Indonésia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Republik Indonesia
República da Indonésia
Bandeira da Indonésia
Brasão de armas da Indonésia
Bandeira Brasão de Armas
Lema: "Bhinneka Tunggal Ika"
("Unidade na Diversidade")
Hino nacional: "Indonesia Raya" ("Grande Indonésia")
Gentílico: indonésio(a)[1]

Localização  República da Indonésia

Capital Jacarta
6° 10' S 106° 49' E
Cidade mais populosa Jacarta
Língua oficial Língua indonésia (bahasa indonesia)
Governo República presidencialista
 - Presidente Joko Widodo
 - Vice-presidente Jusuf Kalla
Independência dos Países Baixos 
 - Declarada 17 de agosto de 1945 
 - Reconhecida 27 de novembro de 1949 
Área  
 - Total 1 904 569 km² (15.º)
 - Água (%) 4,8
 Fronteira Com a Malásia (N), com a Papua-Nova Guiné (N) e com Timor-Leste (E); fronteiras marítimas adicionais com as Filipinas, Singapura (N), Palau (E), Austrália (S) e Índia (NW)
População  
 - Estimativa de 2013 251 160 124 hab. (4.º)
 - Densidade 126 hab./km² (61.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2011
 - Total US$ 1,105 trilhão*[2]  (15.º)
 - Per capita US$ 4 657[2]  (122.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2011
 - Total US$ 822,631 bilhões*[2]  (18.º)
 - Per capita US$ 3 464[2]  (109.º)
IDH (2013) 0,684 (108.º) – médio[3]
Gini (2005) 36,3[4]
Moeda Rupia indonésia (IDR)
Fuso horário (UTC+7 a +9, oficial: +7)
 - Verão (DST) não observado (UTC+7 a +9)
Clima Tropical úmido e tropical
Org. internacionais ONU, G15, OPEP, ASEAN, G20 (países industriais), G20 (países em desenvolvimento)
Cód. ISO IDN
Cód. Internet .id
Cód. telef. +62
Website governamental http://www.indonesia
.go.id/en/

Mapa  República da Indonésia

Indonésia, oficialmente República da Indonésia (em indonésio: Republik Indonesia), é um país localizado entre o Sudeste Asiático e a Austrália, sendo o maior arquipélago do mundo, composto pelas Ilhas de Sonda,[5] a metade ocidental da Nova Guiné e compreendendo no total 17 508 ilhas.[2] [6] Por ser um arquipélago, tem fronteiras terrestres com Malásia (na ilha de Bornéu), Timor-Leste (na ilha do Timor) e Papua-Nova Guiné (na Nova Guiné); e marítimas com as Filipinas, Malásia, Singapura, Palau, Austrália e com o estado indiano de Andaman e Nicobar. A localização entre dois continentes — Ásia e Oceania — faz da Indonésia uma nação transcontinental. O país é uma república,[7] com poder legislativo e presidente eleitos por sufrágio universal,[8] sendo sua capital a cidade de Jacarta, com uma população de cerca de 10 milhões de pessoas. É um dos membros fundadores da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e membro do G20. A economia indonésia é a décima oitava maior economia do mundo e décima quinta maior em paridade do poder de compra.

O arquipélago indonésio tem sido uma região de grande importância para o comércio desde os séculos VI e VII, quando Srivijaya começou a comercializar com a China e com a Índia. Apesar de sua grande população e regiões densamente povoadas, a Indonésia tem vastas áreas desabitadas e é um dos países mais biodiversos do mundo.[9] Desde os primeiros séculos da era cristã, governantes locais gradativamente absorveram modelos culturais, políticos e religiosos estrangeiros, enquanto reinos hindus e budistas floresceram. A história da Indonésia tem sido influenciada por poderes estrangeiros atraídos por seus vastos recursos naturais. Comerciantes árabes muçulmanos trouxeram o islamismo, agora a religião dominante no país. As potências europeias trouxeram o cristianismo e, além disso, lutaram entre si para monopolizar o comércio de especiarias nas ilhas Molucas durante a Era dos Descobrimentos. Depois de três séculos e meio de colonialismo holandês, a Indonésia conquistou sua independência após a Segunda Guerra Mundial. A história do país desde então tem sido turbulenta, com desafios colocados por catástrofes naturais, corrupção política, movimentos separatistas, processo de democratização e períodos de rápida mudanças econômicas. A nação atual da Indonésia é uma república presidencial unitarista composta por trinta e três províncias.[10]

Com mais de 230 milhões de habitantes,[11] é o quarto país mais populoso do mundo e o primeiro entre os países islâmicos.[7] Através de suas várias ilhas, o povo indonésio está distribuído por distintos grupos étnicos, linguísticos e religiosos. O lema nacional Bhinneka Tunggal Ika ("Unidade na diversidade") articula a diversidade que há na nação.[7] A Indonésia é um país rico em questão de recursos naturais, contrastando com sua população, que é, em sua maioria, de baixa renda.[12]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome "Indonésia" deriva do grego indós e nesus, que significa "ilha".[13] O nome data do século XVIII, precedendo a formação de uma Indonésia independente.[14] Em 1850, George Earl, etnólogo inglês, propôs os termos Indunesians, ou também Malayunesians, para se referir aos habitantes do "arquipélago indiano" ou "arquipélago malaio".[15] Na mesma publicação, um dos estudantes de Earls, James Richardson Logan, utiliza a palavra "Indonésia" como sinônimo de "arquipélago indiano".[16] [17] Entretanto, os acadêmicos neerlandeses que escreveram publicações nas Índias Orientais negavam a usar o vocábulo Indonésia, usando em seu lugar termos como Maleische Archipel ("Arquipélago Malaio"); Nederlandsch Oost Indië (Índias Orientais Neerlandesas); de Oost (o leste); e inclusive Insulinde.[nota 1] [18]

A partir de 1900 o uso do termo Indonésia se tornou mais comum em círculos acadêmicos fora dos Países Baixos, e grupos nacionalistas indonésios adotaram o termo para expansão política.[18] Adolf Bastian, da Universidade de Berlim, popularizou o nome no seu livro Indonesien oder die Islas des Malayischen Archipels, 1884–1894. O primeiro erudito indonésio a utilizar o nome foi Suwardi Suryaningrat (Ki Hajar Dewantara), quando em 1913 estabeleceu uma imprensa nos Países Baixos com o nome Indonesisch Pers-mesa.[14]

História[editar | editar código-fonte]

Um navio esculpido em Borobudur aproximadamente no ano 800. Barcos indonésios podem ter feito viagens comerciais para a costa oriental da África no século I.[19]
O Conjunto de Prambanan, construído pela dinastia Sanjaya.

Restos fossilizados de Homo erectus, popularmente conhecido como Homem de Java, sugerem que a Indonésia tenha sido habitada de 2 000 000 a 500 000 anos atrás, aproximadamente.[20] O Homo-sapiens chegou à região, provavelmente, há 45 000 anos.[21] Os austronésios, que constituem a maioria da população moderna do país, emigraram ao sudeste asiático a partir da ilha de Formosa. Por volta do ano 2000 a.C., chegaram à Indonésia e expandiram seus territórios para as ilhas melanésias do oriente.[22] Nos princípios do século VIII a.C., as condições agrícolas ideais e o aperfeiçoamento das técnicas do cultivo do arroz permitiram o surgimento de pequenas aldeias e reinos.[23] A posição estratégica da Indonésia estimulou o comércio entre as ilhas e com o continente. Por exemplo, as relações com os reinos da China e da Índia se estabeleceram há vários séculos antes de Cristo,[24] o que demonstra que o comércio sempre fez parte da história da Indonésia.[25] [26]

Entre os séculos VII e XIV, formaram-se, nas ilhas de Samatra e Java, vários reinos hindus e budistas[27] [28] . Dois grandes reinos que surgiram nessa época foram o Srivijaya e Majapahit. Do século VII até o século XIV, o reino budista de Srivijaya, em Samatra, cresceu rapidamente.[29] Em seu auge, o Srivijaya controlava desde o oeste de Java até a península malaia. No século XIV, também surgiu o reino hindu de Java Oriental, Majapahit, que conseguiu obter poder sobre o território que é a maior parte da Indonésia atual e sobre quase toda a Península Malaia.[29]

Com a chegada de comerciantes árabes de Gujarate (Índia) no século XII, o Islão tornou-se a religião dominante na maior parte do arquipélago, iniciando ao norte de Samatra.[30] Outras áreas da Indonésia gradualmente adotaram o islamismo, o que o tornou a religião dominante em Java e Samatra no final do século XVI. O islamismo se misturou a influências culturais e religiosas da região, que moldaram a forma predominante do islamismo na Indonésia, particularmente em Java.[31] Sultanatos islâmicos como o de Mataram e de Banten se instalaram na região.[32]

Colonização europeia e independência[editar | editar código-fonte]

Bandeira indonésia levantada logo após a declaração de independência.

