Infecção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Infecções)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.


Infecção
Uma microfotografia com coloração artificial revela um esporozoíto de malária em migração através dos epitélios do intestino
Classificação e recursos externos
CID-10 A00-B99
CID-9 001-139
MeSH D003141
Star of life caution.svg Aviso médico

Infecção (português brasileiro) ou Infeção (português europeu) é a invasão de tecidos corporais de um organismo hospedeiro por parte de organismos capazes de provocar doenças, a sua multiplicação e a reação dos tecidos do hospedeiro a estes organismos e às toxinas por eles produzidas.[1] Uma doença infecciosa corresponde a qualquer doença clinicamente evidente que seja o resultado de uma infeção, presença e multiplicação de agentes biológicos patogénicos no organismo hospedeiro. As infecções são causadas por agentes infecciosos, como os vírus, viroides e priões, por microorganismos como as bactérias, por nematódeos, por artrópodes como as carraças, ácaros, pulgas e piolhos, por fungos e por outros macroparasitas.

O hospedeiro é capaz combater a infeção através do seu sistema imunitário. Os mamíferos reagem à infecção através do sistema imune inato, um processo que envolve muitas vezes a inflamação à qual sucede uma resposta do sistema imune adquirido.[2]

Agentes Infecciosos[editar | editar código-fonte]

Os agentes infecciosos, na maioria das vezes, são seres microscópicos tais como vírus, bactérias, fungos, parasitas (muitos macroscópicos), virions e príons. Os príons estão associados a várias doenças, como por exemplo, a Encefalopatia Espongiforme Bovina, uma doença que acomete o gado conhecida como "doença da vaca-louca" ou a sua variante humana a doença de Creutzfeldt-Jakob. Desta definição conclui-se que em todas as infecções existe uma inflamação, mas nem todas as inflamações são infecções. A inflamação é definida como a presença de edema (inchaço), hiperemia (vermelhidão), hiperestesia (dor ao toque), aumento da temperatura no local e, às vezes, perda de função. Assim, uma simples queimadura de sol já produz uma inflamação, pois a pele fica vermelha, ardida, quente e inchada. Mas, em princípio, não existe infecção pois não há bactérias ou vírus causando esta inflamação. Já uma amigdalite aguda, vulgarmente chamada de dor de garganta, apresenta na garganta todos os aspectos da inflamação e mais a presença de bactérias ou vírus que produziram esta inflamação. A infecção pode levar a formação de pus, num processo conhecido por supuração.

Infecção comunitária[editar | editar código-fonte]

Infecção comunitária "É a infecção presente ou em incubação no acto de admissão do paciente, desde que não relacionada com internamento anterior no mesmo hospital".

São também comunitárias: 1. As infecções associadas a complicações ou extensão da infecção já presente na admissão, a menos que haja troca de microrganismo ou sinais ou sintomas fortemente sugestivo da aquisição de nova infecção. 2. Infecção em recém-nascido, cuja aquisição por via transplacentária é conhecida ou foi comprovada e que tornou-se evidente logo após o nascimento (ex: Herpes simples, toxoplasmose, rubéola, citomegalovirose, sífilis e AIDS)”. Adicionalmente, são também consideradas comunitárias todas as infecções de recém-nascidos associadas com ruptura da bolsa amniótica superior a 24 horas.

Infecção é a simples colonização. Quando esta agride o organismo caracteriza-se como doença infecciosa. Infecção é algo irregularmente acontecido por ter RNA junto ao ribossomo viral.

Infecção Hospitalar[editar | editar código-fonte]

Infecção hospitalar ou Infecção Nosocomial é toda infecção (pneumonia, infecção urinária, infecção cirúrgica, ...) adquirida dentro de um ambiente relacionado à saúde (hospitais, unidades básicas, asilos...). A maioria das infecções hospitalares são de origem endógena, isto é, são causadas por microrganismos do próprio paciente. Isto pode ocorrer por fatores inerentes ao próprio paciente (ex: diabetes, tabagismo, obesidade, imunossupressão, etc.) ou pelo fato de, durante a hospitalização, o paciente ser submetido a procedimentos invasivos diagnósticos ou terapêuticos (cateteres vasculares, sondas vesicais, ventilação mecânica, etc.). As infecções hospitalares de origem exógena geralmente são transmitidas pelas mãos dos profissionais de saúde ou outras pessoas que entrem em contato com o paciente.

