Instituto São José

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{spam}}, regra n° 6 da eliminação rápida.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

O Instituto São José tem por finalidade a assistência social por meio da educação, da cultua e da assistência social, como instrumento de defesa, proteção e promoção da infância, da adolescência, da juventude e de adultos em sintonia coma Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Com a missão de desenvolver ações educativas a partir de uma ótica cristã, social e humanitária, tendo como pressuposto a inclusão das classes populares. Sendo este seu escopo, a Entidade vem atendendo desde a sua fundação, crianças, adolescentes, jovens e famílias em situação de pobreza e vulnerabilidade social.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Pertence a uma rede de colégios coordenados pelas Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) - mais conhecidas como Salesianas de D. Bosco - espalhados pelos cinco continentes. Faz parte da grande Família de Educadores Salesianos - cerca de 16.000 Irmãs espalhadas pelo mundo, das quais, aproximadamente 1.500, atuando no Brasil - que, juntamente com os leigos engajados em suas obras, dedicam a própria vida ao serviço de educação. A Congregação Salesiana foi fundada em 1872, na Itália, por São João Bosco e Santa Maria Mazzarello. A presença das Filhas de Maria Auxiliadora no Brasil data de 1892, quando doze irmãs vindas do Uruguai, chegam a Guaratinguetá, a convite de Monsenhor João Filippo. Assim teve início assim o Colégio Nossa Senhora do Carmo e a obra das F. M. A. (Filhas de Maria Auxiliadora) do Brasil.

Em 23 de março de 1923, chegaram a São José dos Campos, as irmãs Salesianas, Assunta Surblaid e Rosalina Frazão para tratamento de saúde.

Em 22 de junho de 1923, as irmãs receberam a visita do reverendo Sr. Vigário e discutiram sobre a fundação de um externato e de um Oratório Festivo.

No dia 22 de outubro de 1923, a então Superiora Provincial Madre Anna Cavi, veio de São Paulo para assinar a escritura do terreno, oferecido pela Câmara Municipal. No dia 25 de dezembro do mesmo ano foi colocada a pedra fundamental do novo edifício, construído na atual Av. Nelson D’Ávila esquina com Dolzani Ricardo.

As dificuldades foram muitas, mas irmã Rosalina em 08 de março de 1926 iniciou oficialmente o Externato São José, na atual Av. Nelson D’Ávila, esquina com Dolzani Ricardo. Isto tornou-se possível também com o apoio incondicional do prefeito Cel. João Cursino, da Câmara Municipal de Sr. Vigário e das famílias Joseenses.

Os primeiros 77 alunos do Jardim da Infância e do Curso Primário se multiplicaram e já não era mais possível continuar todos no mesmo prédio, acrescidos que foram com as alunas do Ginásio aberto em 1956. No dia 22 de março de 1962 o Curso Primário passou para o prédio vizinho, o “Jardim da Auxiliadora”, que passou a ser conhecido como classes do Ensino Fundamental de 1ª até a 8ª série.

A cidade crescia impelida pela industrialização e o Instituto São José acompanhou estes avanços. Para melhor atender sua clientela no dia 1º de outubro de 1966 a instituição trocou suas antigas instalações para o atual edifício, no Jardim Esplanada, em ampla área, onde pode expandir-se em benefício da comunidade Joseense.

No Jardim Esplanada, ergueu-se um prédio amplo, de linhas modernas que diariamente abrigava com alegria e amor uns quatrocentos alunos. É o “Instituto São José” que, no desejo de ir ao encontro das necessidades locais, procura aplicar os melhores métodos de educação moderna, dando a São José dos Campos uma juventude capaz de enfrentar com saber e coragem as situações do mundo atual.

Dispunha de vinte salas de aula, auditório, extensa área livre, mantém os seguintes cursos: 4ª série primária em continuidade ao Curso Primário do “Jardim Auxiliadora”; Curso Ginasial (matérias integradas); Curso Colegial com seguintes áreas: Educação: (Português, Literatura Infantil, Matemática, Estudos Sociais, Educação Moral e Cívica, Ciências Físicas e Biológicas, Filosofia, Psicologia aplicada à Educação, Pedagogia, História da Educação e Educação Brasileira, Educação Física-Artística e Religiosa.) Letras: (Português, Matemática, Educação Moral e Cívica, Estudos Sociais, Ciências Físicas e Biológicas, Literatura Luso Brasileira, Cultura Contemporânea, Inglês, Francês ou Italiano, Filosofia, Psicologia, Pedagogia, Educação Física, Artística e Religiosa.) Ciências Humanas: (Português, Matemática, Educação Moral e Cívica, Estudos Sociais, Ciências Físicas e Biológicas, Literatura Luso Brasileira, Filosofia, Psicologia, Inglês, Antropologia, Educação Física-Artística e Religiosa.) Tendo em vista a educação integral de suas alunas, o Instituto São José não só se preocupava com a formação intelectual, mas se esforçava por lhes dar uma Formação Religiosa através do ambiente, das aulas de Educação Religiosa, dos Encontros de Juventude e do acompanhamento individual.