Quando os europeus ali chegaram em princípios do século XVI (em 1511, Francisco Serrão juntamente com António de Abreu chegaram às ilhas Molucas), começaram a dominar os reinos que ali existiam, na sua vontade de monopolizar o comércio das especiarias.[33] A história da colonização neerlandesa da Indonésia começou com a expedição de Cornelis de Houtman. No século XVII, os neerlandeses, através da companhia Holandesa das Índias Orientais, estabeleceram na região a sua colónia das "Índias Orientais Neerlandesas"[34] (sem, no entanto, conseguirem ocupar a colónia portuguesa de Timor). Durante a maior parte do período colonial, o controle neerlandês sobre o arquipélago ficou restrito às zonas costeiras, em uma ocupação que durou até o século XX. As tropas neerlandesas estavam constantemente envolvidas em sufocar rebeliões.[35] A influência de líderes locais, tais como o príncipe Diponegoro no centro de Java, Bonjol Imam em Samatra central e Pattimura nas Molucas e uma sangrenta guerra em Aceh, que durou trinta anos, debilitaram e reduziram as forças militares neerlandesas.[35]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Países Baixos, que haviam sido ocupados pela Alemanha Nazista, perderam a sua colónia para os japoneses.[36] Com o fim da guerra, Sukarno, que tinha cooperado com os japoneses, declarou a independência da Indonésia, mas os aliados apoiaram o exército neerlandês a tentar recuperar a sua colónia. A guerra pela independência, denominada revolução Nacional da Indonésia, durou mais de quatro anos e envolveu um esporádico, mas sangrento conflito armado interno, levantes políticos e duas grandes intervenções diplomáticas internacionais. As forças neerlandesas não conseguiram prevalecer aos indonésios, sendo expulsos após muita resistência[37] . Embora as forças neerlandesas controlassem as vilas e cidades em redutos republicanos em Java e Samatra, não controlavam as aldeias e o campo. Assim, a república da Indonésia acabou por prevalecer, tanto através da diplomacia internacional, como através da determinação da Indonésia em conflitos armados em Java e em outras ilhas. A revolução terminou em dezembro de 1949, quando, após pressões internacionais, os Países Baixos reconheceram formalmente a independência da Indonésia.[38] [39]

Pós-independência[editar | editar código-fonte]

Suharto, o presidente do país entre 1967 e 1998

Entre os anos de 1963 e 1965, o Partido Comunista da Indonésia, que mantinha relações secretas com a China comunista de Mao Tsé Tung, elaborou um plano para fortalecer o governo pró-Pequim de Sukarno. A ideia era decapitar o alto comando anticomunista do exército para manter mais da metade do Exército, dois terços da Aeronáutica e um terço da Marinha alinhados ao partido Comunista da Indonésia. Em 30 de setembro de 1965, o plano foi colocado em prática e o chefe do Exército e outros cinco generais foram presos e executados.[40] Contudo esse plano fracassou, pois Suharto, um general até então de pouca expressão, estava informado sobre esse plano, esperou a prisão e execução dos generais para rapidamente tomar o poder.[41] O golpe de Estado do general Suharto, apoiado pelos Estados Unidos[42] e seus aliados, derrubou o governo do líder populista Sukarno em 1965, sob o pretexto de deter o avanço comunista. Foi um banho de sangue que vitimou mais de 500 mil de indonésios supostamente comunistas.[43] De caráter agressivo, militarista e essencialmente corrupto, a ditadura de Suharto promoveu a repressão e a opressão da população.[44] [45] Reforçou, também, a centralização política e o expansionismo. Assim, poderiam impedir a diversidade existente no país e reforçar as tensões autônomas opositoras à constituição de uma "Grande Indonésia". Com isso, houve conflitos autônomos nas ilhas Molucas, em Samatra, na Nova Guiné, em Celebes e Bornéu e fronteiriços com a Malásia e Papua-Nova Guiné.

Suharto foi reeleito cinco vezes[46] e governou o país com a ajuda dos militares mas, com a crise económica asiática de 1997, o país voltou à rebelião e o presidente foi obrigado a renunciar e entregou o poder ao seu Vice-Presidente, B. J. Habibie.[46] No entanto, as eleições de 1999 foram perdidas por Habibie para Megawati Sukarnoputri, filha de Sukarno, que não chegou a ser empossada, tendo sido substituída pelo seu partido político por Abdurrahman Wahid. A crise de Timor-Leste virou as cartas e Megawati voltou à presidência em 2001. Em 2004, nas primeiras eleições directas, foi eleito o actual presidente, Susilo Bambang Yudhoyono.[47] [48]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite do território indonésio em agosto de 2004
Monte Semeru e Monte Bromo na ilha de Java.

A Indonésia possui 17 508 ilhas das quais cerca de 6000 são habitadas[2] [6] . As principais são Java, Samatra, Bornéu (compartilhada com a Malásia e Brunei), Nova Guiné (compartilhada com a Papua-Nova Guiné) e Celebes. A Indonésia tem fronteiras terrestres apenas com a Malásia (na ilha de Bornéu), Papua-Nova Guiné (na Nova Guiné) e Timor-Leste, na ilha de Timor. Além disso, apenas alguns estreitos separam a Indonésia de Singapura, Filipinas e Austrália. A capital, Jacarta, está localizada na ilha de Java e é a maior cidade do país, seguida de Bandung, Surabaya, Medan e Semarang.[49]

Com 1 904 569 km²,[7] a Indonésia é o décimo sexto país mais extenso do mundo, em termos de superfície.[50] Sua densidade populacional é de 134 hab./km², a 88ª mais alta do mundo,[51] enquanto Java, a ilha mais povoada do mundo[52] tem uma densidade populacional de 940 hab./km². Com 4884 m de altitude, o Puncak Jaya, em Papua, é o ponto mais elevado da Indonésia, enquanto o lago Toba em Samatra é o lago mais extenso do país, com uma área de 1145 km². Os maiores rios do país estão em Kalimantan, dos quais se utilizam como via de comunicação e transporte entre os habitantes da ilha.[53]

Situando-se entre as placas tectônicas do Pacífico, Euro-Asiática e Indo-australiana, a Indonésia é um país com muitos vulcões e com frequentes sismos, com pelo menos 150 vulcões ativos,[54] incluindo o Krakatoa e o Tambora, famosos por suas erupções devastadoras no século XIX. Entre os desastres causados pela atividade sísmica recente, se encontram o Sismo do Oceano Índico de 2004, que matou cerca de 170 000 pessoas no norte de Samatra[55] e o Sismo de Java de maio de 2006. No entanto, a cinza vulcânica é um dos principais fatores que contribuem para a alta fertilidade do solo que tem mantido a densidade populacional de Java e Bali.[56]

Por se encontrar nas proximidades da Linha do Equador, a Indonésia tem um clima tropical, com diferentes temporadas de monções, de chuvas e de seca. A precipitação média anual varia de 1780 mm nas planícies até 6100 mm nas regiões montanhosas. Geralmente, a umidade é alta, com média de cerca de 80%. As temperaturas variam pouco ao longo do ano, em Jacarta, as médias são de 26 a 30 °C.[57]

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Flor da espécie Rafflesia arnoldii, a maior do mundo, que pode atingir 106 cm de diâmetro e pesar até 11 kg.[58]

O tamanho, o clima tropical e a geografia do arquipélago da Indonésia são a base para o segundo maior nível de biodiversidade do mundo (depois do Brasil)[59] e sua fauna e flora são uma mistura de espécies provenientes da Ásia e da Australásia.[60] As ilhas da Plataforma Sunda (Sumatra, Java, Bornéu e Bali) foram uma vez ligadas ao continente asiático e tem parte da riqueza da fauna asiática. Grandes espécies de tigres, da rinocerontes, orangotangos, elefantes e leopardos eram abundantes no país, mas a população e a distribuição desses animais diminuíram drasticamente. As florestas cobrem cerca de 60% do território do país.[61] Em Sumatra e Kalimantan, estas florestas são predominantemente de espécies asiáticas. No entanto, as florestas da ilha de Java, que é menor e mais densamente povoada, foram em sua maioria removidas para a habitação humana e agricultura. As ilhas de Sulawesi, Nusa Tenggara e Molucas, por serem separadas de massas continentais, desenvolveram suas próprias flora e fauna.[62] A Papua fazia parte do continente australiano e é o lar de uma fauna e flora únicas estreitamente relacionadas com a Austrália, incluindo mais de 600 espécies de aves.[63]