No Brasil, para reduzir os riscos de ocorrência de infecção hospitalar, um hospital deve constituir uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), que é responsável por uma série de medidas como o incentivo da correta higienização das mãos dos profissioanis de saúde; o controle do uso de antimicrobianos, a fiscalização da limpeza e desinfecção de artigos e superfícies, etc. Novidades Científicas HOME

Estudos apontam medidas de combate à infecção hospitalar

A infecção hospitalar é causa de grande preocupação das instituições de saúde do Brasil. Enquanto a média mundial de índice de infecção é 5%, o país apresenta o porcentual de 15,5% entre os pacientes internados, conforme dados do Ministério da Saúde. Um número que assusta não só os pacientes, como também as instituições de saúde, que, por conseqüência, têm suas despesas elevadas.

Para evitar e tratar a infecção hospitalar, além de permitir que o doente tenha um atendimento de qualidade e seguro, uma série de estudos coordenados pelo Dr. Victor Rosenthal, especialista no assunto, revelou que programas de educação e implementação das melhores práticas no ambiente hospitalar associados à utilização de sistemas fechados de infusão podem reduzir, em alguns casos, em mais de 80% os riscos de infecção da corrente sangüínea.

As primeiras pesquisas começaram em 2000 na Argentina e nos anos seguintes hospitais de outros países (México, Brasil e Itália) foram concluídas e incluídos no projeto desenvolvido pela Baxter - empresa global e diversificada no segmento de saúde nas áreas de medicamentos, equipamentos médicos e biotecnologia.

O objetivo é avaliar a incidência de infecções da corrente sangüínea nos centros estudados e como medidas de prevenção podem reduzir o tempo de internação, a mortalidade e conseqüentemente os custos hospitalares.

Dados epidemiológicos do Dr. Rosenthal, que lidera um consórcio internacional de controle de infecção hospitalar, já mostraram que o Brasil se destaca como um dos países com maior índice de infecções da corrente sanguínea associada ao uso de cateteres venosos entre os países que usam sistema aberto de infusão. Esses países, segundo o especialista, possuem índices bem superiores aos apresentados pelos padrões norte-americanos.

Para avaliar alternativas eficazes no combate à infecção hospitalar, o Dr. Rosenthal seguiu alguns critérios nos centros estudados. Primeiramente, foram medidos os níveis basais de infecção da corrente sanguínea associadas ao uso de cateteres venosos centrais. Em seguida, foi introduzido um programa educacional com toda a equipe de profissionais médicos e de enfermagem a fim de colocar em prática as diretrizes de prevenção estabelecidas pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) como, por exemplo, a higiene correta das mãos. E por fim, houve a substituição do sistema aberto de infusão utilizado nos hospitais, incluídos no estudo, por sistema fechado com bolsas flexíveis, ou seja, aquele que não necessita da entrada de ar para seu funcionamento e escoamento total da solução.

Hospitais participantes No Brasil, o Hospital Santa Marcelina, em São Paulo, foi o centro estudado e teve como investigador principal o infectologista, Dr Reinaldo Salomão. Foram avaliados 1.127 pacientes em três UTIs. Após adotar as medidas descritas acima, foi registrada redução de 54% nos índices de infecção da corrente sanguínea adquirida durante a internação e as despesas hospitalares diminuíram significativamente, uma vez que na análise comparativa, um paciente infectado permaneceu internado (utilizando recursos do hospital e antibióticos) em média 23 dias a mais que um paciente não-infectado.

