Indologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Indologia é o estudo acadêmico das línguas, textos, história e culturas da Ásia meridional, e dessa forma é um sub-ramo dos estudos asiáticos.

Indologia também pode ser conhecida como estudos índicos ou estudos indianos, ou estudos da Ásia meridional, apesar de estudiosos e administradores universitários apenas às vezes terem interpretações parcialmente sobrepostas destes termos.

Indologia tipicamente não iria incluir o estudo da economia, governo ou política contemporâneos da Ásia meridional, exceto nos casos em que estes expressam questões que estão profundamente arraiguados na história daquela região.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A indologia se sobrepõe to some extent com muitas outras áreas de estudo, aplicando as técnicas destas ao caso da Ásia meridional. Elas incluem antropologia cultural ou social, estudos culturais, linguística histórica, filologia, crítica textual, história literária, história, filosofia e o estudo das religiões da Ásia meridional, tais como a religião védica, hinduísmo, incluindo o xivaísmo e o vixnuísmo (ambos são versões daquilo que é comumente chamado "hinduísmo"), jainísmo, budismo, sikhismo, religiões tribais etc., além de formas incorporadas do judaísmo, zoroastrismo, cristianismo e islamismo.

Finalmente ela pode incluir o estudo das ciências, artes, arquitetura, agricultura (vṛksāyurveda) e artes marciais da Ásia meridional.

Estudiosos que se auto-intitulam indólogos geralmente colocam um valor especial na profunda compreensão das línguas da Índia, especialmente as línguas clássicas tais como sânscrito, páli, prácrito, canarês clássico, tâmil, telugu ou persa, e eles consideram o conhecimento de uma ou mais destas línguas, em conjunto com um conhecimento dos métodos da filologia, como sendo pré-requisitos para contribuir significativamente à pesquisa indológica e uma qualidade característica da indologia como um campo de estudos.

Assim, a indologia é a busca intelectual de tudo aquilo que for índico, com um foco na interpretação do passado e seus resultados no presente. Alguns estudiosos fazem distinção entre indologia clássica e indologia moderna, a primeira mais focada em fontes sânscritas e de outras línguas antigas e a segunda fazendo uso de fontes em línguas contemporâneas e abordagens sociológicas.

O termo indologia ou (em alemão) indologie, está geralmente associado com a erudição alemã e é usado mais comumente nos nomes de departamentos das universidades alemãs e da Europa continental do que na academia anglófona. Nos Países baixos o termo indologie era usado para designar o estudo da história e cultura da Indonésia em preparação para os serviços coloniais nas Índias orientais holandesas.


Lista de indólogos[editar | editar código-fonte]

A seguir está uma lista de proeminentes indólogos academicamente qualificados.

Falecidos
Vivos

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

  • Heinz Bechert, Georg von Simson - Einführung in die Indologie. Stand, Methoden, Aufgaben - ISBN 3-534-05466-0.
  • Jean Filliozat and Louis Renou - L'inde classique - ISBN B0000DLB66.
  • Grundriss der Indo-Arischen Philologie und Altertumskunde, Berlin und Leipzig, Vereinigung wissenschaftlicher verleger, 1920
  • Bryant, Edwin. The Quest for the origins of Vedic culture. (2001) Oxford University Press
  • Chakrabarti, Dilip: Colonial Indology, 1997, Munshiram Manoharlal: New Delhi.
  • Halbfass, W. India and Europe: An Essay in Understanding. SUNY Press, Albany: 1988
  • Edmund Leach. "Aryan Invasions Over Four Millennia. In "Culture Through Time (edited by Emiko Ohnuki-Tierney, Stanford University Press, 1990)
  • Gauri Viswanathan, 1989, Masks of Conquest
  • Pollock, Sheldon. Deep Orientalism?: Notes on Sanskrit and Power Beyond the Raj. In: Orientalism and the Postcolonial Predicament: Perspectives on South Asia, eds. Carol A. Breckenridge and Peter van der Veer. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1993.
  • Servan-Schreiber, Catherine & Vuddamalay, Vasoodeven (éd.). Diasporas indiennes dans la ville. In hommes et migrations n° 1268-1269 (2007)
  • Trautmann, Thomas. 1997. Aryans and British India, University of California Press, Berkeley.
  • Vogel, C. (ed.). Literatur und Kultur, zur Geschichte der Sanskritphilologie, Wiesbaden 1977
  • Windisch, E. Geschichte der sanskrit-philologie und indischen altertumskunde. Strasbourg. Trübner, K.J., 1917-1920

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Indology
Institutos