A Indonésia é o segundo país (apenas atrás da Austrália) em número de espécies endêmicas, sendo que 36% das 1531 espécies de aves e 39% das 515 espécies de mamíferos do país são endêmicas.[64] O litoral indonésio de mais de 80 mil quilômetros é cercados por mares tropicais que contribuem para o alto nível de biodiversidade do país, além de conter uma variedade de ecossistemas costeiros, como praias, dunas, estuários, manguezais, recifes de coral, bancos de algas marinhas, lodaçais costeiros, planícies de maré, leitos de algas e ecossistemas de pequenas ilhas.[13] A Indonésia é um dos países do chamado "triângulo de corais" com um dos maiores níveis de diversidade mundial de peixes de recife de corais, com mais de 1 650 espécies registradas apenas no leste do país.[65] O naturalista britânico Alfred Wallace, descreveu uma linha divisória entre as ecozonas de espécies da Ásia e da Australásia.[66] Conhecido como Linha de Wallace, ela é percorre um trajeto de norte-sul ao longo da borda da plataforma Sunda, entre Kalimantan e Celebes, e ao longo do profundo estreito de Lombok, entre Lombok e Bali. A oeste da linha, a flora e a fauna são mais asiáticas; ao leste elas são cada vez mais australianas. Em seu livro de 1869, O Arquipélago Malaio (em inglês: The Malay Archipelago), Wallace descreveu inúmeras espécies únicas da região.[67] A região de ilhas entre a linha e a Nova Guiné é agora denominada Wallacea.[66]

Dragão-de-komodo, uma espécie de lagarto que vive nas ilhas de Komodo, Rinca, Gili Motang e Flores.

A grande população da Indonésia e seu nível industrialização apresentam sérios problemas ambientais imediatos, mas que são muitas vezes negligenciados pelos altos níveis de pobreza do país, com poucos recursos de governança.[68] Entre os principais problemas estão o desmatamento em grande escala (muitos deles ilegais) e incêndios que levam fumaça pesada sobre partes do oeste da Indonésia, Malásia e Singapura, além da exploração excessiva dos recursos marinhos; entre os problemas ambientais associados com a rápida urbanização e o desenvolvimento econômico, estão a poluição do ar, congestionamentos de trânsito, gestão do lixo e de recursos de água potável.[68] O desmatamento e a destruição de turfeiras fazem da Indonésia o terceiro maior emissor mundial de gases do efeito estufa.[69] A destruição de habitats ameaça a sobrevivência de espécies nativas e endêmicas, como 140 espécies de mamíferos identificadas pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) como ameaçadas e 15 identificadas como em perigo crítico, entre as quais estão o estorninho-de-bali,[70] o orangotango-de-sumatra[71] e o rinoceronte-de-java.[70] Grande parte do desmatamento na Indonésia é causado pela eliminação de florestas para a indústria de óleo de palma, que consumiu 18 milhões de hectares de floresta para expansão da produção do óleo de palma. A expansão desta indústria requer a redistribuição de terras, além de alterações nos ecossistemas locais e naturais, apesar de poder gerar riqueza para as comunidades locais quando bem feita. Se for feita da maneira errada, a produção do óleo de palma pode degradar os ecossistemas e causar conflitos sociais.[72]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Mapa dos grupos étnicos da Indonésia (em inglês).

De acordo com o censo nacional de 2010, a população da Indonésia é de 237,6 milhões de habitantes,[73] com um crescimento demográfico de 1,9% ao ano.[74] Aproximadamente 60% da população vive em Java,[73] a ilha mais populosa do mundo.[52] Em 1961, o primeiro censo pós-colonial registrou uma população total de 97 milhões de pessoas.[75] Apesar de um programa de planejamento familiar bastante eficaz, que está em vigor desde os anos 1960, a população indonésia deverá crescer para cerca de 265 milhões em 2020 e 306 milhões em 2050.[76]

Há cerca de 300 diferentes grupos étnicos nativos e 742 línguas e dialetos diferentes no país.[77] [78] A maioria indonésios são descendentes de povos de língua austronésia, cuja origem pode ser atribuída ao antigo idioma proto-austronésio, que possivelmente se originou na ilha de Taiwan. Outro grande grupo são os melanésios, que habitam leste da Indonésia.[49] [79] O maior grupo étnico são javaneses, que compreendem 42% da população e são politicamente e culturalmente dominantes.[80] Os sundaneses, malaios e madureses são os maiores grupos não-javaneses. Um sentimento de nacionalidade indonésia coexiste com fortes identidades regionais.[81] A sociedade é, em grande parte harmoniosa, embora existam tensões sociais, religiosas e étnicas que têm provocado uma violência horrível.[82] [83] [84] Os indonésios de origem chinesa são uma minoria étnica influente que compõe entre 3% e 4% da população. Grande parte do comércio e da riqueza indonésia de propriedade privada está nas mãos dos indonésios chineses.[85] [86] Empresas chinesas presentes na Indonésia são parte da chamada "rede de bambu", uma rede de empresas chinesas no exterior que operam nos mercados do Sudeste Asiático e que compartilham uma família e laços culturais comuns.[87] Isto tem contribuído com um considerável ressentimento na população em geral e até mesmo alguns casos de violência anti-chineses.[88] [89] [90]

A língua oficial nacional é o indonésio, uma variante da língua malaia. Ela é baseada em um dialeto de prestígio do malaio falado no Sultanato de Johore e que durante séculos foi a língua franca do arquipélago indonésio, um padrão de normas que definiu as as línguas oficiais de Singapura, Malásia e Brunei. O indonésio é universalmente ensinado nas escolas, consequentemente, é falado por quase todos os habitantes. É o idioma dos negócios, da política, da mídia nacional, da educação e da academia. Ele foi promovido pelos nacionalistas indonésios em 1920 e declarado como a língua oficial sob o nome de Bahasa Indonésia na proclamação da independência em 1945. A maioria dos indonésios falam pelo menos uma das várias centenas de línguas e dialetos locais, muitas vezes como sua primeira língua. Destes, o javanês é a mais falada, já que é o idioma do maior grupo étnico do país.[91] Por outro lado, Papua tem mais de 270 línguas austronésias e nativas, em uma região de cerca de 2,7 milhões de pessoas.[92]

Religião[editar | editar código-fonte]

A mesquita Istiqlal no centro de Jacarta. A Indonésia é o mais populoso país de maioria muçulmana do mundo.

Embora a liberdade religiosa seja garantida pela constituição indonésia,[93] o governo reconhece oficialmente apenas seis religiões: islamismo, protestantismo, catolicismo, hinduísmo, budismo e confucionismo.[94] A Indonésia é o mais populoso país de maioria muçulmana do mundo (87,2% da população em 2010), sendo a maioria de muçulmanos sem denominação.[95] [96] Em 21 de maio de 2011, o Conselho de Sunitas e Xiitas da Indonésia (muhsin) foi estabelecido. O conselho pretende realizar reuniões, diálogos e atividades sociais. Era uma resposta para atos de violência cometidos em nome da religião.[97] Cerca de 9% da população é cristã, 3% hindus e 2% budista ou outro. A maioria dos hindus indonésios estão em Bali[98] e a maioria dos budistas do país são de etnia chinesa.[99]

Apesar de agora serem religiões minoritárias, o hinduísmo e o budismo permanecem definindo influências na cultura indonésia. O islamismo foi adotado pela primeira vez por indonésios no norte da ilha de Sumatra durante o século XIII, pela influência de comerciantes árabes, e tornou-se a religião dominante no país por volta do século XVI.[100] O catolicismo romano foi trazido para a Indonésia por colonos e missionários portugueses[101] [102] e as denominações protestantes são em grande parte resultado dos esforços de missionários holandeses calvinistas e luteranos durante o período colonial do país.[103] [104] [105] Uma grande parte dos indonésios praticam uma forma sincrética menos ortodoxa de sua religião, que se baseia em costumes e crenças locais.[106]

Urbanização[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Uma sessão do Assembleia Consultiva Popular na capital, Jacarta.