Na Argentina a diminuição de pacientes infectados foi de 64%, o que proporcionou uma redução de 83% nos gastos do hospital para o tratamento de pacientes infectados e 91% na taxa de mortalidade. E no México, a redução de pacientes com infecção hospitalar atingiu 82%. Os dados consolidados do Brasil estão sendo apresentados pelo Dr Rosenthal nos mais importantes congressos mundiais de controle de infecção durante todo o primeiro semestre desse ano.

Sistemas fechados de infusão serão obrigatórios Os sistemas fechados já são obrigatórios em diversos países do mundo como Estados Unidos e Austrália e, predominantes em países vizinhos como a Colômbia. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, conforme resolução RDC 45, que a partir de 2008 todos os sistemas abertos de infusão deverão ser substituídos pelos sistemas fechados.

Alguns hospitais já utilizam o sistema fechado com bolsas flexíveis como o Hospital das Clínicas, Hospital Albert Einstein, Sírio Libanês, Santa Catarina e São Luiz e vários outros serviços de saúde do Brasil.

Diferentemente dos recipientes rígidos e semi-rígidos, os sistemas fechados de infusão para soluções parenterais que utilizam bolsas flexíveis, não necessitam de elementos externos adicionais, como entrada de ar e equipos com filtro. Essas bolsas são produzidas em PVC na sua maioria ou por outros tipos de plásticos. Desta forma, o sistema isolado e vedado, evita infecções por microrganismos do ambiente externo.

A Baxter é uma das empresas que introduz a bolsa plástica e os sistemas flexíveis fechados. Presente há mais de 35 anos no mercado e utilizada em cerca de 140 países, as bolsas flexíveis Viaflex são consideradas um avanço significativo na administração com eficiência e segurança de soluções e medicamentos aos pacientes.

Resistência Bacteriana[editar | editar código-fonte]

A importância da resistência bacteriana aos antibióticos deve-se ao fato das bactérias que constituem a microbiota hospitalar estarem "acostumadas" a muitos antibióticos, ou melhor: os antibióticos usados no hospital em grande quantidade e diariamente vão matando as bactérias mais sensíveis, deixando que as bactérias que tem resistência ao antibiótico usado sem concorrência e livres para se multiplicarem, ocupando o espaço daquelas que morreram. Quando as bactérias resistentes causarem uma infecção, os antibióticos normalmente usados não surtirão efeito e será necessário utilizar antibióticos cada vez mais tóxicos, selecionando também bactérias cada vez menos sensíveis a este, e criando um círculo vicioso. O grande problema atual é a necessidade do uso racional destes antibióticos, tentando romper este ciclo.

Tipos de infecções[editar | editar código-fonte]

Existem 13 tipos:

  • Infecção aérea – infecção microbiana adquirida através do ar e dos agentes infectantes nele contidos.
  • Infecção critogénica – infecção de porta de entrada desconhecida.
  • Infecção direta – infecção adquirida por contacto com um indivíduo doente.
  • Infecção endógena – infecção devido a um microorganismo já existente no organismo, e que, por qualquer razão, se torna patogénico.
  • Infecção exógena – infecção provocada por microorganismos provenientes do exterior.
  • Infecção focal – infecção limitada a uma determinada região do organismo.
  • Infecção indirecta – infecção adquirida através da água, dos alimentos ou por outro agente infectante, e não de indivíduo para indivíduo.
  • Infecção nosocomial – infecção adquirida em meio hospitalar.
  • Infecção oportunista ou Oportunística – infecção que surge por diminuição das defesas orgânicas.
  • Infecção puerperal – infecção surgida na mulher debilitada e com defesas diminuídas, logo após o parto.
  • Infecção secundária – infecção consecutiva a outra e provocada por um microorganismo da mesma espécie.
  • Infecção séptica ou Septicemia – infecção muito grave em que se verifica uma disseminação generalizada por todo o organismo dos agentes microorgânicos infecciosos.
  • Infecção terminal – infecção muito grave que, em regra, é causa de morte.
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências