Instrumento musical

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Pormenor da ponte de um violoncelo.

Um instrumento musical é um objecto, ou objeto, construído com o propósito de produzir música. Os vários tipos de instrumentos podem ser classificados de diversas formas, sendo uma das mais comuns, a divisão de acordo com a forma pela qual o som é produzido. O estudo dos instrumentos musicais designa-se por organologia.

A data e a origem do primeiro aparelho considerado como instrumento musical é objecto de debates. Arqueologistas tendem a debater o assunto referindo a validade de várias evidências como artefactos e trabalhos culturais.

Instrumentista é aquele músico que toca algum instrumento. Observação: Pode soar estranho mas, na verdade, nem todo músico é um instrumentista (também chamado de concertista, na música erudita). Alguns músicos seguem uma carreira sem tocar instrumento algum, como a de: Bibliotecário; Terapia Musical; Engenheiro de Som; Produtor Musical; Historiador; Educação Musical; Direito Musical; Jornalismo em Música; Empresário Musical; Disc ou Video Jockey; Diretor de Programação; Designer de Software ou Hardware de Música; Musicologia; Musicografia; até mesmo o Compositor pode saber tudo sobre os instrumentos, mas não tocar nada; Estes não são intérpretes, mas os maiores estudiosos acadêmicos do campo de Música, noutras especializações.

Características dos instrumentos musicais[editar | editar código-fonte]

Instumentos musicais utilizados na criação de música rock. À esquerda a bateria e à direita, a guitarra eléctrica.

Em princípio, qualquer objeto pode ser usado para produzir sons e utilizado na música, mas costuma-se utilizar este termo para designar objetos feitos especificamente com este objetivo. Isso se deve ao fato de que, em um instrumento musical, é possível controlar com mais precisão as características do som produzido. Em geral considera-se um som como musical quando podemos controlar uma ou mais de suas características: timbre, altura (grave, médio e agudo), duração (do som e/ou do silêncio) e intensidade.

Componentes[editar | editar código-fonte]

É impossível generalizar a construção e o funcionamento dos instrumentos musicais porque existe uma variedade muito grande, mas de maneira geral, qualquer instrumento possui ao menos uma das partes descritas a seguir:

Elemento produtor de som[editar | editar código-fonte]

Também chamado de corpo sonoro ou corpo produtor de som . É a parte do instrumento musical que efetivamente entra em vibração em resposta a um estímulo do executante, produzindo uma onda sonora. Por exemplo, as cordas, palhetas, membranas, tubos ou o próprio corpo do instrumento. Em alguns instrumentos de sopro, ou aerófonos, é o próprio ar que entra em vibração ao passar por uma aresta, como em uma flauta.

Corpo[editar | editar código-fonte]

Parte do instrumento destinada a dar suporte mecânico às outras partes do instrumento. Por exemplo, o cabo de um sino de mão. Em muitos casos, o corpo também tem função na produção ou controle do som, como o corpo de um violino que também serve para tensionar as cordas, permitir que o instrumentista controle a altura das notas e também como caixa de ressonância.

Caixa de ressonância[editar | editar código-fonte]

Um violino e uma Viola (da família de cordas friccionadas por um arco).

Câmara cheia de ar, com formatos variados que serve principalmente para reforçar a intensidade sonora. O formato da câmara de ressonância permite reforçar apenas determinadas freqüências, atenuando outras. Isso possibilita um controle mais preciso do timbre do instrumento. Na maioria dos casos a caixa de ressonância faz parte do corpo do instrumento, como em um piano, um violão ou um tambor. Em outros casos está incorporado ao próprio elemento produtor de som, como em um agogô.

Elementos de estímulo e controle[editar | editar código-fonte]

Envolve uma grande variedade de objetos ou mecanismos destinados a produzir os estímulos ao elemento produtor de som fazendo com que ele entre em vibração ou controlar a forma como os sons são produzidos, afinados ou modificados. Entre outros, temos arcos, trastes, plectros, baquetas, martelos, bocais, foles, teclados, palhetas, válvulas, chaves ou pedais.

Acessórios[editar | editar código-fonte]

Alguns instrumentos permitem o uso de acessórios para provocar alterações na forma de execução ou em alguma das características do som produzido. Entre os acessórios podemos citar:

  • abafadores para diminuir a intensidade sonora, normalmente usados para estudo.
  • surdinas para abafar e modificar o som produzido.
  • caixas de ressonância alternativas ou meios eletrônicos de amplificação.
  • suportes ou alças para facilitar a execução em posições não convencionais.

Tessitura e registro[editar | editar código-fonte]

A tessitura de uma voz ou instrumento musical é a extensão de notas em que um instrumento pode tocar. Por padronização identifica-se a tessitura através do nome e da oitava da nota mais grave e da mais aguda que um instrumento pode executar. Por exemplo, a extensão útil de um saxofone alto vai de Reb2 (Ré bemol da segunda oitava) até La4 (Lá da quarta oitava). A tessitura do piano vai do La0 até o Do8[1] .

Chamam-se registros as três regiões em que a tessitura de um instrumento ou voz pode ser dividida. Divide-se em registro grave, médio e agudo. Cada registro tem características próprias. Em alguns casos o timbre é muito diferente de região para região. Em alguns instrumentos nem é possível executar todas as notas de uma escala em determinadas regiões. Além disso, certos efeitos sonoros que alguns instrumentos permitem só podem ser executados em um dos registros instrumentais.

O conhecimento da tessitura e do registro instrumental são fundamentais para a perfeita execução do instrumento e para a composição musical. De outra forma, um compositor poderia escrever uma melodia para um determinado instrumento com notas que ele não fosse capaz de executar.