A Indonésia é uma república presidencialista. Como se trata de um estado unitário, o poder se concentra no governo central. O Presidente, que é chefe de estado e do governo, é eleito diretamente para mandatos de 5 anos, junto com o vice-presidente. Após a renúncia de Suharto em 1998, as estruturas políticas e governamentais sofreram importantes reformas. Realizaram-se quatro emendas a Constituição de 1945[nota 2] , que renovaram os poderes executivo, legislativo e judiciário.[107] O presidente é o Chefe de Estado e o comandante das forças armadas e o diretor da administração interna, da criação de políticas e das relações exteriores. Além disso, é o presidente que nomeia o conselho de ministros, que não são obrigados a ser membros eleitos do poder legislativo. As eleições presidenciais de 2004 foram as primeiras em que o povo elegeu diretamente o presidente e o vice-residente, por sufrágio universal.[8] [108] O presidente é eleito por cinco anos e só pode se reeleger por uma única vez.[109]

O principal corpo legislativo do país é o Majelis Permusyawaratan Rakyat (MPR)[110] ou Assembleia Consultiva Popular, que consiste do Dewan Perwakilan Rakyat (DPR) ou Conselho Representativo do Povo, eleito para mandatos de 5 anos, e do Dewan Perwakilan Daerah (DPD) ou Conselho dos Representantes Regionais. Depois das eleições de 2004, o MPR tornar-se-ia um parlamento bicameral com a criação do DPD como nova segunda câmara. As principais funções do MPR são revisar e aprovar emendas para a constituição, fazer o juramento do presidente e também processar o mesmo presidente, de acordo com a legislação.[107] O DPD é uma câmara relativamente nova onde se atendem os assuntos de cunho regional. O DPD compreende quatro membros eleitos por cada província, os quais não pertencem a nenhum partido político.[111]

Em contraste com a política anti-imperialista contra as potências ocidentais e as tensões com a Malásia durante o regime de Sukarno, as relações internacionais da Indonésia desde a chamada "nova ordem" se baseiam na cooperação política e económica com as nações ocidentais.[112] O país mantém estreitas relações com seus vizinhos no sudeste asiático e é um membro fundador da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ANSA).[113]

Relações internacionais e forças armadas[editar | editar código-fonte]

Barack Obama e Susilo Bambang Yudhoyono durante um encontro em Jacarta em novembro de 2010

Em contraste com a antipatia anti-imperialista de Sukarno com as potências ocidentais e as tensões com a Malásia, as relações exteriores da Indonésia desde a "Nova Ordem" de Suharto têm sido baseadas em cooperação econômica e política com o ocidente.[114] O país mantém relações estreitas com seus vizinhos na Ásia e é um dos membros fundadores da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e da Cúpula do Leste Asiático.[115] A nação restaurou as relações diplomáticas com a República Popular da China em 1990, após um congelamento em vigor desde os expurgos anticomunistas do início da era Suharto.[116]

A Indonésia é membro da Organização das Nações Unidas (ONU) desde 1950 e foi um dos fundadores do Movimento Não Alinhado e da Organização da Conferência Islâmica (OIC).[115] O país é signatário do acordo de livre comércio da ASEAN, do Grupo de Cairns e da Organização Mundial do Comércio (OMC) e tem sido, historicamente, membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), embora teha se retirado da organização em 2008, uma vez que o país já não era mais um exportador líquido de petróleo. A Indonésia recebe ajuda humanitária e para o desenvolvimento desde 1966, em particular dos Estados Unidos, Europa Ocidental, Austrália e Japão.[115]

Navios da Marinha da Indonésia em formação.

O governo indonésio tem trabalhado com outros países para apreender e processar os perpetradores de grandes atentados ligados ao islamismo militante e à al-Qaeda.[117] O atentado mais mortífero matou 202 pessoas (incluindo 164 turistas internacionais) em um resort na cidade de Kuta em Bali, em 2002.[118] Os ataques e os subsequentes avisos emitidos por outros países trouxeram significativos danos para a indústria de turismo local e as perspectivas de investimento estrangeiro.[119]

As forças armadas da Indonésia incluem o exército, a marinha (que inclui os fuzileiros navais) e a força aérea.[120] O exército tem cerca de 400 mil soldados na ativa. Os gastos com defesa no orçamento nacional representaram 4% do PIB do país em 2006 e são controversamente complementados por receitas de interesses e fundações comerciais e militares.[121] Uma das reformas após a renúncia de Suharto em 1998 foi a remoção da representação formal das forças armadas no parlamento; no entanto, a influência política dos militares continua forte.[122]

Movimentos separatistas nas províncias de Aceh e Papua levaram a um conflito armado e denúncias de abusos, brutalidade e desrespeito aos direitos humanos surgiram de todos os lados.[123] [124] Depois de uma guerra de guerrilha de trinta anos entre o Movimento Aceh Livre (GAM) e os militares indonésios, foi alcançado um acordo de cessar-fogo em 2005.[125] Em Papua, houve uma significativa, embora imperfeita, implementação de leis de autonomia regional e um declínio visível nos níveis de violência e abusos dos direitos humanos durante a presidência da Susilo Bambang Yudhoyono.[126]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista administrativo, a Indonésia está dividida em 33 províncias (entre as quais, 3 são territórios de regime especial, Aceh e Yogyakarta, e o território da cidade capital, Jacarta). As principais províncias, subdivididas em distritos, são: Samatra, Papua (Irian Jaya), Riau, Riau Kepulauan, Sulawesi (a sudoeste), Kalimantan (ao sul), Celebes (ao sul), Irian Jaya (a oeste), Java (a oeste), Kalimantan (a oeste), Nusa Tenggara (a oeste), Sulawesi (a oeste) e Samatra (a oeste).[10]

As províncias de Aceh , Jacarta , Yogyakarta , Papua e Papua Ocidental têm mais privilégios legislativos e um maior grau de autonomia do governo central. O governo de Aceh, por exemplo, tem o direito de estabelecer um sistema judicial independente (em 2003, instituiu a exigência obrigatória de Sharia).[127] Se concedeu a província de Yogyakarta a condição de região semi autônoma em reconhecimento de seu papel fundamental na luta dos republicanos durante a guerra de independência indonésia.[128] À Papua, anteriormente Irian Jaya, se concedeu o estatuto de região semi autônoma em 2001, enquanto que Jacarta se tornou uma região "especial" por ser a capital do país.[129]


Economia[editar | editar código-fonte]

Jacarta, capital e maior centro comercial do país.

A Indonésia tem uma economia mista onde tanto o setor privado quanto o governo desempenham papéis importantes.[130] O país é a maior economia do Sudeste Asiático e é membro do G20, grupo das principais economias do planeta.[131] O produto interno bruto (PIB) estimado da Indonésia (nominal) em 2012 foi de cerca de 1 trilhão de dólares, com um PIB nominal per capita em 3 797 dólares.[132] Em junho de 2011, durante o Fórum Econômico Mundial sobre a Ásia Oriental, o presidente da Indonésia disse que o país estará entre as dez maiores economias do mundo até a próxima década. O setor industrial é o maior da economia indonésia e responde por 46,4% do PIB (2012), seguido por serviços (38,6%) e pela agricultura (14,4%). No entanto, desde 2012, o setor de serviços empregou mais pessoas do que as outras áreas da economia e representa sozinho 48,9% da força de trabalho total do país, pela agricultura (38,6%) e pela indústria (22,2%).[133] O setor agrícola, no entanto, foi historicamente o maior empregador do país há séculos.[134] [135]

De acordo com dados da Organização Mundial do Comércio, a Indonésia era o 27º maior exportador do mundo em 2010, subindo três posições em relação ao ano anterior.[136] Os principais mercados de exportação da Indonésia em 2009 eram Japão (17,28%), Singapura (11,29%), Estados Unidos (10,81%) e a China (7,62%), enquanto os principais fornecedores de importações para a Indonésia eram Singapura (24,96%), China (12,52%) e Japão (8,92%). Em 2005, o país alcançou um superávit comercial, totalizando receitas de 83,64 bilhões de dólares com exportações e gastos de 62,2 bilhões de dólares com importações. A Indonésia tem vastos recursos naturais, como petróleo bruto, gás natural, estanho, cobre e ouro. As principais importações do país incluem máquinas e equipamentos, produtos químicos, combustíveis e produtos alimentares, enquanto entre os principais produtos de exportação estão petróleo e gás, eletrodomésticos, madeira, borracha e têxteis.[91]

Agricultor usando um búfalo-asiático para a arar os campos de arroz na ilha de Java. O setor agrícola foi o maior empregador do país durante séculos.

