Instituto Federal de Mato Grosso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
IFMT
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
LogoIFSP.jpg
Fundação 23 de setembro de 1909
Tipo de instituição Instituição de Ensino
Reitor(a) José Bispo Barbosa
Estado Mato Grosso
Página oficial http://www.ifmt.edu.br/
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), criado nos termos da Lei nº. 11.892, de 29 de dezembro de 2008, mediante integração do Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso, do Centro Federal de Educação Tecnológica de Cuiabá e da Escola Agrotécnica Federal de Cáceres, é uma instituição de educação superior, básica e profissional, pluricurricular e multicampi, especializada na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino. É uma instituição vinculada ao Ministério da Educação, possui natureza jurídica de autarquia, com autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar.

O IFMT tem no Estado de Mato Grosso a sua área de atuação geográfica, conta com onze campi em funcionamento, além da sua Reitoria instalada em Cuiabá. Para efeito da incidência das disposições que regem a regulação, avaliação e supervisão da instituição e dos cursos de educação superior, o IFMT é equiparado às universidades federais. Sua Reitoria está instalada em Cuiabá.

Missão[editar | editar código-fonte]

É missão do IFMT proporcionar a formação científica, tecnológica e humanística nos vários níveis e modalidades de ensino, pesquisa e extensão, de forma plural, inclusiva e democrática, pautada no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional, preparando o educando para o exercício da profissão e da cidadania com responsabilidade ambiental.

Objetivos[editar | editar código-fonte]

O IFMT tem os seguintes objetivos: ministrar educação profissional técnica de nível médio, prioritariamente na forma de cursos integrados, para os concluintes do ensino fundamental e para o público da educação de jovens e adultos; ministrar cursos de formação inicial e continuada em todos os níveis e modalidades, objetivando a capacitação, o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de profissionais, nas áreas da educação, ciência e tecnologia; realizar pesquisas aplicadas, estimulando o desenvolvimento de soluções técnicas e tecnológicas, estendendo seus benefícios à sociedade; desenvolver atividades de extensão de acordo com os princípios e finalidades da educação profissional e tecnológica, em articulação com o mundo do trabalho e os segmentos sociais, e com ênfase na produção, desenvolvimento e difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos; estimular e apoiar processos educativos que levem à geração de trabalho e renda e à emancipação do cidadão na perspectiva do desenvolvimento socioeconômico local e regional; e ministrar em nível de educação superior: cursos superiores de tecnologia visando à formação de profissionais para os diferentes setores da economia; cursos de licenciatura, bem como programas especiais de formação pedagógica, com vistas na formação de professores para a educação básica, sobretudo nas áreas de ciências, e para a educação profissional; cursos de bacharelado e engenharia, visando à formação de profissionais para os diferentes setores da economia e áreas do conhecimento; cursos de pós-graduação lato sensu de aperfeiçoamento e especialização, visando à formação de especialistas nas diferentes áreas do conhecimento; e cursos de pós-graduação stricto sensu de mestrado e doutorado, que contribuam para promover o estabelecimento de bases sólidas em educação, ciência e tecnologia, com vistas ao processo de geração e inovação de conhecimentos educacionais, científicos e tecnológicos.

Professores do IFMT[editar | editar código-fonte]

Professores do instituto, na sua maioria, possuem Pós-doutorado, Doutorado ou Mestrado. Professores bem qualificados, alguns com dedicação exclusiva, promovem assim um excelente ensino, fazendo que todos os anos o IFMT ocupe as melhores vagas na classificação do ENEM no estado de Mato Grosso. Um exemplo de qualificação é da professora Sandra Maria de Lima, do IFMT Campus Cuiabá, recebeu recentemente o prêmio internacional "TOP 100 Engineers" (Cem melhores engenheiros) e teve seu nome incluído na publicação "2000 Outstanding Intellectuals of the 21st Century - 2011" (2000 Intelectuais Ilustres do Século XXI). As homenagens foram prestadas pelo Centro Biográfico Internacional de Cambridge (International Biographical Centre of Cambridge - IBC).

Campi[editar | editar código-fonte]

  • Campus Cuiabá - Octahyde Jorge da Silva
  • Campus Cuiabá-Bela Vista
  • Campus São Vicente
  • Campus Cáceres
  • Campus Barra do Garças
  • Campus Campo Novo do Parecis
  • Campus Confresa
  • Campus Juína
  • Campus Pontes e Lacerda
  • Campus Rondonópolis
  • Campus Sorriso.
  • Campus Várzea Grande. (Em Construção)
  • Campus Alta Floresta. (Em Construção)
  • Campus Primavera do Leste. (Em Construção)

Campus Cuiabá (Sede)[editar | editar código-fonte]

O Campus Cuiabá Octayde Jorge da Silva (Centro), é campus de fundação do Instituto Federal em Mato Grosso, Fundado em 1909 é o campus sede. O maior campus do estado, com vários cursos, incluindo cursos Técnico (Agrimensura, Informatica, Eletrônica, Eletrotécnica, Telecomunicações, Secretariado, Edificações, e Eventos), Cursos Superiores (Engenharia da Computação, Engenharia de Controle e Automação, Rede de Computadores, entre outros). Nos cursos de Ensino Médio Integrado (Técnicos integrados ao Ensino Médio), o Campus Cuiabá é referência em todo o estado, por em todos os anos no ENEM alcançar os maiores padrões estaduais, ficando por vários anos consecutivos nos três primeiros lugares.

História O IFMT - Campus Cuiabá - Cel. Octayde Jorge da Silva foi fundado em 23 de setembro de 1909, através do decreto n.º 7.566, de 23 de setembro de 1909, de autoria do Presidente da República Nilo Peçanha. Inaugurado em 1° de janeiro de 1910 como Escola de Aprendizes Artífices de Mato Grosso (EAAMT), tinha como objetivo munir o aluno de uma arte que o habilitasse a exercer uma profissão e a se manter como artífice.

Em 1930, a EAAMT vinculou-se ao Ministério da Educação e Saúde Pública e, em 13 de janeiro de 1937, através da Lei nº 378, as Escolas de Aprendizes Artífices receberam a denominação de Liceus Industriais. No entanto, somente em cinco de setembro de 1941, via Circular nº 1.971, a EAAMT assumiu oficialmente a denominação de Liceu Industrial de Mato Grosso (LIMT).

A partir da década de 1940, o ensino nacional passou por uma reforma denominada Reforma Capanema. Por meio dela, o LIMT transformou-se em Escola Industrial de Cuiabá (EIC), em função do Decreto-Lei nº 4.127, de 25 de fevereiro de 1942. A escola passou, assim, a oferecer o ensino profissional com cursos industriais básicos e de mestria de alfaiataria, sapataria, artes do couro, marcenaria, serralharia, tipografia e encadernação.

Através da Lei nº 3.552, de 16 de fevereiro de 1959, a EIC adquiriu personalidade jurídica própria e autonomia didática, administrativa, técnica e financeira. Com a expedição da primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, passou a oferecer o ensino profissional com cursos ginasiais industriais equiparados aos de 1º grau do ensino médio.

Em 20 de agosto de 1965, transformou-se em Escola Industrial Federal de Mato Grosso (EIFMT), em função da Lei n.º 4.759. Três anos depois, a Portaria Ministerial n.º 331, de 17 de junho de 1968, alterou a lei anterior e a escola industrial passou a denominar-se Escola Técnica Federal de Mato Grosso (ETFMT).

Com a reforma do ensino de 1º e 2º graus (antigos ginasial e colegial), introduzida pela Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971, a ETFMT acabou de vez com os antigos cursos ginasiais industriais (1° grau), e passou a oferecer o ensino técnico de 2º grau integrado ao propedêutico. Além disso, deixou de atender, especificamente, alunos do sexo masculino, com a aceitação de mulheres nos referidos cursos.

Com o advento da Nova LDB nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, o ensino profissional deixou de ser integrado ao propedêutico e a ETF passou a oferecer, separadamente, o ensino médio (antigo propedêutico) e o ensino profissional de nível técnico e nível básico. Pelo Decreto Presidencial de 16 de agosto de 2002, publicado no Diário Oficial da União (DOU) em 19 de agosto de 2002, a ETFMT transformou-se em Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso, nos termos da Lei n.º 8948/94. A partir daí, além do ensino médio e do ensino profissional de nível técnico e básico, a Instituição passou a oferecer o ensino profissional de nível tecnológico e a pós-graduação em nível Lato Sensu.

Através da Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, publicada no DOU de 30 de dezembro de 2008, é criado o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), mediante integração dos Centros Federais de Educação Tecnológica de Mato Grosso e de Cuiabá, e da Escola Agrotécnica Federal de Cáceres.

Campus Campo Novo do Parecis[editar | editar código-fonte]

O Campus Campo Novo do Parecis é um dos onze Campi do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), criado com a publicação da Lei n. 11.892, sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva em 29 de dezembro de 2008. Os outros dez Campi do IFMT são os seguintes: Cuiabá - Octayde Jorge da Silva, Cuiabá - Bela Vista, São Vicente da Serra, Cáceres, Barra do Garças, Confresa, Juína, Pontes e Lacerda, Rondonópolis e Sorriso.

Em todo País, foram criados 38 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. No Estado de Mato Grosso, o IFMT é resultante da junção de três importantes escolas federais: Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso (CEFET MT), Centro Federal de Educação Tecnológica de Cuiabá (CEFET Cuiabá) e Escola Agrotécnica Federal de Cáceres (EAF Cáceres).

A federalização da antiga Escola Agrotécnica Municipal Dorvalino Minozzo, em Campo Novo do Parecis, aconteceu no ano de 2008, quando o CEFET Cuiabá instalou uma Unidade de Ensino Descentralizada (UNED) no município. Com a criação dos Institutos, a UNED Parecis passou a ter o status de Campus do IFMT, ganhando autonomia administrativa, inclusive a de criar cursos e expedir diplomas nos níveis Médio, Técnico e Superior.

Neste mesmo ano de 2008, foram realizados o concurso público para contratação de servidores, além do primeiro Vestibular, que ofereceu 35 vagas para o curso superior de Licenciatura em Matemática. Ao final do ano, um novo Vestibular e Exame de Seleção foi realizado, selecionando novos 280 alunos para a Instituição, que passa a contar com os cursos de Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio, e os cursos superiores de Agronomia, Licenciatura em Matemática e Tecnologia em Agroindústria. Atualmente, a Instituição conta com 315 alunos, prevendo um crescimento para 1500 alunos em um prazo de mais quatro anos.

Campus São Vicente da Serra[editar | editar código-fonte]

IFMT- Campus São Vicente. Colégio Agrícola que começou a ser construído em 4 de julho de 1939 e fundado como Aprendizado Agrícola vinculado à Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário do Ministério da Agricultura, em 14 de abril de 1943 pelo Decreto-Lei nº. 5.409, assinado pelo Presidente da República Getulio Vargas.

Depois houve sucessivas mudanças no nome da escola:

  • Decreto-Lei nº. 6.495 / 12 de maio de 1944 – A escola recebeu o nome de Aprendizado Agrícola Gustavo Dutra;
  • Decreto Lei nº. 53.558 / 13 de fevereiro de 1964 – O nome da escola mudou para Ginásio Agrícola Gustavo Dutra;
  • Decreto nº. 83.935 / 4 de setembro de 1979 – A denominação foi mudada para Escola Agrotécnica Federal de Cuiabá-MT;
  • Em 16 de agosto de 2002 – A escola foi transformada em Centro Federal de Educação Tecnológica. Concedendo a instituição o direito de oferecer cursos superiores de tecnologia e cursos superiores para formação de professores, com autonomia;

Cursos[editar | editar código-fonte]

Campus Cuiabá> DAEE:Eletrônica, Telecomunicações, Eletrotécnica, Automação Industrial, Refrigeração e Ar Condicionado, […]. DACC:

Geoprocessamento, […]. DAS:

[…]. DAI: Engenharia da Computação, Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas para Internet, Tecnologia em Redes de Computadores, (Pós) Redes e Computação Distribuída, […]. Campus Bela Vista: Engenharia de Alimentos, Meio ambiente, Química, […]

Comunidade dos Alunos[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre instituição de ensino superior é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.