Intervenção na Sibéria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Intervenção na Sibéria
Parte da(o) Intervenção dos Aliados na Guerra Civil Russa e Frente Oriental
The Illustration of The Siberian War, No. 16. The Japanese Army Occupied Vragaeschensk (Blagoveshchensk).jpg
Litografia japonesa que descreve a captura de Blagoveschensk
Data Agosto de 1918 – Julho de 1920; Outubro de 1922 (retirada japonesa)
Local Extremo Oriente Russo e Sibéria Oriental
Desfecho Os Aliados se retiram, e os bolcheviques recuperam a Sibéria.
Combatentes
Potências Aliadas

Império do Japão Império do Japão
Flag of Estados Unidos Estados Unidos
Flag of Reino Unido Reino Unido


França França
Portugal Portugal
Flag of Italy (1861-1946).svg Reino de Itália
Flag of Czechoslovakia.svg Tchecoslováquia
Polónia Polônia
Rússia Movimento Branco


Apoiado pelos aliados:

Flag of the Republic of China 1912-1928.svg República da China (contra Movimento Branco)


Flag of Mongolia (1911-1921).svg Mongolia(1918-1919)(1919-1921 Ocupação chinesa, 1921 Ocupação pelos russos brancos)
Flag of Russian SFSR.svg República Socialista Federativa Soviética Russa
Flag Far Eastern Republic.svg República do Extremo Oriente
Flag of the People's Republic of Mongolia (1921-1924).svg comunistas da Mongólia
Principais líderes
Império do Japão Yui Mitsue
Estados Unidos William S. Graves
Flag of Russian SFSR.svg Semyon Budyonny
Flag of Russian SFSR.svg Mikhail Tukhachevsky
Forças
70,000 Japoneses
7,950 Americanos
2,400 Italianos
1,500 britânicos
4,192 Canadenses[1]
800 Franceses
vários milhares de poloneses
Total:
~ 90,000
(only Allied Force counting)

A Intervenção na Sibéria (シベリア出兵, Shiberia Shuppei) de 1918-1922 foi o envio de tropas pela Tríplice Entente às Províncias Marítimas russas, como parte de um esforço maior por parte das potências ocidentais e do Japão para apoiar as forças russas brancas contra o Exército Vermelho bolchevique durante a Guerra Civil Russa. O Exército Imperial Japonês continuou a ocupar a Sibéria, mesmo depois de outras forças aliadas terem se retirado em 1920.

Origem[editar | editar código-fonte]

Na sequência da Revolução de Outubro na Rússia em 1917, o governo bolchevique assinou a paz em separado com a Alemanha. O colapso da frente russa apresentava um tremendo problema para a Entente, pois não apenas permitiria à Alemanha deslocar tropas e material bélico de sua frente do leste para o oeste, mas também tornou possível para a Alemanha garantir os enormes estoques de fornecimentos que haviam sido acumulados em Murmansk, Arkhangelsk e Vladivostok. Além disso, os 50.000 homens da Legião Checoslovaca, lutando ao lado dos Aliados, estavam presos atrás de linhas inimigas, e tentavam fazer seu caminho através do oriente a Vladivostok ao longo da Ferrovia Transiberiana mantida pelos bolcheviques .

Confrontada com estas preocupações, a Grã-Bretanha e a França decidiram intervir militarmente na Guerra Civil Russa contra o governo bolchevique. Eles tinham três objetivos que esperavam alcançar:

  1. impedir que os estoques de materiais de guerra dos Aliados na Rússia caiam em mãos alemãs ou bolcheviques;
  2. resgatar a Legião Checoslovaca e devolvê-la à frente europeia;
  3. ressuscitar a Frente Oriental, apoiando e instalando no governo os russos brancos.

Severamente sem tropas, os britânicos e os franceses pediram para que os Estados Unidos fornecem tropas, tanto para a Campanha do Norte da Rússia como para a Sibéria. Em julho de 1918, contra o parecer do Departamento de Guerra, o presidente Woodrow Wilson concordou em enviar 5.000 soldados dos EUA como Força Expedicionária da América do Norte na Rússia (também conhecido como a Expedição Urso Polar) e 10 mil soldados dos EUA como Força Expedicionária Americana na Sibéria. No mesmo mês, o Governo de Beiyang da República da China aceitou um convite do movimento branco e enviou 2000 soldados tropas em agosto. Os chineses mais tarde ocuparam a Mongólia Exterior e Tuva e enviaram um batalhão para a Campanha do Norte da Rússia como parte de seus esforços anti-bolcheviques.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • John Albert White, The Siberian Intervention, Greenwood Press, 1970
  • Betty Miller Unterberger, America's Siberian expedition, 1918-1920: a study of national policy, Greenwood Press, 1969
  • James William Morley, The Japanese thrust into Siberia, 1918, Columbia University Press, 1957
  • Paul Martin Andrews, The Siberian intervention: turning point in Canada's relations with Great Britain, SUNY, Plattsburgh, 1974
  • I. T. M. Gow, Military intervention in pre-war Japanese politics: Admiral Katō Kanji and the 'Washington system, Routledge, 2004
  • Robert James Maddox, The unknown war with Russia: Wilson's Siberian intervention, Presidio Press, 1977