Instituições, associações e comunidades religiosas católicas em Macau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Catedral da Sé de Macau

As instituições, associações e comunidades religiosas católicas em Macau operam no território da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), que está actualmente sob juridisção eclesiástica da Diocese de Macau, que foi fundada em 23 de Janeiro de 1576. Para além dos seus padres seculares ou diocesanos, esta diocese católica é ajudada também por várias ordens, congregações e comunidades religiosas masculinas e femininas. A diocese é também dinamizada e auxiliada de várias instituições, movimentos, confrarias e associações de inspiração católica, constituídas por leigos e religiosos. Todos estes organismos católicos prestam uma variedade de serviços religiosos, sociais, educacionais, assistenciais e culturais à população católica e não-católica de Macau.1 2

Comunidades religiosas[editar | editar código-fonte]

Existem actualmente várias ordens, congregações e comunidades religiosas masculinas e femininas que prestam uma variedade de serviços religiosos, sociais, educacionais, assistenciais e culturais à população católica e não-católica de Macau, sendo por isso fundamentais para o normal funcionamento da Diocese de Macau.1 2

Segundo o site oficial da Diocese de Macau, estão actualmente em Macau dez comunidades religiosas masculinas: a Companhia de Jesus, os Salesianos de Dom Bosco, a Pia Sociedade de São Paulo, os Missionários Combonianos do Coração de Jesus, as Missões Dominicanas de Nossa Senhora do Rosário, a Sociedade de Nossa Senhora da Santíssima Trindade (SOLT), a Comunidade das Beatitudes, a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria, a Sociedade do Verbo Divino e a Congregação Clerical dos Bem-Aventurados Mártires Coreanos.3 Em relação às comunidades religiosas femininas, elas são em número de vinte e dois: as Filhas da Caridade Canossianas, as Franciscanas Missionárias de Maria, as Filhas de Maria Auxiliadora, as Irmãs do Precioso Sangue, as Missionárias de Nossa Senhora dos Anjos (ou Angelinas), as Missionárias Dominicanas do Rosário, as Irmãs de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor, as Filhas de São Paulo, as Missionárias de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, as Irmãzinhas de Jesus, as Missionárias da Caridade, as Irmãs de São Domingos (Maryknoll), a Congregação das Irmãs da Caridade de Santa Ana, as Irmãzinhas de Maria, a Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria e da Adoração Perpétua do Santíssimo Sacramento, as Missionaries of Christ Jesus, a Comunidade das Beatitudes, o Instituto Secular Nossa Senhora da Anunciação, a Congregação das Irmãs Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora, as Irmãs dos Bem-Aventurados Mártires Coreanos, as monjas da Ordem Trapista e o Instituto Secular das Voluntárias de Dom Bosco.4 5 6 7 8 Segundo as estatísticas do Governo da RAEM, trabalharam em Macau, no ano de 2008, 52 padres regulares e 13 religiosos, 185 religiosas e 115 missionárias voluntárias. As irmãs religiosas estão actualmente representadas na Associação das Religiosas de Macau.1 9

História[editar | editar código-fonte]

Macau tornou-se num importante estabelecimento comercial português em meados do século XVI e, por conseguinte, tornou-se também num importante ponto de partida de missionários católicos para os diferentes países da Ásia, principalmente para a China e o Japão. A primeira ordem religiosa a estabelecer-se em Macau foi a Companhia de Jesus, em 1563-1565, que fundou logo uma residência perto da actual Igreja de St. António. Naturalmente, os jesuítas escolheram Macau para ser o seu quartel-general no Extremo Oriente, sendo nesta cidade que construiram o seu colégio universitário e residiram os seus visitadores e provinciais da China e do Japão, entre os quais se destacava Alessandro Valignano. Esta poderosa ordem religiosa, ao serviço do Padroado português, forneceu alguns bispos à diocese, construiu várias igrejas, entre as quais se destaca a Igreja da Madre de Deus, e criou várias instituições de caridade e de educação, nomeadamente o Colégio de São Paulo (fundado em 1594) e o Seminário de São José (fundado em 1728). Estas instituições académicas foram fundadas para formar missionários e padres, mas o Colégio acabou por ser destruído por um incêndio em 1835. Quanto ao Seminário, que funcionou com várias interrupções e alternadamente por jesuítas, lazaristas e padres diocesanos, cessou as suas actividades em 1967, devido à falta de vocações sacerdotais.1 2 10 11 12

