Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística
Logotipo da empresa.
(IBOPE)
Fundação 1942
Tipo Privada
Propósito Pesquisa de marketing
Medição de audiência
Pesquisa de propaganda
Línguas oficiais Português, Inglês e Espanhol
CEO Carlos Augusto Montenegro
Fundador Auricélio Penteado
Empregados 3.500[1]
Sítio oficial http://www.ibope.com.br/

O Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (mais conhecido como IBOPE) é uma das maiores empresas de pesquisa de mercado da América Latina[2] . A empresa fornece um amplo conjunto de informações e estudos sobre mídia, opinião pública, intenção de voto, consumo, marca, comportamento e mercado, no Brasil e em mais 14 países.

O nome da empresa virou gíria comum no Brasil e é um verbete oficial do dicionário brasileiro [3] , além de constar como sinônimo de audiência e prestígio.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O IBOPE foi criado em 1942 pelo radialista Auricélio Penteado, proprietário da Rádio Kosmos, de São Paulo e por Arnaldo da Rocha e Silva, que posteriormente, também veio a ser, um dos fundadores da então conhecida atualmente Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM. Naquele ano, eles decidiram aplicar no Brasil técnicas de pesquisa aprendidas nos Estados Unidos com George Gallup, fundador do American Institute of Public Opinion, para saber como andava a audiência de sua emissora.

Ao medir a audiência das rádios de São Paulo, Penteado constatou que a Kosmos não estava entre as mais ouvidas. A partir de então, passou a dedicar-se exclusivamente às pesquisas. Em 1950, Penteado deixa a presidência da empresa a cargo de um grupo de diretores.

Em 1977, Paulo de Tarso Montenegro assume a presidência da empresa. Um ano depois, convida seus filhos, Carlos Augusto Montenegro e Luís Paulo Montenegro, a ingressarem na companhia. A empresa então realiza as primeiras pesquisas de boca de urna, antecipando com extrema precisão o resultado das disputas eleitorais, no final dos anos 70.

Nos anos 80, o IBOPE cria a empresa Painel e lança o Painel Nacional de Consumo (PNC). A empresa passa a utilizar o aparelho people meter, desenvolvido pela empresa inglesa Audits of Great Britain, viabilizando coleta, processamento e entrega dos dados de audiência em tempo real, uma espécie de première mundial.

Na década de 90, o IBOPE associa-se a empresários no México, Colômbia, Venezuela, Equador, Peru, Chile e Argentina. A partir da parceria, dá inicio ao fornecimento de dados consolidados da América Latina para TV a cabo.

Atualmente, é composto por quatro unidades de negócios, com escritórios em 14 cidades do Brasil, 13 países da América Latina e nos Estados Unidos.

O IBOPE Media, joint venture entre o IBOPE e o maior grupo de serviços de comunicação do mundo, a WPP, é a unidade responsável por fornecer informações ao mercado de mídia, agências de publicidade e anunciantes. Seus serviços incluem monitoramento do investimento publicitário, medição de audiência e os hábitos de consumo de mídia.

O IBOPE Media possui parcerias com a Nielsen Company, para a joint venture IBOPE Nielsen Online, que detalha os hábitos de consumo dos internautas, e com a Kantar Media Research, uma empresa do grupo WPP, para o Target Group Index, um estudo single source sobre o consumo de produtos, serviços e mídia, estilo de vida e características sociodemográficas.

O IBOPE Inteligência é a linha de negócios de pesquisa de mercado voltada a auxiliar os clientes a terem o correto conhecimento e compreensão da sociedade e do mercado em que operam, ajudando nas decisões táticas, na elaboração de estratégias e em processos de inovação. É especialista em pesquisas de política e opinião pública, pesquisas de mercado focadas no setor de serviços, produtos de consumo, varejo e geonegócios.

Em 2010, a empresa iniciou a atuação no ramo de educação executiva com o lançamento do IBOPE Educação. Trata-se de uma nova área de negócio, com o objetivo de capacitar profissionais envolvidos no processo de tomada de decisões estratégicas.

Em 2011, lançou o IBOPE Ambiental, unidade de negócios que atua na área de meio ambiente com serviços voltados aos aspectos ambientais da sustentabilidade. A empresa tem sede no Brasil, mas atua nos países da América Latina e da África.

O IBOPE também possui participação acionária na Millward Brown do Brasil, uma parceria do IBOPE com a Millward Brown e o Grupo WPP. A Millward Brown do Brasil é a empresa que realiza estudos sob encomenda, voltados para a construção e manutenção de marcas fortes.

Em homenagem a Paulo de Tarso Montenegro, foi criado, em 2000, o Instituto Paulo Montenegro, uma organização sem fins lucrativos que desenvolve e executa projetos educacionais a partir dos conhecimentos acumulados pelo IBOPE em 69 anos de pesquisa. Seus dois programas –- Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião (Nepso) e Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf) -- são realizados em parceria com a ONG Ação Educativa, uma das entidades mais respeitadas no Brasil na área educacional.

Medição[editar | editar código-fonte]

O IBOPE foi a primeira empresa do mundo a oferecer o serviço de medição de audiência de TV em tempo real, a partir de 1988, em São Paulo.

Em cada cidade onde é realizada a medição de audiência de TV, o IBOPE sorteia um conjunto de domicílios que representam a população. Com a autorização dos moradores, é instalado um aparelho em cada televisor da casa (people meter), que identifica e registra automaticamente qual canal está sendo assistido.[2] [4]

O aparelho envia, pelo sistema de telefonia celular, as informações de todas as mudanças de canais realizadas pelo telespectador para uma central de coleta dos índices que as processa, analisa e distribui para os clientes.[2]

O IBOPE constrói sua amostra com base nos dados do censo demográfico brasileiro, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e nos estudos sociodemográficos do próprio IBOPE.

Atualmente, oito regiões metropolitanas do Brasil contam com o serviço de medição em tempo real: Grande São Paulo (na qual um ponto equivale a 60 mil domicílios), Grande Rio de Janeiro, Grande Belo Horizonte, Grande Porto Alegre, Grande Recife, Grande Curitiba, Distrito Federal e Grande Salvador. Nas regiões metropolitanas da Grande Florianópolis, Grande Fortaleza, Grande Belém, Grande Vitória, Grande Goiânia, Campinas e Manaus, os dados são enviados no dia seguinte. Segundo o próprio Instituto, em 2012 a medição ocorre em quatro mil e duzentos domicílios brasileiros.[5]

O sistema de medição de audiência de televisão em tempo real também é utilizado no Chile, Argentina, Colômbia, Paraguai, Equador, Panamá, Peru e Uruguai.

Instabilidade[editar | editar código-fonte]

Durante o apagão que afetou metade do Brasil em 10 de novembro de 2009[6] , o IBOPE enfrentou instabilidade no recebimento de dados dos domicílios pertencentes à amostra de TV na Grande São Paulo. Esse fato criou dificuldades para todos os assinantes do serviço, entre eles a Rede Record, Rede Globo, SBT e grandes agências de comunicação.

O people meter, aparelho que mede em tempo real os números da audiência, parou de funcionar em 22 de novembro de 2009[7] durante uma disputa de audiência entre dois de seus principais clientes: Rede Record e Rede Globo. O atraso na publicação dos dados em tempo real, no dia 22 de novembro de 2009, gerou insatisfação na Rede Record, que reagiu ao apresentar no dia 29 de novembro de 2009, em seu programa Domingo Espetacular, uma matéria colocando em dúvida a credibilidade do Grupo IBOPE em seus negócios.

O Instituto acusou as operadoras de telefonia celular como as responsáveis pela suposta pane no sistema, mas as empresas TIM e Vivo, que prestam o serviço para a empresa de pesquisa, desmentiram o mesmo em nota oficial à Rede Record, que foi a maior prejudicada pelo ocorrido.[8] Desde então, a emissora de televisão determinou em seu departamento de comunicação que não se divulguem mais seus números de audiência.[8]

Mesmo respeitando o direito de manifestação do cliente, o IBOPE discordou das críticas apresentadas, considerando que foi um problema momentâneo. As pesquisas da empresa atendem ao código de autorregulação e de ética da Associação Mundial de Profissionais de Pesquisa, a Esomar - The World Association of Research Professionals[9] , e da ABEP - Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa.[10]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Reconhecimento e Prêmios[editar | editar código-fonte]

O IBOPE é a única empresa latino-americana a figurar no ranking norte-americano das 25 maiores organizações globais de pesquisa (Honomichl Top 25 Global Research Organizations).[11]

A empresa também ocupa a quarta colocação no ranking das Transnacionais Brasileiras 2011, da Fundação Dom Cabral, atrás apenas de JBS Friboi, Stefanini e Gerdau, que ocupam as primeiras colocações, respectivamente. No ranking de ativos fora do país, o IBOPE está em terceiro lugar, atrás apenas da Stefanini e da Gerdau. Quando considerado o número de funcionários no exterior, o IBOPE ocupa a segunda posição, atrás do JBS-Friboi.

Já a filial do IBOPE Media, no Rio de Janeiro, é reconhecida com o Prêmio Qualidade Rio (PQRio), na categoria bronze. Outra conquista da empresa foi com sua filial em Brasília, quando ganhou o Prêmio de Competitividade do Sebrae para Micro e Pequenas Empresas, baseado nos critérios do Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ).

Críticas[editar | editar código-fonte]

Na Argentina e na Colômbia, o IBOPE também está sob suspeita, no que diz respeito a sua metodologia de pesquisa. O governo da presidente Cristina Kirchner pretende lançar um sistema estatal de medição da audiência televisiva do país (similar ao BARB britânico) num claro ataque ao IBOPE, que hoje domina o mercado argentino.[12] De acordo com o proponente da legislação, Gabriel Mariotto, "todos duvidamos do IBOPE e sabemos que sua medição é manipulada. Eles dizem que tal canal terá a maior audiência para que esse canal tenha uma maior participação na distribuição da publicidade".[12] Segundo ele, o trabalho do IBOPE não é verificado por ninguém, enquanto que a medição do novo instituto deverá ser verificado pelas universidades públicas, o que fará com que a "distribuição da publicidade seja mais equilibrada".[12] Entretanto, o trabalho do IBOPE na área de pesquisa de mídia é auditado por empresas independentes, contratadas por uma comissão formada pelos clientes desse serviço. No Brasil, a auditoria é realizada pela Ernst & Young, a pedido da Comissão Abap-Redes. Já na Argentina, a auditoria é feita pela CCMA (Cámara de Control de Medición de Audiencia).

No México a maior rede televisiva do país, a Televisa, exigiu que o IBOPE trocasse todos os domicílios pesquisados, depois que o ex-diretor geral do IBOPE AGB México se transferiu para a TV Azteca, principal concorrente da Televisa. Após várias reuniões e consultorias com especialistas e auditorias, foi recomendado não realizar a troca dos domicílios, já que foi demonstrado, por meio de auditorias externas, que o painel mantinha sua confidencialidade.[8]

Em 2011, foi anunciado que o Nielsen Ratings passaria a medir audiência televisiva no Brasil, quebrando o monopólio do IBOPE no país.[13] [14] Mas em fevereiro de 2012 a empresa teria desistido de medir a audiência no Brasil, assim consolidando o IBOPE como a única empresa que mede audiência televisiva no país.[15] [16]

Referências

  1. Dúvidas frequentes - IBOPE. Página visitada em 3 de setembro de 2012.
  2. a b c Quem Somos - IBOPE. Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.
  3. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa - Palavra IBOPE. Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  4. Oliveira, Fernando (28 de fevereiro de 2013). Sabe como funciona a medição de audiência e quantas pessoas têm aparelho do Ibope em casa?. NaTV. Internet Group. Página visitada em 1 de março de 2013.
  5. Metodologia de pesquisas de Audiência de TV. Página visitada em 12 de março de 2012.
  6. Apagão afetou Brasil e Paraguai; causa ainda é desconhecida (11 de novembro de 2009). Página visitada em 12 de fevereiro de 2012.
  7. Ibope rebate Record e diz que enfrenta instabilidade.
  8. a b c Operadoras desmentem IBOPE sobre falha em medição.
  9. http://www.esomar.org/
  10. http://www.abep.org/novo/
  11. Sobre Ibope. Página visitada em 3 de setembro de 2012.
  12. a b c Para cortar dependência, Argentina lança sistema concorrente ao Ibope. Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.
  13. Nielsen medirá audiência de TV no Brasil. Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.
  14. Ibope ganha rival e Nielsen também medirá audiência no Brasil (26/9/2011). Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.
  15. Nielsen desiste de medir audiência da TV no Brasil, diz jornal (fevereiro de 2012). Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.
  16. Nielsen não vai mais medir ibope no Brasil (6 de fevereiro de 2012). Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]