Na década de 1960 a economia se deteriorou drasticamente como resultado da instabilidade política, de um governo jovem e inexperiente e do nacionalismo econômico, que resultou em pobreza extrema e da fome. Até o momento da queda do presidente Sukarno, em meados dos anos 1960, a economia estava caótica, com uma inflação de 1.000% ao ano, diminuição nas receitas de exportação, uma infraestrutura em ruínas, fábricas operando com capacidade mínima e investimentos insignificantes. Após a queda de Sukarno, a nova administração nacional promoveu um certo grau de disciplina financeira à política econômica, o que rapidamente reduziu os níveis inflação, estabilizou a moeda local, renegociou a dívida externa e atraiu investimento estrangeiro. A Indonésia era, até recentemente, o único país do Sudeste Asiático membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e o preço do petróleo durante os anos 1970 aumentou as receitas de exportação, o que contribuiu para altas taxas de crescimento econômico sustentado, com média de mais de 7% ao ano entre 1968 e 1981. Na sequência de novas reformas no final dos anos 1980, o investimento estrangeiro fluiu para o país, especialmente para o setor industrial orientado para a exportação em rápido desenvolvimento e, de 1989 a 1997, a economia indonésia cresceu a uma média anual de mais de 7%.[137] [138]

O país foi o mais duramente atingido pela crise financeira asiática de 1997, quando houve súbitas saídas de capital, o que levou a rupia indonésia a entrar em queda livre. Em relação ao dólar estadunidense, a rupia se desvalorizou de cerca de Rp 2.600 no final de 1997 para um valor abaixo de cerca de Rp 17.000 alguns meses mais tarde, enquanto a economia encolheu notáveis 13,7%. Estes acontecimentos levaram à recessão econômica generalizada em toda a economia e contribuiu para a crise política de 1998, que levou Suharto a renunciar ao cargo de presidente.[139] A rupia depois estabilizou no entre Rp 8.000-10.000[140] e uma recuperação econômica lenta, mas constante se seguiu. No entanto, a instabilidade política, uma lenta reforma econômica e altos níveis de corrupção política retardaram a recuperação econômica do país.[141] [142] A Transparência Internacional, por exemplo, classificou a Indonésia abaixo do 100º lugar no Índice de Percepção de Corrupção.[143] [144] Desde 2007, no entanto, com a melhoria no setor bancário e do consumo doméstico, o crescimento econômico nacional acelerou para mais de 6% ao ano[145] [146] [147] e isso ajudou o país durante recessão global de 2008-2009.[148] O país recuperou a sua classificação de grau de investimento no final de 2011, depois de perdê-lo no ano de 1997.[149] No entanto, em 2012, 11,7% da população ainda vivia abaixo da linha de pobreza e a taxa oficial de desemprego foi de 6,1%.[91]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Borobudur, um Patrimônio Mundial pela UNESCO e o monumento mais visitado do país.

Tanto a natureza quanto a cultura locais são componentes principais da indústria do turismo da Indonésia. O patrimônio natural é privilegiado por uma combinação única de clima tropical e um vasto arquipélago formado por 17 508 ilhas, sendo que 6 mil delas habitadas,[150] além disso o país tem o terceiro litoral mais longo do mundo (54 716 km), atrás apenas do Canadá e da União Europeia.[151] A Indonésia é o maior do mundo e o mais populoso país situado apenas em ilhas.[152] As praias de Bali, locais de mergulho em Bunaken, o Monte Bromo em Java Oriental, o Lago Toba e os vários parques nacionais em Sumatra são alguns exemplos de destinos populares. Esses atrativos naturais são complementados por uma rica herança cultural que reflete a história dinâmica da Indonésia e sua grande diversidade étnica. Um fato que exemplifica essa riqueza é que 719 línguas vivas são usadas em todo o arquipélago. Os antigos templos de Borobudur e Prambanan, Toraja, Yogyakarta, Minangkabau e, claro, Bali, com seus vários festivais hindus, são pontos turísticos populares para o turismo cultural.[153]

Um surfista na praia de Kuta, em Bali

O turismo na Indonésia é atualmente supervisionado pelo Ministério da Cultura e do Turismo. As campanhas turísticas internacionais têm se concentrado em grande parte de seus destinos tropicais, com praias de areia branca, céu azul e atrações culturais. Resorts e hotéis de praia têm sido construídos em alguns dos destinos turísticos mais populares, especialmente na ilha de Bali. Ao mesmo tempo, a integração de temas culturais e turismo sob o âmbito do mesmo ministério mostra que o turismo cultural é considerado parte integrante da indústria de turismo local e é usado para promover e preservar o patrimônio cultural.[154]

Alguns dos desafios que a indústria do turismo da Indonésia tem de enfrentar incluem o desenvolvimento de uma infraestrutura de apoio ao turismo em todo o arquipélago, agregar as tradições locais e o impacto do desenvolvimento do turismo na vida das populações locais. Em 2010, com base em pesquisa do Fórum Econômico Mundial, a Indonésia foi classificada na 74ª posição entre 139 países no Índice de Competitividade em Viagens e Turismo.[155] O turismo na Indonésia também enfrenta contratempos devido a problemas relacionados com a segurança. Desde 2002, avisos foram emitidos por alguns países sobre as ameaças de atentados terroristas e de conflitos étnicos no país, bem como de conflitos religiosos em algumas áreas, reduzindo significativamente o número de visitantes estrangeiros por alguns anos. No entanto, o número de turistas internacionais se recuperou de forma positiva desde 2007 e atingiu um novo recorde em 2008.[156] Em 2012, cerca de 8 milhões de turistas estrangeiros visitaram o país.[157]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Fantoches tradicionais chamados Wayang Kulit representando os cinco Pandava, da esquerda para a direita: Bhima, Arjuna, Yudhishtira, Nakula e Sahadeva. Museu Indonésio, Jacarta.

A Indonésia tem cerca de 300 grupos étnicos, cada um com identidades culturais desenvolvidas ao longo de séculos e influenciado por culturas como a indiana, árabe, chinês e europeia. Danças tradicionais javanesas e balinesas, por exemplo, contêm aspectos da cultura e da mitologia hindu, como em apresentações de Wayang Kulit (fantoche de sombra). Produtos têxteis, como batik, ikat, ulos e songket são criados em todo o país em estilos que variam por região. As influências mais dominantes na arquitetura local têm sido tradicionalmente indiana, no entanto, influências arquitetônicas chinesas, árabes e europeias também são significativas.[158]

Os esportes na Indonésia são geralmente masculinos. Os esportes mais populares são o badminton e o futebol. Os jogadores indonésios ganharam a Thomas Cup (o campeonato mundial de badminton masculino) em treze das vinte e seis vezes em que ela foi realizada desde 1949, além de terem várias medalhas olímpicas desde que o esporte ganhou o status olímpico completo em 1992. As jogadoras indonésias ganharam a Uber Cup (o equivalente feminino da Thomas Cup) duas vezes, em 1994 e 1996. A Liga Indonésia é a principal liga de clubes de futebol do país. Entre os esportes tradicionais do país estão o sepaktakraw e corridas de touro em Madura. Em áreas com histórico de guerras tribais, falsos concursos de combate são realizadas, como caci em Flores e o pasola em Sumba. O silat é uma arte marcial tradicional da Indonésia.[159]

Uma seleção de comidas tradicionais indonésias, como peixe assado, nasi timbel (arroz enrolado em folha de bananeira), sambal, tempeh frito, tofu e sayur asem.

A culinária do país varia por região e é baseada em influências chinesas, europeias, árabes e indianas.[160] O arroz é o principal alimento básico e é servido com acompanhamentos de carnes e legumes. Especiarias (principalmente a pimenta), leite de coco, peixe e frango são ingredientes fundamentais na culinária local.[161] A música indonésia tradicional inclui o gamelão e o keroncong. A popularidade da indústria cinematográfica indonésia atingiu o auge em 1980 e dominou os cinemas do país,[162] embora tenha diminuído significativamente no início de 1990.[163] Entre 2000 e 2005, o número de filmes indonésios lançado a cada ano aumentou constantemente.[162]

A evidência mais antiga de escrita na Indonésia é uma série de inscrições em sânscrito datada do século V. Entre as figuras importantes da literatura moderna do país estão o autor holandês Multatuli, que criticava o tratamento dado aos indonésios durante o domínio colonial holandês; Muhammad Yamin e Hamka, que eram influentes escritores e políticos nacionalistas do período pré-independência,[164] e a escritora proletária escritor Pramoedya Ananta Toer, a mais famosa romancista indonésia.[165] [166] Muitos dos povos do país tem tradições orais fortemente enraizadas que ajudam a definir e preservar suas identidades culturais.[167]

A liberdade de imprensa na Indonésia aumentou consideravelmente após o fim do regime do presidente Suharto, durante o qual o extinto Ministério de Informações monitorava e controlava a mídia nacional e restringia os meios de comunicação estrangeiros.[168] O mercado de televisão inclui dez redes comerciais nacionais e redes provinciais que competem com a pública TVRI. Estações de rádio privadas mantém seus próprios noticiários e transmitem programas de emissoras estrangeiras. Com cerca de 25 milhões de usuários registrados em 2008,[169] o uso da internet foi estimada em 12,5% da população em setembro de 2009.[170] Mais de 30 milhões de celulares são vendidos na Indonésia a cada ano e 27% deles são de marcas locais.[171]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Indonésia



Notas

  1. Este termo foi introduzido em 1860 no romance Max Havelaar, escrito por Multatuli , que contém uma série de críticas ao colonialismo holandês.
  2. Em 1998, 1999, 2000 e 2001.