Já após a erecção da Diocese de Macau em 1576, estabeleceram-se também em Macau os franciscanos (em 1579-1580), os agostinhos (em 1586-1587), os dominicanos (em 1587-1588) e as clarissas (em 1633-1634). Todas estas ordens religiosas, nomeadamente os jesuítas, contribuíram muito para o ensino em Macau e para as missões católicas do Extremo Oriente.1 2 13 Porém, em 1762, os jesuítas foram expulsos de Macau, causando sérios problemas ao Padroado Português no Extremo Oriente. Em 1784, os lazaristas vieram a Macau e tomaram conta do Seminário de S. José, anteriormente operado pelos jesuítas, aliviando assim o declínio das missões portuguesas. Porém, o golpe mortal foi desferido em 1834-1835, quando as ordens religiosas masculinas foram extintas, arruinando as missões portuguesas na China e eclipsando quase completamente a vida religiosa e o ensino ocidental em Macau.2 Com esta extinção, todos os seus bens e propriedades, incluindo igrejas e conventos, foram confiscados em todo o Império português. O seu tratamento e utilização pelas autoridades de Macau foram desastrosos, sendo o caso mais gritante a demolição em 1861 do Convento e Igreja de São Francisco, que foram construídos pelos franciscanos. Em seu lugar, o Governo de Macau construiu em 1864/1866 o Quartel de São Francisco, que aloja actualmente o Comando das Forças de Segurança de Macau.14 15

Porém, após estes excessos, a situação política portuguesa começou a suavizar-se e, por consequência, o Governo de Macau começou a devolver grande parte das igrejas confiscadas à diocese. Em 1862, os jesuítas regressaram a Macau e fizeram renascer o Seminário de S. José, mas foram novamente expulsos em 1872, para depois voltarem a regressar em 1890. Com a morte da sua última religiosa em 1875, a Ordem das Clarissas foi considerada extinta em Macau,13 sendo urgentemente substituída pelas Filhas da Caridade Canossianas (em 1874) e pelas Franciscanas Missionárias de Maria (em 1903). Os Salesianos de Dom Bosco instalaram-se em 1906 e a sua presença em Macau se fez sentir com a criação de várias instituições de ensino e de solidariedade social, tais como o Colégio Dom Bosco, o Colégio Yuet Wah e o Instituto Salesiano (ex-Orfanato da Imaculada Conceição), que foi fundado em 1906 por São Luigi Versiglia. Os salesianos também desempenharam um importante trabalho missionário, educativo e social em Hong Kong e na província de Guangdong, nomeadamente em Heung Shan e Shiu Chow (ou Shaozhou): como por exemplo, Luigi Versiglia foi o primeiro bispo e vigário apostólico de Shiu Chow. Com a implantação da República Portuguesa em 1910, as ordens religiosas foram expulsas de Macau, mas muitas delas continuaram a operar nos territórios não-portugueses que estavam sob a juridisção da diocese. Mais tarde, com o acalmar da situação política, elas puderam regressar a Macau: as canossianas já em 1911,16 os salesianos em 1912,17 , os jesuítas em 193018 e as missionárias de Maria em 1932. Chegaram também a Macau as Missionárias de Nossa Senhora dos Anjos em 1929, a Ordem das Carmelitas Descalças em 1941, as Missionárias de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em 1966 e as Filhas de São Paulo em 1969.19 1

Em 1974, estavam em Macau os jesuítas, os franciscanos, os salesianos, as canossianas, as salesianas (ou Filhas de Maria Auxiliadora), as Irmãzinhas de Jesus, as Franciscanas Missionárias de Maria, as Irmãs do Precioso Sangue, as dominicanas, as carmelitas, as Irmãs de Nossa Senhora dos Anjos, as Missionárias do Perpétuo Socorro, as Filhas de São Paulo e as Irmãs de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor.2 Em 1999, residem em Macau as seguintes ordens e congregações religiosas: Jesuítas, Salesianos, Dominicanos, Combonianos, Paulistas, Redentoristas, Canossianas, Franciscanas Missionárias de Maria (FMM), Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), Angelinas, Precioso Sangue, Dominicanas, Perpétuo Socorro, Bom Pastor, Caridade de Santa Ana, Missionárias da Caridade, Maryknoll, Irmãzinhas de Jesus, Irmãzinhas de Maria, Filhas de São Paulo e Fraternidade de Santa Inês.20 Também em 1999, foram confiados aos Missionários Combonianos a Igreja de São José Operário e sua respectiva quase-paróquia.21

Outras instituições e associações[editar | editar código-fonte]

Os religiosos e leigos mais activos reúnem-se também em vários movimentos e associações católicas, sendo os mais antigos as associações piedosas, que juntam leigos com uma comum devoção popular a qualquer santo, invocação de Nossa Senhora ou invocação de Jesus, entre as quais se destacam a Confraria de Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos, a Confraria de Nossa Senhora do Rosário da Mãe de Deus e a Confraria de Santo António de Lisboa, a Venerável Ordem Terceira de Penitência de S. Francisco de Assis e a Associação Fiéis da Nossa Senhora de Manaoag de Macau.22 9 Outras organizações incluem o Movimento dos Focolares e o Movimento dos Cursos de Cristandade, que começaram as suas actividades em Macau durante o bispado de D. Paulo José Tavares (1961-1973).19 Durante o bispado de D. Arquimínio Rodrigues da Costa (1976-1988), foram fundadas a Associação das Religiosas de Macau, o Clube Serra (em 1977-1978) e a Associação das Escolas Católicas de Macau, que representa as inúmeras escolas católicas locais, operadas quer pelas comunidades religiosas quer pelos padres diocesanos.23 24 Durante o bispado de D. Domingos Lam Ka-tseung (1988-2003), foram criadas a Associação de Leigos Católicos de Macau (em 199425 ) e o Instituto Inter-Universitário de Macau (em 1996), que é actualmente a única instituição de ensino superior católica em Macau.26

Para explorar as potencialidades dos meios de comunicação social, a Diocese de Macau, que já contava com o apoio das Filhas de São Paulo, dispõe também de um Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social, criado em 1975.27 Para além dos inúmeros estabelecimentos e serviços mantidos pelas ordens e congregações religiosas, existem também várias instituições assistenciais e de solidariedade social de inspiração católica, tais como a Cáritas de Macau, o Secretariado Diocesano dos Serviços de Assistência Social, a Santa Casa da Misericórdia, a Sociedade de São Vicente de Paulo e a Associação Piedosa Asilo de São José de Macau. A mais antiga delas é sem dúvida nenhuma a Santa Casa da Misericórdia, fundada em 1569 pelo bispo D. Melchior Carneiro Leitão e actualmente com uma gestão independente da diocese.28 29 30 9

Outra instituição assistencial importante é a Cáritas de Macau, que foi a sucessora do "Centro Social Mateus Ricci", fundado em 1951 pelo padre jesuíta espanhol Luis Ruiz Suárez na Casa Ricci, que era na altura a residência dos jesuítas em Macau. Este organismo acolheu mais de 35 mil refugiados da China Continental, que fugiam do comunismo chinês, implantado em 1949. Em 1971, esta instituição tornou-se formalmente numa organização subordinada à Diocese de Macau e um membro da Caritas Internationalis, mudando o seu nome para "Caritas de Macau" (ou "Caritas Macau"). Actualmente, a "Caritas Macau" opera uma grande rede de serviços e infra-estruturas destinadas a ajudar os mais pobres e necessitados de Macau.31 32 33 34 35

A Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei e o Apostolado da Oração também estão activos em Macau.36 37 38

Listas feitas pelo Governo português de Macau[editar | editar código-fonte]

Respeitando o artigo terceiro da Concordata entre a Santa Sé e Portugal (1940), o Governo de Macau publicou em 1986 uma lista das instituições de carácter permanentemente religioso e canonicamente erectas na Diocese de Macau:9

Neste levantamento das instituições católicas feito pelo Governo de Macau em 1986, o Cofre dos Pobres (ou Cofre do Socorro dos Pobres ou Comissão Administrativa do Cofre do Socorro dos Pobres), as Missões Portuguesas na China (ou Comissão Administrativa dos Bens das Missões Portuguesas na China), a Missão do Padroado Português no Extremo Oriente e a Mitra de Macau (ou Bens da Mitra de Macau) foram considerados extintos e os seus bens foram revertidos a favor da Diocese de Macau.9 No novo levantamento feito pelo Governo em 1996, a Associação dos Benfeitores da Caridade de S. Francisco de Assis foi considerada extinta e os seus bens foram revertidos a favor da Paróquia de S. Lourenço.39

Referências

  1. a b c d e f Religiões e Hábitos, do Macau Yearbook 2009
  2. a b c d e f Monsenhor Manuel Teixeira, "Bispos, Missionários, Igrejas e Escolas: no IV Centenário da Diocese de Macau" (Macau e a sua Diocese, Vol. 12), Macau, Tipografia da Missão do Padroado, 1976; págs. 33, 98, 100, 101, 102 e 103.
  3. Informação sobre as ordens e congregações religiosas masculinas em Macau, no site da Diocese de Macau
  4. Informação sobre as ordens e congregações religiosas femininas em Macau, no site da Diocese de Macau
  5. Mães do mundo, O Clarim, 10 de Dezembro de 2010
  6. Clausura de porta aberta, O Clarim, 1 de Abril de 2011
  7. Ao serviço da Diocese, O Clarim, 15 de Outubro de 2010
  8. Nova Fraternidade das FMNS em Macau, no site oficial português das Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora.
  9. a b c d e Despacho n. 17/SAA/86, no Boletim Oficial de Macau, n. 38 de 22 de Setembro de 1986; págs. 2660 e 2661
  10. Número de fiéis e sacerdotes católicos caiu para metade desde 1978, Jornal Tribuna de Macau, 27 de Dezembro de 2007
  11. Valor universal excepcional de “O Centro Histórico de Macau”
  12. Ruínas de S. Paulo, no site da Rede do Património Cultural de Macau
  13. a b Rafael Ávila Azevedo, A influência da cultura portuguesa em Macau, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, Ministério da Educação (Portugal), Novembro de 1984; n. 21-22
  14. Monsenhor Manuel Teixeira, Os franciscanos em Macau, 1978; págs. 64 e 65
  15. Quartel de São Francisco - Sítios a visitar - Descobrir Macau - Direcção dos Serviços de Turismo
  16. Monsenhor Manuel Teixeira, As Canossianas na Diocese de Macau: I centenário (1874/1974), Tipografia da Missão do Padroado, Macau, 1974; págs. 14 e 21
  17. Pe. Carlos António Kirschner, Dom Bosco e a China - Contributo para a História dos Salesianos, 1965; págs. 330 e 331
  18. Benjamim Uideira, A Acção dos Jesuítas em Macau; pág. 6
  19. a b Monsenhor Manuel Teixeira, "Bispos, Missionários, Igrejas e Escolas: no IV Centenário da Diocese de Macau" (Macau e a sua Diocese, Vol. 12), Macau, Tipografia da Missão do Padroado, 1976; págs. 79, 80, 86, 87 e 88.
  20. António Vale, Macau - A porta da China, Além-Mar, Dezembro de 1999.
  21. Delegazione dell'Asia, no site oficial dos combonianos (em italiano)
  22. Registo da Associação Fiéis da Nossa Senhora de Manaoag de Macau no site da Imprensa Oficial de Macau
  23. Introduction of Serra Club of Macao, no site oficial do Clube Serra de Macau (em inglês)
  24. Lista dos bispos de Macau no site oficial da Diocese de Macau
  25. Estatutos da Associação de Leigos Católicos de Macau (1994) e respectivas modificações (2003), no site da Imprensa Oficial de Macau
  26. Portaria n.º 207/96/M
  27. A Igreja de Macau e o Apostolado, no site do Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social.
  28. Asilo de S. José, no site do Instituto de Acção Social da RAEM
  29. Santa Casa da Misericórdia, no site da Rede do Património Cultural de Macau
  30. Compromisso da Santa Casa da Misericórdia de Macau (1997), no site da Imprensa Oficial de Macau
  31. Our Story - Casa Ricci Social Services, no site oficial da Casa Ricci Social Services (em inglês)
  32. Introduction - Caritas Macau, no site oficial da Caritas Macau (em inglês)
  33. To give and not to count the cost, uma biografia em inglês do padre Luiz Ruiz Suarez (em inglês)
  34. Hong Kong: The Travel Agents, Time, 14 de Dezembro de 1962
  35. Brief biography F. Luis Ruiz, Agenzia Fides, 5/6/2004 (em inglês)
  36. Santo Trabalho de Deus, O Clarim, 25 de Fevereiro de 2011.
  37. Informações sobre o Opus Dei, no site oficial da Diocese de Macau
  38. A «mãe» das paróquias, O Clarim, 24 de Setembro de 2011
  39. DS 10/SAAEJ/96, no LegisMac

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações