Isaac I Comneno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Isaac I Comneno
Imperador bizantino
GoldHistamenonIsaacIKomnenos1057-1059.jpg
Histameno escifato com efígie de Isaac I Comneno
Governo
Reinado 5/8 de junho de 105722 de novembro de 1059
Consorte Catarina da Bulgária
Antecessor Miguel VI, o Estratiótico 
Sucessor Constantino X Ducas
Dinastia Comneno
Vida
Nascimento 1005
Morte 1061 (56 anos)
Filhos Manuel Comneno
Maria Comnena
Pai Manuel Erótico Comneno

Isaac I Comneno (em grego: Ισαάκιος Α΄ Κομνηνός; transl.: Isaakios I Komnēnos)) foi imperador bizantino entre 1057 e 1059, e o fundador da Dinastia comnena.

Vida[editar | editar código-fonte]

Era filho de Manuel Erótico Comneno, oficial do imperador Basílio II Bulgaróctone, que, no seu leito de morte, encomendou os seus dois filhos Isaac e João ao cuidado do imperador. Basílio cuidou que recebessem uma educação esmerada no mosteiro de Estúdio, e depois colocou-os em postos elevados na administração.

Durante os reinos conturbados dos sete sucessores de Basílio II, Isaac, por sua conduta prudente, granjeou a confiança e a admiração do exército. Entre 1042 e 1057, comandou o exército na Anatólia. Em 1057, revoltou-se na Paflagónia e juntou-se aos nobres da capital numa conspiração contra Miguel VI, o Estratiótico . Depois da queda deste, Isaac foi proclamado imperador, fundando a Dinastia comnena. O patriarca Miguel Cerulário coroou Isaac I imperador a 1 de setembro de 1057, sendo-lhe atribuído o mérito pela aceitação de Isaac como imperador.

Histameno escifato de Isaac. Sua postura marcial, exibindo uma espada, é única entre as moedas bizantinas.

A primeira preocupação do imperador foi recompensar os seus apoiantes aristocratas com nomeações que os afastavam de Constantinopla, e em seguida tentar restabelecer as depauperadas finanças imperiais. Revogou prebendas e concessões atribuídas pelos seus antecessores a cortesões ociosos e, respondendo às acusações de sacrilégio feitas por Miguel Cerulário em um decreto de desterro em 1058, apropriou-se de parte dos rendimentos eclesiásticos. A única expedição militar de Isaac foi contra o rei André I da Hungria e seus aliados pechenegues que ameaçavam a fronteira norte do império em 1059.

Abdicação[editar | editar código-fonte]

Pouco depois da campanha vitoriosa firmou uma paz com a Hungria e regressou a Constantinopla. Lá foi acometido por uma doença e convenceu-se de que esta era mortal. Os cortesões tiraram partido da situação liderados por Miguel Pselo, que influenciou Isaac para que este nomeasse Constantino X Ducas seu sucessor e não o seu irmão João Comneno. Isaac abdicou a 22 de novembro de 1059, contra a vontade do seu irmão e da sua esposa Catarina da Bulgária. Tal como Isaac, tanto Catarina quanto a filha deles, Maria, tomaram votos religiosos.

Embora tenha se recuperado, Isaac Comneno não reassumiu o cargo de imperador, vivendo como um monge no Mosteiro de Estúdio, alternando trabalhos braçais com estudos literários. Os seus Scolia sobre a "Ilíada" e outros trabalhos sobre os poemas homéricos chegaram até aos nossos dias. Morreu em finais de 1060 ou em inícios de 1061. O grande objectivo de Isaac era devolver ao império a organização que já desfrutara no passado e as suas reformas, embora impopulares entre todas as camadas da população, foram mais tarde reconhecidas como importantes para atrasar, pelo menos, a derrocada final do Império Bizantino.

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Casou-se com Catarina da Bulgária (Xene - "estrangeira", depois de ter se tornado freira), filha de João Vladislau do Império Búlgaro. Tiveram pelo menos dois filhos:

  1. Manuel Comneno, que morreu antes de 1059.
  2. Maria Comnena, freira.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (fonte primária) Miguel Pselo, Chronographia.
  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.
Precedido por
Miguel VI, o Estratiótico 
Imperador bizantino
1057 - 1059
Sucedido por
Constantino X Ducas