Instituto de Educação do Amazonas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde setembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.

O Instituto de Educação do Amazonas é uma das escolas públicas mais famosas de Manaus.

Nasceu da necessidade de se ter na então Manaós uma Escola Tradicional que formasse professores para o exercício do magistério.


História[editar | editar código-fonte]

Em 04 de novembro de 1880, é assinada a Lei 506, na então Província do Amazonas que a instituiu com o nome Escola Normal.

Tendo sido fundada em 06 de março de 1882, a Escola Normal teve uma vitoriosa história. Sua primeira sede estava situada na atual Praça Dom Pedro II, foi alugada por cem contos de réis. Na ocasião era presidente da Província o Dr. Alarico José Furtado, que designou o Dr. Ephifânio José Pedrosa como diretor da escola.

Iniciava assim, a Escola Normal, a sua caminhada exímia de formação de professores.

Oito meses após sua inauguração, no dia 03 de novembro de 1882, o Ministro dos Negócios do Império, reformulou alguns vínculos de Estabelecimentos de Ensino, o que obrigou a Escola Normal atrelar-se ao Lyceu Provincial. Assim o Lyceu passou a funcionar no prédio da Escola.

A modificação da administração provincial sempre carreou alteração no quadro administrativo. De 1884 à 1886 a Escola Normal passou a funcionar no Asilo Orfanológico Elisa Souto, desligando-se do Lyceu Provincial que havia retomado sua autonomia administrativa e educacional.

Alguns anos depois o Sistema de Ensino da Federação, animado pelo regime republicano e as inovações destes momentos políticos, impôs aos Estados uma nova alteração no ensino. Em 1890 o Lyceu foi extinto, a Escola Normal virou Instituto Normal Superior e voltou a funcionar no agora Ginásio Amazonense Dom Pedro II.

Em 1911 o Instituto Normal Superior era dirigido pelo professor Benjamim Ferreira Vale, os números de alunos cresceram e a Escola passou a utilizar os salões em que funcionava o Congresso Amazonense e mais uma vez separou do Ginásio. A situação da sede era desejável.

Em 1933 o Capitão Nelson Mello mudou a sede, após inúmeras reformas, para o atual Centro Cultural Palacete Provincial, que ali se instalou já em 1933, no pavimento superior, com 8 salas de aula, no salão para solenidades e nas salas especiais para Desenho e Trabalhos Manuais e Economia Doméstica.

Marcado por sensíveis mudanças principalmente pela inauguração da sede, o ensino normal viu-se envolvido em uma dinamização intensa no ano de 1940.

Erguida sobre os escombros da “orgia” arquitetônica que os altos recursos propiciados pela borracha, o antigo e tradicional Instituto Normal Superior por fim receberia suas instalações definitivas.

Em 1944, na administração de Álvaro Maia, instalou-se no majestoso prédio, no entorno da Praça Antônio Bittencourt. Este imóvel é resultado do grande projeto de Domenico de Angeles, para abrigar o Palácio do Governo, que ali instalou em 1945 a 1973 obrigando o Instituto de Educação a voltar para o Ginásio Amazonense Dom Pedro II.

Denominação atual[editar | editar código-fonte]

A denominação Instituto de Educação do Amazonas, data de 03 de outubro de 1965, no governo de Arthur César Reis.

Informações[editar | editar código-fonte]

1880 – 1980 - 1º Centenário de fundação do IEA.

Em 2002 formou-se a última turma do Normalista do IEA, pois o MEC instituiu o curso Normal Superior para o Exercício do Magistério, dessa forma passa trabalhar somente com Ensino Médio.

A partir do ano 2009, o Instituto de Educação do Amazonas passou a ser escola de tempo integral e formou seus primeiros alunos de nível técnico em parceria com o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas – CETAM. Em 2012 alunos do Saldanha Marinho do Ensino fundamental, do sexto ao sétimo ano - pois nao haveria vaga ainda para nonos anos- foram transferidos para o IEA, pois o Saldanha seria tombado. Atualmente o IEA possui alunos de sexto ano do fundamental até o terceiro ano do ensino médio.

Hoje a escola possui aproximadamente 1500 alunos, aprox. 30 professores, 28 funcionários administrativos, 9 coordenadores pedagógicos, uma diretora.

Localiza-se no Centro da cidade de Manaus, Rua Ramos Ferreira S/N.