Inocêncio de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

deputad

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Inocêncio de Oliveira
Em 27 de maio de 2008, então corregedor-geral da Câmara, em entrevista sobre o parecer que apresentou a Mesa Diretora pela cassação do mandato do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT/SP). Foto:José Cruz/ABr
Deputado federal pelo  Pernambuco
Mandato 1º de fevereiro de 1975
até atualidade
(10º mandato consecutivo)
Vida
Nascimento 21 de outubro de 1938 (75 anos)
Serra Talhada Pernambuco
Dados pessoais
Partido ARENA (1975–1980)
PDS (1980–1985)
PFL (1985–2005)
PL (2005–2006)
PR (2006–presente)
Profissão Médico
linkWP:PPO#Brasil

Inocêncio Gomes de Oliveira (Serra Talhada, 21 de outubro de 1938) é um médico e político brasileiro. É deputado federal por Pernambuco há dez mandatos consecutivos, tendo chegado à presidência da Câmara dos Deputados do Brasil em fevereiro de 1993, cargo que exerceu até fevereiro de 1995.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Filho de Vicente Inácio de Oliveira e Maria do Socorro Andrada. Casado com Ana Elize Nogueira e tiveram desta união quatro filhos. Irmão do ex-prefeito de Serra Talhada, Sebastião Andrada Oliveira, mais conhecido como Tião Oliveira. Formou-se em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco em 1963 e exerceu a sua profissão até 1974 como cirurgião-chefe do Hospital Agamenon Magalhães em Recife.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua vida política em 1975 quando se filiou à ARENA em plena ditadura militar, permanecendo até se filiar ao PDS (partido político que a sucedeu no apoio ao regime) em 1980. Em 1985, durante o processo de redemocratização, filiou-se ao PFL, atual DEM, onde permaneceu durante a maior parte de sua carreira. Sempre teve o apoio do ex-deputado José Marcos de Lima, hoje secretário de Saneamento da prefeitura do Recife, com quem mantém uma amizade. Em 2005 filiou-se ao PL (hoje Partido da República), e hoje apoia a presidente Dilma Rousseff[carece de fontes?].

Durante o governo do presidente Itamar Franco assumiu a presidência da República, como substituto constitucional, por nove vezes entre os anos 1993 a 1994, porque era presidente da Câmara Federal e substituto imediato do presidente, uma vez que o cargo de vice-presidente da república estava vago desde o afastamento de Fernando Collor de Mello e a posse de Itamar Franco na presidência.

Depois da presidência da Câmara dos Deputados, teve os seguintes cargos que compõem a mesa diretora: 1º Vice-Presidente (1989-1990 e 2003-2005); 2º Vice-Presidente (2007-2009); 1º Secretário (1991-1992 e 2005-2007) e 2º Secretário, (2009-).

Sobre o trabalho escravo[editar | editar código-fonte]

O Tribunal Regional do Trabalho da 16ª região, no Maranhão, confirmou a condenação do deputado federal e primeiro secretário da Câmara, Inocêncio Gomes de Oliveira (PL-PE), por manter trabalhadores em condição semelhante à de escravo na fazenda Caraíbas, no município de Gonçalves Dias (MA). Ele deverá pagar uma multa que pode chegar a R$ 300 mil.

Na fazenda Caraíbas, em março de 2002, foram libertadas 53 pessoas que eram mantidas como escravos. Posteriormente, o deputado vendeu a propriedade.

Inocêncio havia sido condenado em primeira instância pelo juiz Manoel Lopes Veloso Sobrinho, da Vara do Trabalho de Barra do Corda, interior do Maranhão, após ação do Ministério Público do Trabalho.

Na sentença, Manoel Veloso condenou o deputado a abster-se de condutas que viessem a cercear a liberdade dos trabalhadores, bem como a regularizar os contratos e as condições de trabalho dos seus empregados.

Em seguida foi realizado o julgamento do recurso impetrado pelo deputado com pedido indenização por dano moral. Esta ação (nº 611/2002) foi julgada procedente em parte pelo juiz Manoel Veloso, que condenou Inocêncio Oliveira a pagar indenização por dano moral no valor de R$ 530 mil a ser revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).[1]

Cargos eletivos[editar | editar código-fonte]

  • Deputado federal, 1975–1979, ARENA
  • Deputado federal, 1979–1983, ARENA
  • Deputado federal, 1983–1987, PDS
  • Deputado federal, 1987–1991, PFL
  • Deputado federal, 1991–1995, PFL
  • Deputado federal, 1995–1999, PFL
  • Deputado federal, 1999–2003, PFL
  • Deputado federal, 2003–2007, PFL
  • Deputado federal, 2007–2010, PR
  • Deputado federal, 2011–2015, PR

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Inocêncio Oliveira é condenado por trabalho escravo Portal Terra (7 de fevereiro de 2006). Página visitada em 27 de maio de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Inocêncio de Oliveira
Precedido por
Ibsen Pinheiro
Presidente da Câmara dos Deputados do Brasil
1993 – 1995
Sucedido por
Luís Eduardo Magalhães