Isaac Casaubon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Isaac Casaubon
Casaubon retratado por autor desconhecido (séc. XVII)
Nascimento 18 de fevereiro de 1559
Genebra, Suíça
Morte 01 de julho de 1614 (-29 anos)
Londres, Inglaterra
Ocupação Teólogo, filólogo, helenista

Isaac Casaubon (Genebra, 18 de Fevereiro de 1559 - Londres, 01 de Julio de 1614) foi um erudito protestante e humanista, ativo primeiro na França e mais tarde na Inglaterra. É considerado o mais importante estudioso helenista da sua época.

Vida[editar | editar código-fonte]

Casaubon nasceu em Genebra, filho de pais huguenotes que haviam fugido das perseguições religiosas da França.[1] Foi educado pelo pai até a juventude e entrou para a Academia de Genebra, onde passou a dar aulas de grego. Em 1586 foi à França lecionar na Universidade de Montpellier, e daí partiu a Paris, a convite de seus amigos eruditos.[2] Em 1600 chegou à cidade, onde tomou parte de uma disputa religiosa entre católicos e protestantes sobre a Eucaristia. Nesta disputa, Casaubon apoiou a visão católica, o que lhe valeu o ressentimento protestante.[1] [2] Em Paris trabalhou na Biblioteca Real, mas recusou-se a se converter ao catolicismo.[1]

Em 1610, após o assassinato de Henrique IV de França, seu protetor, Casaubon mudou-se à Inglaterra. Foi bem recebido pelo rei, Jaime I, assim como pelos arcebispos anglicanos, o que o fez converter-se à Igreja Anglicana e trabalhar na Catedral da Cantuária.[1] Trabalhou na refutação do Catolicismo, especialmente contra as ideias de César Barônio e seus Annales eclesiastici, uma história cristã da humanidade escrita desde uma perspectiva antiprotestante.[2] Em 1611 adotou a cidadania inglesa, morrendo em Londres em 1614. Está sepultado na Abadia de Westminster.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Como humanista, Casaubon destacou-se na edição de obras de escritores gregos clássicos.[1] Em 1587, em Genebra, Casaubon publicou uma edição da obra de Estrabão e comentários ao Novo Testamento.[2] Na mesma cidade publicou em 1590 as obras de Aristóteles em grego e latim, seguida em 1592 por uma edição d'Os Caracteres de Teofrasto, o que permitiu um resurgimento do interesse pelo autor.[2]

Em Paris, sua edição mais importante foi a dedicada ao historiador Políbio. Na Inglaterra redatou uma refutação ao cardeal César Barônio, publicando a primeira parte em 1614. Morreu sem terminá-la, mas o tomo editado foi uma importante obra para a teologia da época.[2]

Ocorrências na Literatura[editar | editar código-fonte]

O narrador-personagem do romance O Pêndulo de Foucault, de Umberto Eco, chama-se Casaubon em referência ao erudito.

Referências

  1. a b c d e f Renaissance and Reformation, 1500-1620: a biographical dictionary. Editor Jo Eldridge Carney. Greenwood Publishing Group, 2001. ISBN 0313305749 [1]
  2. a b c d e f Absolutism and the scientific revolution, 1600-1720: a biographical dictionary. Editor Christopher Baker. Greenwood Publishing Group, 2002. ISBN 0313308276 [2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Isaac Casaubon na Renaissance and Reformation, 1500-1620: a biographical dictionary. Editor Jo Eldridge Carney. Greenwood Publishing Group, 2001. ISBN 0313305749 [3]
  • Isaac Casaubon na Absolutism and the scientific revolution, 1600-1720: a biographical dictionary. Editor Christopher Baker. Greenwood Publishing Group, 2002. ISBN 0313308276 [4]