Influência de William Shakespeare

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estátua em bronze de Shakespeare, em Verona, Itália.

A influência de William Shakespeare estende-se do teatro à Literatura inglesa, sua própria língua. Amplamente considerado como o maior dramaturgo do idioma inglês[1] , e do mundo pré-eminente dramático,[2] [3] [4] , Shakespeare transformou o teatro inglês e provavelmente as visões teatrais pelo planeta, alargando as expectativas e os limites sobre o que poderia ser conseguido através da caracterização, da história, da língua e dos gêneros.[5] [6] [7] . Os textos de Shakespeare também têm influenciado um número grande de romancistas e poetas ao longo dos anos, incluindo Herman Melville e Charles Dickens.[8] [9] [10] , embora essa só seja uma pequena citação.

Finalmente, Shakespeare é o autor mais citado na história da língua inglesa e muitos de seus orçamentos e neologismos já estão marcados no cotidiano, na língua inglesa e em outras também. Exemplo disto são as frases to be or not be (ser ou não ser) e também a há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia, sem contar a cena da varanda de Romeu e Julieta.

Influência teatral[editar | editar código-fonte]

Os trabalhos de Shakespeare tiveram bastante influência no mundo teatral[11] . Não só criou algumas das mais admiradas peças da literatura ocidental (com Macbeth, Rei Lear e Hamlet), como também transformou o teatro inglês de sua época, alargando as expectativas sobre o que poderia ser conseguido através do enredo, da linguagem e do gênero, e até da caracterização. Especificamente, em peças como Hamlet, a caracterização esteve integrada com o enredo, de tal forma que se o personagem principal mudou em determinado momento, o enredo também muda totalmente. Em Romeu e Julieta, Shakespeare mistura a tragédia com a comédia e cria um novo gênero (os antessessores de Shakespeare não achavam que o romance seria um bom tema para ficar integrado ao drama).

Personagens[editar | editar código-fonte]

As peças shakespearianas de modo geral retrataram uma variedade gigantesca de emoções. Suas peças transmitiram violência, comédia, tragédia. Acredita-se que Shakespeare utilizou recursos antigos, como o folclore, a mitologia e certas lendas para compor suas peças. Em Rei Lear, Shakespeare reuniu duas parcelas de diferentes origens. Sua aproximidade com a natureza humana fez-lhe maior do que qualquer um de seus contemporâneos. Humanismo e contacto com pensamento popular deu vitalidade ao seu idioma. Hamlet, por exemplo, é uma peça de intenso fundamento psicológico e filosófico.

Shakespeare uniu três principais gêneros da literatura: verso, poesia e drama.

Notas e Referências

  1. Reich, John J.; Cunningham, Lawrence S.. Culture And Values: A Survey of the Humanities. [S.l.]: Thomson Wadsworth, 2005. 102 pp.
  2. William Shakespeare Encyclopedia Britannica Online Encyclopedia Britannica. Visitado em 2007-06-14.
  3. William Shakespeare MSN Encarta Online Encyclopedia. Visitado em 2007-06-14.
  4. William Shakespeare Columbia Electronic Encyclopedia. Visitado em 2007-06-14.
  5. Miola, Robert S.. Shakespeare's Reading. [S.l.]: Oxford University Press, 2000.
  6. Chambers, Edmund Kerchever. Shakespearean Gleanings. [S.l.]: Oxford University Press, 1944. 35 pp.
  7. Mazzeno, Laurence W.; Frank Northen Magills and Dayton Kohler. Masterplots: 1,801 Plot Stories and Critical Evaluations of the World's Finest Literature. [S.l.]: Salen Press, 1996. 2837 pp.
  8. Gager, Valerie L.. Shakespeare and Dickens: The Dynamics of Influence. [S.l.]: Cambridge University Press, 1996. 163 pp.
  9. The Literary Encyclopedia entry on William Shakespeare by Lois Potter, University of Delaware, accessed June 22, 2006
  10. The Columbia Dictionary of Shakespeare Quotations, edited by Mary Foakes and Reginald Foakes, June 1998.
  11. Gaskell, Philip. Landmarks in English Literature. [S.l.]: Edinburgh University Press, 1998. 13-14 pp.