Isaac Stern

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.

Isaac Stern (em ucraniano: Стерн Ісаак; 21 de julho de 192022 de setembro de 2001) foi um violinista ucraniano. Tornou-se célebre por suas gravações e por suas descobertas de novos talentos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Stern nasceu de uma família judaica em Kremenetz, na Ucrânia. Tinha catorze meses de idade quando sua família se mudou para São Francisco; recebeu suas primeiras aulas de música de sua mãe, antes de se inscrever no Conservatório de Música de São Francisco, em 1928, onde estudou até 1931, antes de passar a ter aulas particulares com Louis Persinger.[1] Retornou ao Conservatório de São Francisco para estudar com Naoum Blinder por cinco anos; posteriormente Stern afirmaria que devia muito a ele.[2] Em sua estreia para o público, em 18 de fevereiro de 1936, com 15 anos de idade, tocou o concerto para violino em si menor de Saint-Saëns, com a Orquestra Sinfônica de São Francisco, sob a regência de Pierre Monteux. Refletindo sua criação cultural, Stern certa vez declarou, memoravelmente, que os intercâmbios culturais entre os Estados Unidos e a União Soviética seriam assuntos simples: "Eles nos mandam os judeus deles de Odessa, e nós mandamos para eles os nossos judeus de Odessa."[3]

Nos círculos musicais, Stern se tornou conhecido tanto pelas suas gravações e pelo apoio que deu a certos músicos iniciantes. Entre suas descobertas estavam os celistas Yo-Yo Ma e Jian Wang, e os violinistas Itzhak Perlman e Pinchas Zukerman. Também teve um papel crucial no resgate do Carnegie Hall, de Nova York, que estava prestes a ser demolido na década de 1960, e posteriormente teve seu principal auditório receber o nome de Stern, em sua homenagem.[4]

Entre suas diversas gravações estão concertos de Brahms, Bach, Beethoven, Mendelssohn, Tchaikovsky e Vivaldi, além de obras de compositores modernos, como Barber, Bartók, Stravinsky, Bernstein e Dutilleux. O concerto de Dutilleux, intitulado L'arbre des songes ['A Árvore dos Sonhos'], foi encomendado a Stern em 1985 pelo próprio compositor. Stern também dublou atores que fingiram tocar violinos em diversos filmes, entre os quais Fiddler on the Roof.

Stern atuou como consultor musical no filme de 1946, Humoresque, sobre uma estrela iniciante do violino e sua patrona, interpretados por John Garfield e Joan Crawford.

Em sua autobiografia, escrita juntamente com Chaim Potok, My First 79 Years, Stern cita Nathan Milstein e Arthur Grumiaux como as principais influências no desenvolvimento de seu estilo pessoal no instrumento.

Stern venceu Grammys por seu trabalho com Eugene Istomin e Leonard Rose, durante um célebre trio de câmara.

Em 1979, oito anos após o presidente americano Richard Nixon fazer a primeira visita oficial de um presidente dos Estados Unidos aquele país, a China ofereceu a Stern e ao pianista David Golub um convite inédito para fazer uma turnê pelo país, tocando com a Sociedade Sinfônica da China Central (atual Orquestra Sinfônica Nacional da China), sob a regência de Li Delun. A visita de ambos foi filmada e resultou no documentário From Mao to Mozart: Isaac Stern in China, vencedor do Oscar.

Em 1987 Stern recebeu o Grammy por Lifetime Achievement, pelos feitos realizados ao longo de sua carreira.

Seu casamento, realizado em novembro de 1948 com a bailarina Nora Kaye, terminou em divórico no ano seguinte. Em 17 de agosto de 1951 Stern se casou com Vera Lindenblit, com quem teve três filhos. Divorciou-se dela em 1994, após 43 anos de casamento; em 23 de janeiro 1997 Stern casou-se pela terceira vez, com Linda Reynolds.

Isaac Stern morreu em Nova York, em 22 de setembro de 2001, de insuficiência cardíaca congestiva, com 81 anos de idade.

Seu violino preferido era o "Ysaye", um Guarneri del Gesù.

Em 1979 foi convidado pela China, para abertura cultural, esta visita ficou registrada num documentário ganhador do Oscar chamado "From Mao to Mozart".

Violinos[editar | editar código-fonte]

O instrumento favorito de Stern foi um Guarneri del Gesù Ysaÿe, um dos violinos confeccionados pelo luthier de Cremona Giuseppe Guarneri del Gesù.[5]

Entre outros instrumentos, Stern tocava num Stradivarius 'Kruse-Vormbaum' (1728), no Bergonzi 'ex-Stern' (1733), no Guarneri del Gesù 'Stern-Alard' (1737), num Michele Angelo Bergonzi (1739–1757), num Guadagnini 'Arma Senkrah' (1750), num Giovanni Guadagnini (1754), numa cópia de J. B. Vuillaume do Guarneri del Gesu "Panette" de 1737 (c. 1850), e no J.B. Vuillaume 'ex-Nicolas I' (1840). Também tinha instrumentos contemporâneos fabricados por Samuel Zygmuntowicz.

Referências

  1. K Robert Schwarz (24 de setembro de 2001). Isaac Stern The Guardian. Visitado em 10-10-2006.
  2. Isaac Stern 1920–2001 The Musical Times.
  3. New York Times
  4. Violinist Isaac Stern dies (em inglês) BBC News (23 de setembro de 2001). Visitado em 21-7-2007.
  5. Jeff Bradley (5 de dezembro de 1999). Stern, Shostakovich, Gedda stories on shelves The Denver Post. Visitado em 21-7-2007.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Stern, Isaac e Potok, Chaim. My First 79 Years. Nova York: Alfred A. Knopf, 1999. ISBN 0679451307

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.