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos da Indonésia
  2. a b c d e f Indonesia Fundo Monetário Internacional (FMI). Visitado em 26 de outubro de 2011.
  3. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  4. CIA World Factbook, Lista de Países por Coeficiente de Gini (em inglês)
  5. Indonésia Pedal na estrada. Visitado em 1 de março de 2011.
  6. a b Indonesia regions Indonext (arquivo) (2005). Visitado em 28 de fevereiro de 2011. (em inglês)
  7. a b c d CIA - The World Factbook CIA. Visitado em 28 de fevereiro de 2011. (em inglês)
  8. a b AFP (10 de agosto de 2002). Próximo Presidente indonésio vai ser eleito por sufrágio universal Publico.pt. Visitado em 15 de março de 2011.
  9. Biodiversidade Instituto AquaLung. Visitado em 30 de março de 2011.
  10. a b Portal das Comunidades Portuguesas. República da Indonésia Secomunidades.pt. Visitado em 3 de março de 2011.
  11. Indonésia Mundo Educação. Visitado em 30 de março de 2011.
  12. The Indonesian economy is growing. But so, unfortunately, is poverty (14 de setembro de 2006). Visitado em 28 de fevereiro de 2011. (em inglês)
  13. a b Tomascik, T.; Mah, J.A., Nontji, A., Moosa, M.K.. The Ecology of the Indonesian Seas. Hong Kong: Periplus Editions Ltd. (ed.). vol. 1. ISBN 962-593-078-7.
  14. a b Irfan Anshory (2004). Asal Usut Nama Indonesia Rikiran Rakyat.com. Visitado em 26 de novembro de 2009.
  15. George S. W.. On The Leading Characteristics of the Papuan, Australian and Malay-Polynesian Nations (em ). Indonesia: [s.n.]. p. 119.
  16. James Richardson. The Ethnology of the Indian Archipelago: Embracing Enquiries into the Continental Relations of the Indo-Pacific Islanders (em ). Indonesia: [s.n.]. 252-347 pp. vol. 4.
  17. George S. W.. On The Leading Characteristics of the Papuan, Australian and Malay-Polynesian Nations (em ). [S.l.: s.n.]. 254, 277–278 pp.
  18. a b Justus. The Term Indonesia: Its Origin and Usage (em ). [S.l.: s.n.]. 166-171 pp. vol. 71.
  19. Brown, Colin. A short history of Indonesia : the unlikely nation?. [S.l.]: Allen & Unwin, 2003. p. 13. ISBN 1 86508 838 2.
  20. Homens pré-históricos. Visitado em 28 de fevereiro de 2011.
  21. Smithsonian, A Grande Migração humana, p.2 (em inglês)
  22. Taylor, p.5-7 (em inglês)
  23. Taylor, p.8-9 (em inglês)
  24. Taylor, p.15-18
  25. Taylor, p. 3, 9, 10–11, 13, 14–15, 18–20, 22–23
  26. Vickers, p. 18–20, 60, 133–134
  27. Taylor, pp. 22–26
  28. Ricklefs, p. 3
  29. a b A era dos reinos hindu-budistas IndonesiaIndonesia.com. Visitado em 14 de abril de 2011.
  30. Ricklefs, p.3-14
  31. Ricklefs, p.12-14
  32. Guillot, Claude (1990). The Sultanate of Banten. Gramedia Book Publishing Division. p. 17. (em inglês)
  33. Ricklefs, M.C. A History of Modern Indonesia Since c. 1300, Segunda edição. Londres: MacMillan, 1993. p.22–24 p. (em inglês)
  34. Ricklefs, p. 24
  35. a b Schwartz, p. 3-4
  36. Dower, John W. War Without Mercy: Race and Power in the Pacific War (1986; Pantheon; ISBN 0-394-75172-8)
  37. Friend (2003). p. 35
  38. John Pike (2005). Indonesian War of Independence Global Security.org. Visitado em 6 de abril de 2011. (em inglês)
  39. Taylor, p. 325
  40. Friend, p. 107-109
  41. Jon Halliday Jung Chang. Mao - A História Desconhecida. 1. ed. [S.l.: s.n.], 2006. 992 pp. ISBN 8535908730.
  42. Carlos Lopes (03 de outubro de 2003). Golpe na Indonésia: 1 milhão de mortos CIA preparou "listas de execução" para Suharto Jornal Hora do Povo. Visitado em 19 de julho de 2009.
  43. A morte de um ex-ditador Folha de Pernambuco (29/01/2000). Visitado em 19 de julho de 2009.
  44. Adrian Vickers, A History of Modern Indonesia. Cambridge University Press, p. 163; 2005 (em inglês)
  45. David Slater, Geopolitics and the Post-Colonial: Rethinking North-South Relations, London: Blackwell, p. 70 (em inglês)
  46. a b Suharto. Visitado em 30 de março de 2011. (em inglês)
  47. Ricardo Setti (2 de novembro de 2011). Será que, nesta 3ª feira, o novo presidente dos EUA — Obama ou Romney — conseguirá bater o campeão mundial de votos, o presidente da Indonésia, Susilo Yudhoyono? Revista Veja. Visitado em 23 de novembro de 2013.
  48. Ricardo Setti (23 de março de 2011). Quem baterá o campeão mundial de votos, o presidente da Indonésia, Susilo Yudhoyono? Veja.abril.com. Visitado em 30 de março de 2011.
  49. a b Witton, Patrick. Indonesia. Melbourne: Lonely Planet, 2003. 139, 181, 251, 435 pp. ISBN 1-74059-154-2.
  50. CIA (2006). CIA: The World Factbook -- Country Comparison - Area The World Factbook. Visitado em 4 de março de 2011.
  51. CIA (2006). Population density - Persons per sq km 2006 country rankings The World Factbook. Visitado em 4 de março de 2011.
  52. a b Calder, Joshua (3 de maio de 2006). Most Populous Islands World Island Information. Visitado em 26 de setembro de 2006.
  53. Republic of Indonesia MSN Encarta (2008). Arquivado desde o original, de 28 de março de 2008. Visitado em 4 de março de 2011. (em inglês)
  54. Programa global de vulcanismo (2009). Global Volcanism Program - Volcanoes of the Wrold - Volcanoes of Indonesia Volcano.si.edu. Visitado em 4 de março de 2011. (em inglês)
  55. ONU (2006). UN Office of the Special Envoy for Tsunami Recovey - Countries Tsunami Special Envoy.org.. Visitado em 4 de março de 2011. (em inglês)
  56. Whitten, p. 95-97 (em inglês)
  57. UI.ac.id (2007).. Universidade da Indonésia. Visitado em 4 de março de 2011. (em inglês)
  58. Revista Mundo EstranhoQual é a maior flor do mundo?. Visitado em 9 de fevereiro de 2014.
  59. Lester, Brown, R. State of the World 1997: A Worldwatch Institute Report on Progress Toward a Sustainable Society (14th edition). New York: W. W. Norton & Company, and 1997. p. 7. ISBN 0-393-04008-9.
  60. Indonesia's Natural Wealth: The Right of a Nation and Her People Islam Online (22 de maio de 2003). Visitado em 6 de outubro de 2006. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2006.
  61. Globalis-Indonesia Globalis, an interactive world map Global Virtual University. Visitado em 14 de maio de 2007.
  62. Whitten, T.; Henderson, G., Mustafa, M.. The Ecology of Sulawesi. Hong Kong: Periplus Editions Ltd., 1996. ISBN 962-593-075-2. ; Monk,, K.A.; Fretes, Y., Reksodiharjo-Lilley, G.. The Ecology of Nusa Tenggara and Maluku. Hong Kong: Periplus Editions Ltd., 1996. ISBN 962-593-076-0.
  63. Indonesia InterKnowledge Corp.. Visitado em 6 de outubro de 2006.
  64. Lambertini, A Naturalist's Guide to the Tropics, excerpt Press.uchicago.edu. Visitado em 10 April 2011.
  65. Tamindael, Otniel. "Coral reef destruction spells humanitarian disaster", Antara news, 17 de maio de 2011. Página visitada em 30 de maio de 2011.
  66. a b Severin, Tim. The Spice Island Voyage: In Search of Wallace. Great Britain: Abacus Travel, 1997. ISBN 0-349-11040-9.
  67. Wallace, A.R.. The Malay Archipelago. [S.l.]: Periplus Editions, 2000 (original 1869). ISBN 962-593-645-9.
  68. a b Jason R. Miller. (30 Jan. 1997). "Deforestation in Indonesia and the Orangutan Population". TED Case Studies.
  69. Higgins, Andrew. "A climate threat, rising from the soil", The Washington Post, 19 de novembro de 2009. Página visitada em 11 de dezembro de 2009.
