Iroko (orixá)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Iroco
Iroko.jpgAmate-tree-guerrero.jpg


Iroko (Milicia sp.) em Ouidah, em Benim  • Gameleira (Ficus insipida) em Juxtlahuaca, em Guerrero, no México

símbolo gameleira (Ficus insipida) . Milicia excelsa
sincretismo Loco . Tempo

Iroco é um orixá do candomblé queto. No Brasil, é associado à árvore conhecida como gameleira (Ficus insipida),[1] enquanto que, na África, é associado à árvore Milicia excelsa.[2] [3] Corresponde ao vodum Loco no candomblé jeje e ao inquice Tempo no candomblé banto.

História[editar | editar código-fonte]

No Brasil, Iroco é considerado um orixá e tratado como tal, principalmente nas casas tradicionais de nação queto. É tido como orixá raro, ou seja, possui poucos filhos. Raramente se vê Iroco manifestado. Para alguns, possui fortes ligações com os orixás chamados Iji, de origem daomeana: Nanã, Obaluaiyê e Oxumarê. Para outros, está estreitamente ligado a Xangô. Iroko também guarda estreita ligação com as ajés, as senhoras do pássaro. Seja num caso ou noutro, o culto a Iroco é cercado de cuidados, mistérios e muitas histórias.

No Brasil, Iroco habita principalmente a gameleira (|Ficus insipida). Na África, sua morada é a árvore iroko (Milicia excelsa), que não existia no Brasil. Atualmente, foi constatada a existência de seis exemplares dessa espécie no Brasil, sendo um no Terreiro do Gantois, em Salvador; um no Ilê Obá Nila, no Rio de Janeiro; um no terreiro Caxuté, em Valença (Bahia); e um na Casa Branca do Engenho Velho, em Salvador.

Para o povo iorubá, Iroko é uma de suas quatro árvores sagradas normalmente cultuadas em todas as regiões que ainda praticam a religião dos orixás. No entanto, originalmente, Iroco não é considerado um orixá que possa ser feito na cabeça de ninguém.

Para os iorubás, a árvore Iroko é a morada de espíritos infantis conhecidos ritualmente como abiku e tais espíritos são liderados por Oluwere. Quando as crianças se veem perseguidas por sonhos ou qualquer tipo de assombração, é normal que se façam oferendas a Oluwere aos pés de Iroko, para afastar o perigo de que os espíritos abiku levem embora as crianças da aldeia. Durante sete dias e sete noites, o ritual é repetido, até que o perigo de mortes infantis seja afastado.

O culto a Iroco é um dos mais populares na terra iorubá e as relações com esta divindade quase sempre se baseiam na troca: um pedido feito, quando atendido, sempre deve ser pago pois não se deve correr o risco de desagradar Iroco, pois ele costuma perseguir aqueles que lhe devem.

Iroco está ligado à longevidade, à durabilidade das coisas e ao passar do tempo pois é árvore que pode viver por mais de 200 anos.

Citações de pesquisadores[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg Ele era considerado o segundo "fetiche" em importância em Ouidah. Cquote2.svg
Bosman, em 1698

Le Hérissé, em 1910, deu indicações mais pertinentes sobre essa devoção. Uma das principais árvores cultuadas era Loko (Milicia excelsa), que, em si, não é uma árvore sagrada, apenas o sendo quando serve de assento a uma divindade. Seu nome no Daomé está sempre ligado ao do vodum que lhe deu este caráter.

