Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Isabel Cristina
Rainha da Prússia
Duquesa de Brunsvique-Volfembutel
Elisabeth Christine (um 1740).jpg
Isabel Cristina
Governo
Consorte Frederico II da Prússia
Vida
Nascimento 8 de Novembro de 1715
Wolfenbüttel, Alemanha
Morte 13 de Janeiro de 1797 (81 anos)
Berlim, Alemanha
Pai Fernando Alberto II de Brunswick-Wolfenbüttel
Mãe Antónia Amália de Brunswick-Wolfenbüttel

Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel (8 de novembro de 1715 - 13 de janeiro de 1797) foi a esposa de Frederico, o Grande e, assim, rainha da Prússia.

Família[editar | editar código-fonte]

Isabel Cristina foi a terceira filha do duque Fernando Alberto II de Brunswick-Wolfenbüttel e da princesa Antónia Amália de Brunswick-Wolfenbüttel. Entre os seus irmãos estavam o duque António Ulrich de Brunswick-Wolfenbüttel, pai do czar Ivan VI da Rússia e a princesa Juliana Maria de Brunswick-Wolfenbüttel, esposa do rei Frederico V da Dinamarca. Os seus avós paternos eram o duque Fernando Alberto I de Brunswick-Wolfenbüttel e a landegrave Cristina de Hesse-Eschwege. Os seus avós maternos eram o príncipe Luís Rudolfo de Brunswick-Wolfenbüttel e a princesa Cristina Luísa de Oettingen-Oettingen.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Em 1733, quando o príncipe-herdeiro Frederico da Prússia não conseguiu fugir do regime tirânico do pai, foi forçado a escolher uma das filhas do duque de Brunsvique-Luneburgo para se casar.[2] A escolha recaiu sobre Isabel Cristina, sobrinha do sacro-imperador Carlos VI. O casamento foi arranjado pela corte austríaca com a esperança de garantir a sua influência sobre a Prússia por outra geração.[2]

Vida na Prússia[editar | editar código-fonte]

Isabel Cristina por Antoine Pesne em 1739.

No dia 12 de junho de 1733, Isabel casou-se com o príncipe herdeiro Frederico da Prússia no palácio de verão do seu pai, Schloss Salzdahlum, mudando-se depois com o seu marido primeiro para Neu-Ruppin e depois para o palácio de Rheinsberg. Diz-se que antes do casamento se encenou uma peça e o melhor flautista dos três que entravam na peça teria como prémio a mão de Isabel. Frederico foi o vencedor.

Devido às circunstâncias que tinham levado ao noivado, todos sabiam que Frederico ressentiu o casamento desde o principio.[2] Frederico ignorava quase completamente Isabel e do casamento não nasceram filhos. Em 1740 o pai de Frederico morreu e este subiu ao trono da Prússia iniciando imediatamente a sua separação da esposa. Isabel passou a viver separada dele, passando a residir no Palácio de Schönhausen a norte de Berlim. Durante toda a sua vida Frederico nunca tinha demonstrado qualquer interesse por mulheres e não tinha qualquer caso amoroso com nenhuma além da sua esposa, já que estas quase não existiam na sua corte espartana onde não tinham qualquer influência.

Frederico nunca visitava a sua esposa nem a convidava a visitá-lo. O casal apenas se encontrava em reuniões de família. Entre 1757-58 e novamente entre 1760-63, durante a Guerra dos Sete Anos, Isabel foi forçada a fugir de casa e a mudar-se para Magdeburg. Quando o seu marido a voltou a ver pela primeira vez em seis anos, em 1763, o seu único comentário foi: "A Madame ficou gorda."

Isabel gostava de literatura e escrevia livros sobre valores morais em francês. Foi ela que introduziu a plantação de seda na Prússia.

Referências

  1. Alison Weir, Britain's Royal Family: A Complete Genealogy (London, U.K.: The Bodley Head, 1999), page 275.
  2. a b c Biskup, p. 304.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Biskup, Thomas. (2004). "The Hidden Queen: Elisabeth Christine of Prussia and Hohenzollern Queenship in the Eighteenth Century" em Queenship in Europe 1660-1815: The Role of the Consort. Clarissa Campbell Orr (ed.). Cambridge University Press. ISBN 0521814227.
  • Hans-Henning Grote (2005) Schloss Wolfenbüttel. Residenz der Herzöge zu Braunschweig und Lüneburg. S. 228. ISBN 3-937664-32-7.
  • Paul Noack: Elisabeth Christine und Friedrich der Große. Ein Frauenleben in Preußen. 2. Auflage. Klett-Cotta, Stuttgart 2002, S. 185, ISBN 3-608-94292-0
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel