C. VIII/3.

JUNG, C. G. 1998. A vida simbólica – v. I. Petrópolis, Vozes, O.C. XVIII/I.

JUNG, C. G. 1998. A vida simbólica – v. II. Petrópolis, Vozes, O.C. XVIII/II.

JUNG, C. G. 2001. Cartas – v. I. Petrópolis, Vozes.

JUNG, C. G. 2002. Cartas - v. II. Petrópolis, Vozes.

JUNG, C. G. 2003. Cartas - v. III. Petrópolis, Vozes.

PROGOFF, I. 1999. Jung, sincronicidade e destino humano. São Paulo, Cultrix.

ROBERTO, G. L. 2004. Aquém e além do tempo. Porto Alegre, Letras de Luz.

ROCHA FILHO, J. B. Física e Psicologia. Porto Alegre: Edipucrs, 2007.

VON FRANZ, M. L. 1993. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

VON FRANZ, M. L. 1995. Os sonhos e a morte. São Paulo, Cultrix.

VON FRANZ, M. L. 1997. Mistérios do tempo. Rio de Janeiro, Del Prado.

VON FRANZ, M. L. 1997. Reflexos da alma. São Paulo, Pensamento.

VON FRANZ, M. L. 1998. Adivinhação e sincronicidade. São Paulo, Pensamento. HEAD AND SHOULDER

Ver também[editar | editar código-fonte]