Cquote1.svg Existem, entre eles, três divindades principais conhecidas em todo o país. A segunda são árvores (as outras duas são as serpentes e o mar) extraordinariamente altas e que parecem ser a obra-prima da natureza. Contentam-se em fazer-lhes oferendas em caso de doenças e, sobretudo, nas ocasiões em que há febres. Cquote2.svg
Bosman, p. 394
Cquote1.svg Não custa tanto (ver sacrifícios ao mar) tornar favoráveis as árvores, que são as divindades da segunda espécie. Habitualmente, são os doentes que recorrem a elas. Seu poder, como todo homem de bom senso percebe facilmente, é bem pequeno ou, melhor, não é nenhum, mas cura-se a imaginação oferecendo-lhes um sacrifício. Como, frequentemente, a imaginação é a sede da doença, a partir do momento que esta é curada, é inevitável que o doente se sinta melhor. Sacrificam-se, às árvores, apenas pães de milhete, de milho ou arroz; o marabu coloca-os ao pé da árvore para com a qual o doente tem devoção e ali os deixa durante algum tempo. Leva-os embora em seguida, a menos que o doente se entenda com ele para abandonar ali as oferendas, até que os cachorros, aves e porcos a comam. Cquote2.svg
Padre Labat, t.II: 163
Cquote1.svg Suas divindades de segunda ordem são as árvores muito velhas, pelas quais eles têm grande veneração. Cquote2.svg
Guillaume Smith, p.141
Cquote1.svg Grandes árvores, que são árvores fetiches; o povo as reverencia e ninguém ousaria cortá-las sem temer as piores desgraças para o país. Cquote2.svg
Pruneau Pommegorge, p.197
Cquote1.svg O segundo deus (após a serpente) é representado por árvores soberbas, em cuja formação a Mãe Natureza parece ter exprimido sua grande arte. Fazem-lhe orações e oferendas nas épocas de doença e, sobretudo, de febres. As mais reverenciadas são a Hun-tin ou paineira (Ceiba petandra, Bombacaceae), cujas mulheres, a ela dedicadas, igualam em número as mulheres da serpente, e o Loko, o ordálio Edum, árvore venenosa, bem conhecida na costa ocidental africana. Esta última tem poucas Loko-si ou mulheres de Loko, mas, de outro lado, possui seus próprios potes-fetiche, que podem ser adquiridos em qualquer mercado. Cquote2.svg
Richard Burton, t. 4:92
Cquote1.svg A próxima divindade em importância é Atin-bodun, cuja forma terrestre é a de diversas árvores, enquanto sua morada se situa em alguns espécimens curiosos das artes e da cerâmica, como, por exemplo, uma panela vermelha com vários orifícios enterrada no chão e emborcada com o fundo aparecendo em um pequeno degrau de terra aos pés de algum arbusto ou árvore nova que cresce na porta de uma casa. À direita, encontra-se um recipiente em forma de cabaça, com garganta e geralmente pintado de branco na parte exterior. O culto a Atin-bodun consiste na fé em seu poder de prevenção e cura das doenças, sobretudo a febre, e em oferendas de água derramada no pote. Desnecessário dizer que ele é o patrono de todos os médicos. Considera-se que qualquer árvore de grande porte é habitada por essa divindade, mas, para eles, são especialmente sagrados o Hun ou Cincho, e o Lokoou, árvore do veneno. Uma infusão de suas folhas é usado como ordálio para detectar todo crime oculto. Cquote2.svg
Skertchely, p. 467
Cquote1.svg As árvores que são as moradas especiais desses deuses - pois não são todas as árvores dessas duas variedades (Huntin e Loko) que são honradas - são cingidas por uma guirlanda de folhas de palmeira. Uma árvore rodeada por uma guirlanda de folhas de palmeira não pode ser cortada ou maltratada de forma alguma e até mesmo os cinchos e Odum que não são animados por Huntin e Loko não podem ser abatidos sem que certas cerimônias sejam realizadas. Considera-se que pertencem ao deus em algum grau ou estão sob sua proteção. Um negro que deseje cortar uma dessas árvores deve, antes de mais nada, oferecer um sacrifício de frangos e de azeite de dendê. Cquote2.svg
J. B. Ellis, p.49
Cquote1.svg Loko ou Roco - existem tantas lendas sobre Roco quanto sobre os Vodun, sob cujo nome aparece esta árvore: Adanloko, Atanloko, Lokozoun etc. Cquote2.svg
Le Hérissé (p. 114)

Melville J. Herskovits, t.II:108 situa seu estudo particularmente em Abomé e encara Loko sob o estrito ponto de vista dos integrantes do "Panteão do céu", onde, diz ele:

Cquote1.svg Este deus é importante para a compreensão da religião daomeana, na medida em que oferece uma visão das inter-relações dos diversos cultos no Daomé. Entre as divindades do céu, Loko é encarregado de cuidar das árvores que se encontram na terra e suas funções são de tal modo significativas que ele tem, como assistente, seu jovem irmão, Medje.

As árvores têm alma e são associadas aos espíritos denominados Aziza, que, por um lado, dão a magia aos homens, por outro, são associados ao culto dos antepassados.

Que Loko seja o deus das árvores e que as árvores tenham uma alma explica a importância do emprego das folhas na prática medicinal e religiosa no Daomé e estabelece a declaração de um informante, sacerdote: "Se alguém souber o nome e a história de todas as folhas da mata, saberá tudo o que existe para saber a respeito da religião daomeana".

Cquote2.svg

Alexandre Adandê indica que, no bairro de Tenji, em Abomé, Alantan Loko seria o Orísa Oko dos iorubás.

Cquote1.svg Não pude apurar muita coisa sobre os cultos realizados pelos fons aos voduns cujo nome é associado ao de Loko, a não ser o fato de que eles parecem desempenhar um papel secundário, acompanhando um vodum mais importante, ao mesmo título que Legba, Gun ou Dan e dos quais trazem o nome, seguido de Loko. Iroko, até certo ponto, parece estar ligado a Esu Elegba. Cantigas para Esu fazem alusão a Iroko e à sua ação calmante. No entanto, não sei muitas coisas mais. Cquote2.svg
Cquote1.svg A fitolatria africana na Bahia parece ter duplo sentido. A árvore pode ser um verdadeiro fetiche animado ou, ao contrário, mal representa a morada ou altar de um santo. A gameleira-branca (Ficus doliaria), árvore abundante neste Estado, é o tipo da planta deus. Com o nome de Iroco, é objeto de um culto fervoroso. Mais de uma mãe de terreiro exortou-me a jamais permitir que se abatesse uma gameleira em um terreiro de minha propriedade, pois tal sacrilégio foi causa de grandes infortúnios para muita gente. Cquote2.svg
Nina Rodrigues, p.53

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 969.
  2. Pierre Verger, Iroko, Loko, Notas Sobre o Culto aos Orixas e Voduns na Bahia de Todos
  3. Nei Lopes, Diáspora africana, Iroco