  70. a b (em inglês) BirdLife International (2010). Leucopsar rothschildi. 2008 Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN. IUCN 2008. Obtido em 2 de dezembro de 2011.
  71. Massicot, Paul. Animal Info – Indonesia Animal Info – Information on Endangered Mammals. Visitado em 14 de agosto de 2007.
  72. Marcus Colchester, Normal Jiwan, Andiko, Martua Sirait, Asup Y. Firdaus, A. Surambo, Herbert Pane. . "Promised Land Palm Oil and Land Acquisition in Indonesia: Implication for Local Communities and Indigenous People".
  73. a b Central Bureau of Statistics: Census 2010 Badan Pusat Statistik. Visitado em 17 de janeiro de 2011. Predefinição:Id
  74. Fifty years needed to bring population growth to zero Waspada.co.id (19 dfe março de 2011). Visitado em 10 de abril de 2011.
  75. Widjojo Nitisastro. "Population Trends in Indonesia", Equinox Publishing, p. 268.
  76. World Population Prospects (2010). Annual Population 2011–2100. (XLS). Nações Unidas
  77. An Overview of Indonesia Living in Indonesia, A Site for Expatriates Expat Web Site Association. Visitado em 5 de outubro de 2006.
  78. Merdekawaty, E. (6 de julho de 2006). "Bahasa Indonesia" and languages of Indonesia (PDF) UNIBZ – Introduction to Linguistics Free University of Bozen. Visitado em 17 de julho de 2006.
  79. Taylor (2003), pp. 5–7, Dawson, B.; Gillow, J.. The Traditional Architecture of Indonesia. London: Thames and Hudson Ltd, 1994. p. 7. ISBN 0-500-34132-X.
  80. Kingsbury, Damien. Autonomy and Disintegration in Indonesia. [S.l.]: Routledge, 2003. p. 131. ISBN 0-415-29737-0.
  81. Ricklefs (1991), p. 256
  82. T.N. Pudjiastuti. (2002). "Migration & Conflict in Indonesia" (PDF). International Union for the Scientific Study of Population (IUSSP), Paris.
  83. Kalimantan The Conflict Program on Humanitarian Policy and Conflict Research Conflict Prevention Initiative, Harvard University. Visitado em 7 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2009.
  84. J.W. Ajawaila; M.J. Papilaya; Tonny D. Pariela; F. Nahusona; G. Leasa; T. Soumokil; James Lalaun and W. R. Sihasale (1999). "Proposal Pemecahan Masalah Kerusuhan di Ambon". Report on Church and Human Rights Persecution in Indonesia, Ambon, Indonesia: Fica-Net. Página visitada em 29 de setembro de 2006. ; Kyoto University: Sulawesi Kaken Team & Center for Southeast Asian Studies Bugis SailorsPDF (124 KB)
  85. Schwarz (1994), pp. 53, 80–81
  86. Friend (2003), pp. 85–87, 164–165, 233–237
  87. Murray L Weidenbaum. The Bamboo Network: How Expatriate Chinese Entrepreneurs are Creating a New Economic Superpower in Asia. [S.l.]: Martin Kessler Books, Free Press, 1 January 1996. 4–8 pp. ISBN 978-0-684-82289-1.
  88. M. F. Swasono (1997). Indigenous Cultures in the Development of Indonesia Integration of endogenous cultural dimension into development Indira Gandhi National Centre for the Arts, New Delhi. Visitado em 17 de setembro de 2006.
  89. The Overseas Chinese Prospect Magazine (9 April 1998). Visitado em 10 de abril de 2011. M. Ocorandi (28 de maio de 1998). An Analysis of the Implication of Suharto's resignation for Chinese Indonesians Worldwide HuaRen Peace Mission. Visitado em 26 September 2006.
  90. F.H. Winarta (August 2004). Bhinneka Tunggal Ika Belum Menjadi Kenyataan Menjelang HUT Kemerdekaan RI Ke-59 (em Indonésio) Komisi Hukum Nasional Republik Indonesia (National Law Commission, Republic of Indonesia), Jakarta.
  91. a b c Indonesia CIA. Visitado em 10 de abril de 2011.
  92. Ethnologue report for Indonesia (Papua) Ethnologue.com. Visitado em 28 de abril de 2010.
  93. The 1945 Constitution of the Republic of Indonesia US-ASEAN. Visitado em 2 de outubro de 2006. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2006.
  94. Yang, Heriyanto. (August 2005). "The History and Legal Position of Confucianism in Post Independence Indonesia" (PDF). Religion 10 (1).
  95. The World's Muslims: Unity and Diversity
  96. Penduduk Menurut Wilayah dan Agama yang Dianut Sensus Penduduk 2010 Badan Pusat Statistik (15 de maio de 2010). Visitado em 20 de novembro de 2011.
  97. "RI Sunni-Shia Council established", The Jakarta Post, 21 de maio de 2011. Página visitada em 17 de julho de 2011.
  98. Oey, Eric. (1997). "Bali". Periplus Editions.
  99. Indonesia – Buddhism U.S. Library of Congress. Visitado em 15 de outubro de 2006.
  100. Indonesia – Islam U.S. Library of Congress. Visitado em 15 de outubro de 2006.
  101. Ricklefs (1991), pp. 25, 26, 28
  102. 1500 to 1670: Great Kings and Trade Empires Sejarah Indonesia. Visitado em 25 de abril de 2007.
  103. Ricklefs (1991), pp. 28, 62
  104. Vickers (2005), p. 22
  105. Goh, Robbie B.H.. Christianity in Southeast Asia. [S.l.]: Institute of Southeast Asian Studies, 2005. p. 80. ISBN 981-230-297-2.
  106. Magnis-Suseno, F. 1981, Javanese Ethics and World-View: The Javanese Idea of the Good Life, PT Gramedia Pustaka Utama, Jakarta, 1997, pp.15–18, ISBN 979-605-406-X; Bureau of Democracy, Human Rights and Labor, Embassy of the United States (18 de dezembro de 2003). Indonesia Annual International Religious Freedom Report 2003. Press release. Página visitada em 25 de abril de 2007.
  107. a b Susi Dwi Harijanti, Tim Lindsey (2006). «Indonesia: General elections test the amended Constitution and the new Constitutional Court» (em inglês). International Journal of Constitutional Law 4 (1): p. 138–150
  108. Carter Center (2004). The Carter Center 2004 Indonesia Election Report Carter Center.org, arquivado desde o original em 30 de junho de 2008. Visitado em 3 de março de 2011. (em inglês)
  109. _ (2002), The fourth Amendment of 1945 Indonesia Constitution, Capítulo III – O poder executivo, Art. 7. (em inglês)
  110. Conselho representante do Povo (2000). Ketetapan MPR-RI Nomor II/MPR/2000 tentang Perubahan Kedua Peraturan Tata Tertib Majelis Permusyawaratan Rakyat Republik Indonesia MPR.go.id. Visitado em 3 de março de 2011. (em indonésio)
  111. Assembleia Consultiva (2000). Third Amendment to the 1945 Constitution of The Republic of Indonesia Gtzsfdm.or.id.. Visitado em 12 de março de 2011. (em inglês)
  112. William Frederick (1993). Foreign Policy Country Studies.ua. Visitado em 30 de abril de 2011. (em inglês)
  113. CIA (2009). Indonesia (10/09) state.gov. Visitado em 30 de abril de 2011.
  114. Indonesia – Foreign Policy U.S. Library of Congress U.S. Library of Congress. Visitado em 5 de maio de 2007.
  115. a b c Background Note: Indonesia Biblioteca do Congresso U.S. Department of State. Visitado em 26 de novembro de 2009.
  116. Country Profile: Indonesia (PDF) U.S Library of Congress (December 2004). Visitado em 9 de dezembro de 2006.
  117. Chris Wilson (11 de outubro de 2001). Indonesia and Transnational Terrorism Foreign Affairs, Defense and Trade Group Parliament of Australia. Visitado em 15 de outubro de 2006.; Reyko Huang (23 de maio de 2002). Priority Dilemmas: U.S. – Indonesia Military Relations in the Anti Terror War Terrorism Project Center for Defense Information.
  118. "Commemoration of 3rd anniversary of bombings", The Age Newspaper, 10 de dezembro de 2006.