O esporte tão necessário ao desenvolvimento físico não é descuidado. As competições no próprio colégio, a participação nos movimentos esportivos foi sempre incentivada.

Em 1968 foi criado o então Curso Normal para a formação de Professoras Primárias. Em seguida foram abertos o Auxiliar de Patologia Clínica e o Auxiliar Técnico de Eletrônica.

Em 1969 as alunas foram campeãs de tênis e pingue-pongue no SESI. Em 1970, foram classificadas no “Atletismo” e no “Vôlei”. Em 1967, venceram o campeonato de vôlei do DEFE.

Em 1973 o Instituto São José abre suas portas para os meninos e somente em 1977 traz para as novas instalações o curso primário que ainda funcionava no centro da cidade (o Auxiliadora) que agora recebe carinhosamente o nome de Zezinho. O Instituto São José passa a ser chamado pela sua comunidade escolar de Zezão (5ª ao Ensino Médio) e Zezinho (do Infantil à 4ª série).

Porém, o Instituto não parou de crescer e em 1983 inaugurou o salão Madre Mazzarello, espaço para representações teatrais e festas da comunidade escolar. Em 1988 foi inaugurado o ginásio coberto e concluídas as quadras de esportes contanto hoje com 8 quadras para a prática esportiva e aulas de educação física.

Em 1.992 começa a funcionar oficialmente a Casa Laura Vicuña, entidade assistencial do Instituto São José, situada na Praça do Sapo, com finalidade de prestar apoio sócio-educativo em meio aberto às crianças e adolescentes de 7 a 12 anos residentes na região central e bairros periféricos da cidade de São José dos Campos.

A Família Salesiana sempre teve tradição e ligação muito forte com o teatro, pois seu fundador, D. Bosco, educava os meninos de rua de sua época também através do teatro. O espaço do salão Madre Mazzarello ficou pequeno para o pleno desenvolvimento das atividades artísticas e para melhor atender seus alunos e festividades foi inaugurado em 1998 o Espaço Cultural D.Bosco que abriga um teatro e salas para Educação Artística. Sem dúvida o teatro foi um grande marco na história do Instituto São José e para a sociedade Joseense que passaram a contar com mais um espaço de cultural na cidade. O teatro do Espaço Cultural D. Bosco está equipado com os mais modernos e sofisticados equipamentos de som, iluminação, vídeo projetor e ar condicionado com sistema de expansão direta no auditório, camarins e foyer. Seu palco com 14,50 m de comprimento e 6,00 m de largura, tem piso assoalhado com frejó, cortina nobre com movimentação eletro-automática e comando à distância. Possui recursos para apresentações de peças teatrais, concertos, conferências, espetáculos de danças, etc. A platéia, com 137,70 m2, 477 lugares, poltronas estofadas, revestida com carpete e tabuado de ipê, oferece conforto, excelente acústica e visibilidade do palco.

Em 1999 houve a inauguração do novo prédio, erguido sobre o Salão Madre Mazzarello, com laboratórios de física, química e biologia, laboratório de informática e sala multimídia.

Em 2004, outro grande marco na história do Instituto São José, foi a implantação da Rede Salesiana de Escolas (integração das escolas salesianas do Brasil: as dirigidas pelos padres Salesianos e pelas Irmãs Salesinas (FMA). Numa proposta ousada diante de um mundo globalizado, a Rede já nasceu grande, com mais de 90 mil alunos e 4 mil educadores. Conectadas estão 10 grandes Universidades oferecendo mais de 100 cursos e uma extensa gama de obras sociais, atingindo cerca de 250 mil crianças e jovens.

Caminhando em sua proposta educacional e social em 2005, inaugura a Unidade Assistência em Educação Formal e Não formal (ensino fundamental de 1ª a 4ª série) à rua Siqueira Campos, para atender somente crianças carentes.

Uma premícia de D. Bosco: “Estejam nos tempos e lugares”, sempre norteou a comunidade salesiana que busca sempre estar atenta às transformações dos contextos sociais, culturais, e informacionais pelos quais passa a sociedade na sua evolução temporal.

Princípios filosóficos da escola[editar | editar código-fonte]

O Instituto São José é vocacionado a uma missão educativa, comprometida com os princípios cristãos, configurados nas opções e estilo do Sistema Educativo de Dom Bosco e Madre Mazzarello.

Razão, Religião e Afetividade (Amorevolezza) são três pilares que fundamentam nosso Sistema Educativo e possibilitam ao jovem construir seu projeto de vida.

  • Razão: Como sentido de criar e garantir a autonomia intelectual do aluno que assume as “razões” de tudo aquilo que estuda e vivência, inclusive de seus limites.
  • Religião: Como abertura à transcendência (sentido radical da existência) e prática dos valores evangélicos como atitude dialogal e ecumênica.
  • Afetividade: Como clima educativo de confiança, compreensão, alegria e amor que favoreça o relacionamento educador-educando e estimule o crescimento pessoal, sem dependência ou direcionismo.
  • - Página do Instituto São José na Internet