Instituto da Memória Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Instituto da Memória Nacional
Instytut Pamięci Narodowej
Logo da IPN
Lema "Nossa história cria nossa identidade."
Fundação 18 de dezembro de 1998
Tipo INGO
Propósito educacional
Sede Varsóvia
Línguas oficiais língua polaca
Presidente Łukasz Kamiński
Sítio oficial http://www.ipn.gov.pl/

Instituto da Memória Nacional — Comissão para o julgamento de crimes contra a Nação polonesa (polonês: Instytut Pamięci Narodowej — Komisja Ścigania Zbrodni przeciwko Narodowi Polskiemu; IPN) é um instituto de pesquisa afiliado ao governo polonês com prerrogativas e poderes de promotoria de justiça para crimes de guerra, fundada por legislação específica. Ela é especializada em ciência legal e histórica, mais particularmente sobre a história recente da Polônia. O IPN investiga tanto os crimes nazistas quanto os soviéticos cometidos entre 1939 e 1989, documenta suas descobertas e distribui o resultado de suas investigações ao público.[1]

O Instituto foi fundado pelo Parlamento polonês em 18 de dezembro de 1998 e iniciou suas atividades em 1 de julho de 2000.[2] Seu diretor geral é escolhido pelo Parlamento por maioria de 60% com aprovação posterior do senado polonês. O atual mandatário é Łukasz Kamiński, eleito depois da morte do historiador Janusz Kurtyka, no acidente do Tupolev da Força Aérea Polonesa, em 2010, que matou o presidente Lech Kaczyński e as mais de 90 pessoas a bordo.[3]

Propósito[editar | editar código-fonte]

As principais áreas de atividade e a missão do IPN incluem:

  • Pesquisa e documentação de:
    • Perdas sofridas pela nação polonesa durante e depois da II Guerra Mundial[2]
    • Resistência tradicional patriótica contra a ocupação[2]
    • Esforços de cidadãos poloneses em lutar por um Estado polonês independente, em defesa da liberdade e da dignidade humana.[2]
    • Crimes cometidos contra cidadãos poloneses e contra poloneses de outras cidadanias[1]
    • Dever de julgar crimes contra a humanidade, paz e crimes de guerra[2]
    • A necessidade de compensar os danos que foram sofridas pelo povo reprimido e prejudicado nos momentos em que os direitos humanos foram desobedecido pelo Estado
    • Educação do povo sobre a recente história da Polônia[1]

Referências