Iporã do Oeste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Iporã do Oeste
"Água boa"
Bandeira de Iporã do Oeste
Brasão de Iporã do Oeste
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 1 de Junho
Fundação 1988
Gentílico iporã-oestino[1]
Lema Com empenho, justiça e trabalho,implantaram eternos primores
Prefeito(a) Ilton Pedro Vogt ( PT )
(2013–2016)
Localização
Localização de Iporã do Oeste
Localização de Iporã do Oeste em Santa Catarina
Iporã do Oeste está localizado em: Brasil
Iporã do Oeste
Localização de Iporã do Oeste no Brasil
26° 59' 16" S 53° 32' 06" O26° 59' 16" S 53° 32' 06" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Oeste Catarinense IBGE/2008[2]
Microrregião São Miguel do Oeste IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes Mondaí, Riqueza, São João do Oeste, Tunápolis, Santa Helena, Descanso
Distância até a capital 790 km
Características geográficas
Área 202,369 km² [3]
População 8 413 hab. Censo IBGE/2010[4]
Densidade 41,57 hab./km²
Altitude 557 m
Clima Mesotérmico Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,759 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 117 808,929 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 14 088,61 IBGE/2008[6]
Página oficial

Iporã do Oeste é um município do estado de Santa Catarina, no Brasil. Sua população em 2010 era de 8 413 habitantes.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Iporã" é um termo de origem tupi que significa "rio bonito", através da junção dos termos 'y (rio) e porang (bonito).[7] Uma alusão à boa água encontrada pelos primeiros colonizadores nas matas repletas de araucárias do município[carece de fontes?].

História[editar | editar código-fonte]

O povoamento da região de Iporã do Oeste teve início em 1926. Um ano antes, a localidade, que ainda se chamava Vila Pinhal, recebeu a Coluna Prestes.

Seus primeiros colonizadores foram descendentes de imigrantes alemães e italianos, atraídos pela abundância de araucárias e pela excelente qualidade da água.

Em 13 de novembro de 1953, Pinhal tornou-se distrito de Mondaí e recebeu o nome de Iporã. Com a emancipação político-administrativa, em 1988, um plebiscito decidiu pela adoção do nome atual.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Os habitantes divertem-se nos clubes sociais e a cultura é valorizada nos grupos de dança folclórica, do grupo de patinação Asas da Liberdade, da Associação Coral Iporã do Oeste, das bandinhas e do CTG Herança Pampeana.

Economia[editar | editar código-fonte]

A principal atividade econômica do município é a agropecuária, com destaque para a agricultura familiar. Planta-se fumo, soja, mandioca e frutas cítricas. A criação não é diversificada, apenas cria-se gado de leite, suinos e aves. O setor industrial inclui artefatos de cimento, erva mate, esquadrias, construção civil, farinha de milho e trigo, embutidos, panificação e confeitaria, vestuário, artesanato, móveis, cerâmica; implementos agrícolas e refrigeração.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Iporã do Oeste está localizada a uma altitude de 557 metros acima do nível do mar, na Latitude de 26º98’8”, e na Longitude de 53º53’5” a Oeste de Greenwich. O clima é subtropical, com temperaturas máxima de 28°C, mínima de –4, C e média de 18°C. Freqüentemente ocorrem geadas no município. O solo é do tipo terra roxa estruturada, Citossolo e Cambissolos. O relevo é constituído de planalto de superfícies planas, onduladas e montanhas fortemente dissecadas, de formação basáltica. A vegetação predominante é de mata nativa, embora bastante prejudicada pela devastação, e composta de grápia, cedro, canafístola, angico, rabo-de-bugio, açoita-cavalo, louro, canela, mamica-de-canela e canjerana. Já o reflorestamento é composto de eucalipto e pinus. Existem, ainda, as áreas agricultáveis. A hidrografia é representada por inúmeros lajeados e riachos, todos desembocando no Rio Uruguai.

Festas e atrações[editar | editar código-fonte]

FAIC – Feira Agropecuária, Industrial e Comercial.

Referências

  1. História de Iporã do Oeste no site do IBGE
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 15 de fevereiro de 2014.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  7. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]