Io

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Zeus, em forma de nuvem, abraça Io, de Antonio da Correggio.

Io, na mitologia greco-romana, é uma das paixões de Zeus, cuja história foi contada por Ésquilo, em Prometeu Acorrentado, e também por Ovídio, em Metamorfoses.

Família[editar | editar código-fonte]

Io é uma princesa de Argos. Segundo Pseudo-Apolodoro, ela é filha de Argos[Nota 1] e Ismênia, filha de Asopo; mas Pseudo-Apolodoro também apresenta versões alternativas: segundo Castor, o analista ela era filha de Ínaco e segundo Hesíodo e Acusilau ela era filha de Piren,[1] que aparece no texto de Pseudo-Apolodoro como o irmão que Belerofonte matou e levou a seu exílio.[2]

Segundo Pausânias, Io é filha de Iaso, filho de Triopas, rei de Argos.[3] Triopas era neto de Argos, e este neto de Foroneu.[3]

Sedução[editar | editar código-fonte]

Zeus seduziu Io quando ela era uma sacerdotisa de Hera, e esta a transformou em uma vaca branca, requisitou a vaca para si e colocou Argos Panoptes de guarda.[1]

Sua beleza despertou a paixão de Zeus, que, para cortejá-la, cobriu o mundo com um manto de nuvens escuras, escondendo seus atos da visão de Hera. A estratégia falhou e a deusa, desconfiada, desceu do monte Olimpo para averiguar o que estava acontecendo. Numa vã tentativa de iludir sua esposa ciumenta, o deus transformou sua amante em uma belíssima novilha branca. Intrigada pelo interesse do marido no animal e maravilhada com a beleza do mesmo, Hera exigiu a novilha para si e a pôs sob a guarda do gigante Argos Panoptes. Argos quando dormia mantinha abertos cinqüenta de seus cem olhos.

Zeus encarregou Hermes de roubar a vaca, e, não conseguindo roubar em segredo, Hermes matou Argos; Hera enviou um inseto para infestar Io, que vagou da Grécia até o Egito, onde, à beira do Rio Nilo, retornou à forma de mulher, dando à luz Épafo.[1]

Segundo outra versão, Zeus encarregou Hermes de libertar sua amada. Para tanto, o mensageiro dos deuses, usando a flauta de , pôs para dormir os olhos despertos de Argos, enquanto os outros cinqüenta dormiam um sono natural, e cortou sua cabeça. Hera recolheu os olhos de seu servo e os pôs na cauda do pavão, animal consagrado a ela.

Io estava livre do cativeiro, mas não dos tormentos de Hera. O fantasma de Argos continuava a persegui-la. Para piorar sua situação, a deusa enviou um moscardo para picar a novilha constantemente durante sua fuga.

Io perambulou de Micenas para Eubeia. Atravessou a Ilíria e subiu o monte Hemos, na Trácia. O mar cujas praias percorreu recebeu o nome de Mar Iônio. O Bósforo, que liga o Mar de Mármara ao Mar Negro, cujo significado é Passagem da Vaca, foi batizado assim após Io o ter cruzado a nado. Atravessou a Cítia e ao chegar ao monte Cáucaso, encontrou Prometeu acorrentado em uma rocha. O titã disse que, ao alcançar o Egito, ela seria restaurada a sua forma humana por Zeus e teria um filho. A criança seria a primeira de uma linhagem que culminaria com Hércules, que acabaria por libertar o próprio Prometeu.

Io fatalmente chegou às margens do Nilo. Cansada de tanto sofrimento, implorou a Zeus por um fim. O deus, comovido, foi falar com Hera e ambos restauram Io à sua forma humana.

Seu filho, Épafo[editar | editar código-fonte]

Ela teve um filho, Épafo.[1]

Hera enviou os curetes para sequestrar e matar o bebê, mas, depois que eles haviam levado Épafo, Zeus matou-os.[1] Io foi até a Síria, e descobriu que a esposa do rei de Biblos estava amamentando seu bebê; mãe e filha retornaram ao Egito, onde Io se casou com Telégono, rei do Egito.[1] Io fez uma estátua a Deméter, que os egípcios chamavam de Ísis, e passaram também a chamar Io de Ísis.[1]

Épafo reinou sobre o Egito e se casou com Mênfis, filha do Nilo, e construiu a cidade de Mênfis.[4] Eles tiveram uma filha, Líbia, que teve, com Posidão, dois filhos, Agenor e Belo.[4]

Interpretação do mito[editar | editar código-fonte]

O mito de Io pode ser interpretado como uma alegoria lunar, na qual a fuga da novilha representaria o movimento da Lua e os olhos de Argos, o céu estrelado.

Por vezes o mito de Io se confunde com os da deusa Ísis, Hator e mesmo Ishtar.

Uma pequena lenda paralela diz que as lágrimas da novilha Io caíram sobre as asas de um inseto, marcando-as eternamente e dando origem à bela borboleta Inachis io.

Io é também uma das luas do planeta Júpiter, nomeado assim a partir da contraparte romana de Zeus.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Amantes mortais de Zeus

A origem de flauta de Pã

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. No texto de Pseudo-Apolodoro que antecede a história de Io, há dois personagens de nome Argus: Argos, filho de Zeus e Níobe, e Argos Panoptes, bisneto do anterior

Referências

Árvore genealógica baseada em Pseudo-Apolodoro:

 
 
 
 
 
 
Argos (filho de Níobe),
Argos Panoptes
ou Ínaco
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Zeus
 
 
 
Io
 
 
Nilo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Épafo
 
 
 
 
 
Mênfis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Líbia