  119. US Embassy, Jakarta (10 de maio de 2005). Travel Warning: Indonesia. Press release. Página visitada em 26 de dezembro de 2006.
  120. Chew, Amy. "Indonesia military regains ground", CNN Asia, 7 de julho de 2002. Página visitada em 24 de abril de 2007.
  121. Witular, Rendi A.. "Susilo Approves Additional Military Funding", The Jakarta Post, 19 de maio de 2005. Página visitada em 24 de abril de 2007.
  122. Friend (2003), pp. 473–475, 484
  123. Friend (2003), pp. 270–273, 477–480
  124. "Indonesia flashpoints: Aceh", BBC News, BBC, 29 de dezembro de 2005. Página visitada em 20 de maio de 2007.
  125. "Indonesia agrees Aceh peace deal", BBC News, BBC, 17 de julho de 2005. Página visitada em 20 de maio de 2007.; Harvey, Rachel. "Indonesia starts Aceh withdrawal", BBC News, BBC, 18 de setembro de 2005. Página visitada em 20 de maio de 2007.
  126. Lateline TV Current Affairs. "Sidney Jones on South East Asian conflicts", TV Program transcript, Interview with South East Asia director of the International Crisis Group, Australian Broadcasting Commission (ABC), 20 de abril de 2006.; International Crisis Group. (5 de setembro de 2006). "Papua: Answer to Frequently Asked Questions" (PDF). Update Briefing (53). International Crisis Group.
  127. Miller, Michelle Ann (2004). The Nanggroe Aceh Darussalam law: a serious response to Acehnese separatism? Asian Ethnicity 5. Visitado em 3 de março de 2011. (em inglês)
  128. Conselho Representante do povo (1974). Indonesia Law No. 5/1974 Concerning Basic Principles on Administration in the Region Gtsfdm.or.id. (arquivo). Visitado em 3 de março de 2011. (em inglês)
  129. Richel Dursin (2004). Nieuwe pagina 1 The Jakarta Post, arquivado desde o original em 29 de abril de 2008. Visitado em 3 de março de 2011. (em inglês)
  130. Economy of Indonesia State.gov (3 de novembro de 2010). Visitado em 10 de abril de 2011.
  131. What is the G-20 G-20. Visitado em 6 de outubro de 2009. Cópia arquivada em 4 de maio de 2011.
  132. Report for Selected Countries and Subjects Imf.org (14 de setembro de 2006). Visitado em 17 de julho de 2011.
  133. Indonesia Economy Profile 2011 Indexmundi.com. Visitado em 10 de abril de 2011.
  134. Indonesia — Agriculture Countrystudies.us. Visitado em 10 de abril de2011.
  135. Clearinghouse Countries: Indonesia Childpolicyintl.org. Visitado em 10 de abril de 2011.
  136. "Indonesia rises to 27th biggest exporter in the world in 2010", The Jakarta Post, 6 de julho de 2011. Página visitada em 17 de julho de 2011.
  137. Schwarz (1994), pp. 52–57
  138. Indonesia: Country Brief Indonesia: Key Development Data & Statistics Banco Mundial (Setembro 2006).
  139. Indonesia: Country Brief Indonesia:Key Development Data & Statistics Banco Mundial (Setembro 2006).
  140. Historical Exchange Rates OANDA (7 de janeiro de 2010). Visitado em 28 de abril de 2010.
  141. (14 de setembro de 2006) "Poverty in Indonesia: Always with them". The Economist.; correction.
  142. Guerin, G. (23 de maio de 2006). "Don't count on a Suharto accounting". Asia Times Online.
  143. Policy research Transparência Internacional.
  144. Índice de Percepção de Corrupção de 2010 Transparência Internacional (15 de dezembro de 2010). Visitado em 10 de abril de 2011.
  145. Report for Selected Countries and Subjects Fundo Monetário Internacional (FMI) (14 de setembro de 2006). Visitado em 10 de abril de 2011.
  146. Monetary Policy Report Quarter IV / 2010 – Central Bank of Republic of Indonesia Banco Central da Indonésia (3 de dezembro de 2010). Visitado em 10 de abril de 2011.
  147. Indonesia's economy continues to surprise East Asia Forum (25 de setembro de 2010). Visitado em 10 de abril de 2011.
  148. IMF Survey: Indonesia's Choice of Policy Mix Critical to Ongoing Growth IMF (28 de julho de 2009). Visitado em 10 de abril de 2011.
  149. Indonesian Economy Grows at Top Clip Since '90s (7 de fevereiro de 2012).
  150. Indonesia The World Factbook CIA (2006). Visitado em 19 de março de 2010.
  151. Field Listing - Coastline The World Factbook CIA (2006). Visitado em 19 de março de 2010.
  152. Countries of the World by Area- no 16 Indonesia. Visitado em 19 de setembro de 2010.
  153. Ethnologue - Languages of the World - Languages of Indonesia Lewis, M. Paul (ed.). Ethnologue: Languages of the World, Sixteenth edition. Dallas, Tex.: SIL International. Online version (2009). Visitado em 19 de setembro de 2010.
  154. Ministério da Cultura e do Turismo da Indonésia Site oficial.
  155. Infrastructure Constraints
  156. Minister of Culture and Tourism, Republic of Indonesia. Visitor Arrivals to Indonesia 2000-2008. Press release. Página visitada em 19 de março de 2009.
  157. 2012, Pariwisata Indonesia Tumbuh Melebihi Pertumbuhan Global (2 de fevereiro de 2013).
  158. WHEN WEST MEETS EAST: One Century of Architecture in Indonesia (1890s-1990s), Josef Prijotomo, 1996, Surabaya, Indonesia
  159. Witton, Patrick. Indonesia. Melbourne: Lonely Planet, 2003. p. 103. ISBN 1-74059-154-2.
  160. Witton, Patrick. World Food: Indonesia. Melbourne: Lonely Planet, 2002. ISBN 1-74059-009-0.
  161. Brissendon, Rosemary. South East Asian Food. Melbourne: Hardie Grant Books, 2003. ISBN 1-74066-013-7.
  162. a b Kristianto, JB (2 de julho de 2005). Sepuluh Tahun Terakhir Perfilman Indonesia (em Indonesian) Kompas. Visitado em 2 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2008.
  163. Predefinição:Id Kondisi Perfilman di Indonesia (The State of The Film Industry in Indonesia) Panton. Visitado em 2 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 1999.
  164. Taylor (2003), pp. 299–301
  165. Vickers (2005) pp. 3–7
  166. Friend (2003), pp. 74, 180
  167. Czermak, Karen; Philippe DeLanghe, Wei Weng. Preserving Intangible Cultural Heritage in Indonesia (PDF) SIL International. Visitado em 4 de julho de 2007.
  168. Shannon L., Smith; Lloyd Grayson J.. Indonesia Today: Challenges of History. Melbourne, Australia: Singapore : Institute of Southeast Asian Studies, 2001. ISBN 0-7425-1761-6.
  169. Internet World Stats Asia Internet Usage, Population Statistics and Information Miniwatts Marketing Group (2006). Visitado em 13 de agosto de 2007.
  170. Asia Internet Usage Stats and Population Statistics Internetworldstats.com. Visitado em 10 de abril de 2011.
  171. Phoning from home Globeasia.com (30 de agosto de 2010). Visitado em 10 de abril de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Friend, T.. Indonesian Destinies. [S.l.]: Harvard University Press, 2003. ISBN 0-674-01137-6.
  • Ricklefs, M. C.. A History of Modern Indonesia since c.1300, Second Edition. [S.l.]: MacMillan, 1991. ISBN 0-333-57689-6.
  • Schwarz, A.. A Nation in Waiting: Indonesia in the 1990s. [S.l.]: Westview Press, 1994. ISBN 1-86373-635-2.
  • Taylor, Jean Gelman. Indonesia: Peoples and Histories. New Haven and London: Yale University Press, 2003. ISBN 0-300-10518-5.
  • Vickers, Adrian. A History of Modern Indonesia. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005. ISBN 0-521-54262-6.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons


Flag-map of Indonesia.png Indonésia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens