Instituto Nacional de Estatística e Censos da Argentina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Logo.

O Instituto Nacional de Estadística y Censos de Argentina (INDEC) é um organismo público argentino, de caráter técnico, que unifica a orientação e exerce a direção superior de todas as atividades estatísticas oficiais que se realizam em todo o territorio da República Argentina. Sua criação e funcionamento estão regulamentadas pela Lei 17.622 e pelo Decreto 3110/70, assim como o Decreto 1831/93. Atualmente está ligado ao Ministério de Economia e Finanças Públicas.

A lei lhe confere a responsabilidade direta e o desempenho metodológico, organização e direção dos operativos nacionais de reavaliamento através de censos e enquetes, a elaboração dos indicadores básicos de ordem social e econômico e a produção de outras estatísticas básicas.

O INDEC também tem a responsabilidade de coordenar o Sistema Estatístico Nacional (SEN), sob o princípio de centralização normativa e descentralização executiva. Isto significa que o INDEC é responsável pelo desenvolvimento metodológico e normalizado para a produção de estatísticas oficiais, assegurando a comparabilidada da informação originada em distintas fontes.

O Sistema Estatístico Nacional é constituído pelos serviços estatísticos dos organismos nacionais, provinciais e municipais.

Em cada província argentina existe uma Direção de Estatística (DPE) dependente do governo provincial. Estas direções coordenam os sistemas estatísticos provinciais, e intervêm na captura, ingresso e processamento de informações de nível provincial. Estas são consolidadas pelo INDEC e por outros serviços nacionais para a obtenção de informação a nível nacional.

A produção de informações estatísticas se realiza através de distintos métodos de captação de dados (censos, enquetes, registros administrativos, etc.), que permitam a elaboração de indicadores em relação a diferentes áreas temáticas.

Quem trabalha no INDEC[editar | editar código-fonte]

No ano de 2004 um censo interno apresentou os seguintes resultados:

  • O INDEC é integrado por 1065 agentes, dos quais 965 realizam tarefas de caráter técnico. Os demais realizam tarefas administrativas, contábeis, legais e outros serviços.
  • Havia 369 agentes com títulos universitários, muitos deles com pós-graduação. Os profissionais se distribuíam do seguinte modo, segundo a área de formação:
    • Ciências Sociais: 119
    • Ciências Econômicas: 57
    • Informáticos: 52
    • Estatísticos e Matemáticos: 29
    • Geógrafos: 7
    • Outros: 105

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Desde a sua criação, 17.622 lei original 1968, dependia forma alternativa de várias instâncias do Poder Executivo, preservando a independência da produção de estatísticas. Essa lei deu-lhe dois objectivos fundamentais:

Para exercer o topo de todas as estatísticas oficiais. Estrutura e liderar o Sistema Estatístico Nacional.

Metodologia[editar | editar código-fonte]

Para o estabelecimento de suas estatísticas trabalha com a colaboração de 23 províncias e 16 universidades que aceites e integradas no seu projeto e colaborar na coleta de dados [1] Em outubro de 2013 a coleta de dados é realizada com 500 entrevistados, mais de 200.000 preços mensais em mais de 100 locais em todas as províncias.[2] [3] As suas atividades compreendem o recenseamento da população, das atividades produtivas e dos serviços e de pesquisas por amostragem de famílias (consumo, trabalho, aspectos da vida cotidiana, saúde, segurança, lazer, uso do tempo etc.).

História do organismo[editar | editar código-fonte]

Foi foi fundada em 1968. sua criação e funcionamento são regulados por lei 17,6221 (25 de janeiro de 1968) e os decretos 3110/702 (30 de dezembro de 1970) e 1831/933 (1 de Setembro, 1993).[4] Em 2001, questões relacionadas com a deficiência, ascendência ou pessoas pretenencia indígena para equipamentos domésticos e tecnologia foram incluídos no censo realizado pelo instituto. Marcas de leitura automática foram incorporados. O censo da população em novembro de 2001 totalizou 36.260.130 habitantes.

Em outubro de 2006, o secretário de Comércio Guillermo Moreno pediu Graciela Bevacqua, chefe do Índice de Preços ao Consumidor Administration IPC , os nomes das lojas pesquisadas para o cálculo do índice de preços para monitorar se os dados são tomados corretamente. O gerente se recusou a fazê-lo, foi substituída pela Mario José Krieger[5] [6] O chefe de gabinete Sergio Massa chamado para a remoção do Guillermo Moreno e saneamento do organismo.[7]

O diretora do instituto atual é Ana María Edwin nomeada, em julho de 2008.[8] [9] Em 10 de junho de 2011 parte do edifício pegou fogo. Os dados podem ser recuperados através do sistema informatizado de informação criado em 2010.[10]

Acordos de trabalho conjunto[editar | editar código-fonte]

  • Universidade "La Sapienza" de Roma.[11]
  • Universidade de Bolonha
  • Instituto Nacional de Estatísticas da China[12]
  • Universidade Nacional do Sul (Argentina)[13]
  • Universidade Nacional La Matanza[14]
  • Instituto de Estatística da Itália (Istat).[15]

Censos[editar | editar código-fonte]

Os resultados do censo de 1991 resultou numa população nacional 32.615.528.57[16]

Os resultados do censo de 2001, resultou em uma população nacional 36.260.130.58[17]

Os resultados do censo de 2010, resultou em uma população nacional de 40.091.359[18] Foi o primeiro censo na Argentina, onde foram incluídos os casais homossexuais, e os descendentes indígenas e afro .

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]