O conceito de tessitura só faz sentido para instrumentos que permitem variação de altura, mas o registro pode indicar a região de alturas predominante mesmo em instrumentos de altura indefinida.

Altura determinada[editar | editar código-fonte]

Quando as notas do instrumento podem ser afinadas de acordo com escalas definidas, estes instrumentos são conhecidos como instrumentos de altura definida. Quase todos os instrumentos de cordas e sopros têm altura definida. Alguns instrumentos de percussão, como o xilofone, a celesta e os tímpanos também possuem altura definida.

Para que a altura seja definida, não é necessário que o instrumento possa variar a freqüência das notas durante a execução, mas somente que as notas possam ser afinadas com precisão em relação a outros instrumentos. Há, por exemplo alguns ton-tons que possuem altura definida, mesmo que as suas notas não possam ser alteradas durante a execução.

Altura indeterminada[editar | editar código-fonte]

Quando as notas produzidas pelo instrumento não podem ser precisamente afinadas, diz-se que eles possuem altura indefinida, não definida ou indeterminada. Em geral trata-se de instrumentos não harmônicos, ou seja, possuem uma grande quantidade de parciais não harmônicos em seu timbre, o que torna a afinação difícil ou impossível. A maioria dos instrumentos de altura não definida são instrumentos de percussão, como tambores, pratos, gongos e sinos. Existem alguns instrumentos de cordas e sopros com altura indefinida, como o berimbau e o kazoo.

Por não possuírem altura determinada, estes instrumentos podem ser utilizados em músicas de qualquer tonalidade sem que haja problemas de afinação. Em geral é possível definir o registro dos instrumentos embora não sua altura. Um bumbo, por exemplo, possui registro mais grave que uma caixa, e um tamborim, por sua vez, é mais agudo do que ambos.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Conjunto de músicos a tocar violino, piano e violoncelo num auditório.

Existem muitas formas de classificar os instrumentos musicais, cada uma delas se presta melhor para cada finalidade. Existem classificações que levam em conta os conjuntos instrumentais tais como orquestras. Um exemplo é a classificação dos instrumentos da orquestra sinfônica que divide os instrumentos em cordas, sopros (subdivididos em madeiras e metais) e percussão.

Algumas classificações levam em conta o caráter histórico, cultural ou religioso que os instrumentos exercem em determinada sociedade, como por exemplo as classificações tradicionais da Índia e do Tibete. Outras, como a classificação da Grécia antiga classificavam os instrumentos, por seus aspectos morfológicos, em instrumentos masculinos e femininos. Todas estas classificações têm em comum o fato de classificarem apenas os instrumentos relevantes a cada cultura ou época.

No século XIX, com a necessidade de catalogar e expor instrumentos musicais em uma coleção do museu de instrumentos musicais de Bruxelas, o organologista Victor Mahillon criou um sistema qu dividia os instrumentos, de acordo com a forma de produção sonora, em autofones, membranofones, cordofones e aerofones. Seu sistema foi ampliado por Curt Sachs e Erich von Hornbostel, dando origem ao chamado sistema Hornbostel-Sachs de classificação. Além de mudar o nome da classe autofones para idiofones, eles alteraram a forma de subdivisão de suas classes e introduziram um código decimal semelhante ao código que Melvil Dewey criou para a classificação de livros em bibliotecas.

Frequentemente utiliza-se como critério principal em várias classificações, a forma como o som é produzido. Este é o critério utilizado por Hornbostel-Sachs, Mahillon e vários outros sistemas mais recentes.

Instrumentos[editar | editar código-fonte]

Instrumentos de cordas[editar | editar código-fonte]

A guitarra portuguesa (à esquerda) é um instrumento de cordas.
Moodswinger, 2006, Yuri Landman

Nos cordofones o som é provocado pela vibração de parte do instrumento: as cordas, quando friccionadas, pinçadas ou percutidas. Exemplos:

Instrumentos de percussão[editar | editar código-fonte]

A família tradicionalmente chamada de instrumentos de percussão pode ser dividida, pelo critério da produção sonora, em idiofones percutidos e membranofones percutidos.

Nos idiofones percutidos, é a vibração de todo o instrumento musical que produz o som. Exemplos:

O triângulo (também conhecido como "ferrinhos") é um idiofone.

Nos membranofones percutidos o som é produzido por uma membrana esticada, tal como uma pele, tecido ou membrana de material sintético. Exemplos:

O timbalão, (um dos vários tipos de tambor), é um membranofone.

Instrumentos de sopro[editar | editar código-fonte]

Trompa

Nos aerofones é a circulação do ar que provoca a oscilação de componentes do instrumento musical, produzindo sons. Exemplos:

Instrumentos de teclas[editar | editar código-fonte]

Piano de cauda

Os instrumentos de teclas podem ser classificados como pertencendo a qualquer uma das diversas categorias anteriores, pelo modo como o som é produzido. Mas, pelo modo de tocar, há quem considere os instrumentos de teclas como uma categoria diferente. Exemplos:

Instrumentos musicais eléctricos[editar | editar código-fonte]

Um moderno órgão eletrónico da marca Rodgers.

Categoria introduzida no século XX, para permitir a classificação de instrumentos em que intervém a energia eléctrica.

Acessórios[editar | editar código-fonte]

Plectros de guitarra

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kartomi, Margaret J., On Concepts and Classifications of Musical Instruments - University of Chicago Press (1990) - (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Instrumento musical
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Música Erudita

  1. Range - Musical Terms - What is musical range.