Itaberaba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itaberaba
"Portal da Chapada"
Bandeira de Itaberaba
Brasão desconhecido
Bandeira Brasão desconhecido
Hino
Fundação 26 de março de 1877 (137 anos)
Gentílico itaberabense
Prefeito(a) João Almeida Mascarenhas Filho (Partido_Progressista_(Brasil))
(2013–2016)
Localização
Localização de Itaberaba
Localização de Itaberaba na Bahia
Itaberaba está localizado em: Brasil
Itaberaba
Localização de Itaberaba no Brasil
12° 31' 40" S 40° 18' 25" O12° 31' 40" S 40° 18' 25" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro Norte Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Itaberaba IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Boa Vista do Tupim, Ipirá, Iaçu e Ruy Barbosa
Distância até a capital 264 km
Características geográficas
Área 2 343,505 km² [2]
População 65 806 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 28,08 hab./km²
Altitude 265 m
Clima Semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,620 médio PNUD/2010 [4]
Gini 0,58 PNUD/2010[5]
PIB R$ 427 019,636 mil IBGE/2011[6]
PIB per capita R$ 6 905,46 IBGE/2011[6]
Página oficial

Itaberaba é um município do estado da Bahia, no Brasil. Localiza-se na região do Piemonte do Paraguaçu sendo assim o portal de entrada para a Chapada Diamantina. Sua estimativa populacional, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é de 70 000 habitantes em 2014. Fica às margens da BR-242, uma importante rodovia federal que liga a Bahia ao Distrito Federal. É cortada por duas importantes rodovias estaduais, BA-046 e BA-233, todas em excelente estado de conservação e sinalização. Possui diversas indústrias podendo destacar o ramo moveleiro e calçadista e um forte comércio, o que a torna um dos maiores centros regionais do estado.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Recebera este nome porque a vinte e cinco km da cidade ergue-se uma pedra de rara beleza com 220 mts de altura no meio da caatinga e de um imenso tabuleiro. Os índios que ali habitavam falavam o tupi-guarani e chamavam esta pedra de Itaberaçu ou Itaberaba que no seu vocabulário um termo de origem tupi que significa "pedra brilhante", através da junção dos termos itá (pedra) e beraba (brilhante, brilha ou reluz)[7] . Estes primitivos também deixaram escritos desenhos rupestres em um dos blocos de granito da pedra, a qual deu origem ao nome da cidade “ITABERABA”.

História[editar | editar código-fonte]

A região que hoje o município de Itaberaba ocupa já foi habitada pelos índios Maracás, do grupo dos Tapuias do grupo linguístico Quiriri, que antes viviam no litoral de onde foram expulsos pelos Tupinambás e/ou Tabajaras. Eram índios robustos e guerreiros, mas não eram antropófagos, eles dominavam todo o Vale do Paraguaçu, porém vencidos pelos conquistadores a partir de 1673.

Em 1561, dom Vasco Rodrigues adentrou o Rio Paraguaçu em setenta léguas. Mais tarde, passou por ali Gabriel Soares de Sousa. A região, que hoje incorpora o município, integrou a capitania da Bahia de Todos os Santos (1535-1548) e foi cedida através de sesmarias às pessoas abastadas, sendo vendida por seus sucessores, aproximadamente cem anos depois, a aventureiros vindos de vários pontos. Um deles foi o Capitão Manoel Rodrigues Cajado. Esta fazenda fora vendida e já no poder do quarto dono, o Sr. Antônio Figueiredo de Mascarenhas, o qual era muito católico, mandou erguer uma casa de oração (capela) no ano de 1809 para que sua família e vizinhos pudessem fazer suas orações e reverencias a Virgem do Rosário do Orobó. Os anos foram passando e ao redor da capela foram surgindo algumas casas rústicas.

Em 1817, já havia se transformado em um pequeno povoado, conhecido como Rosário do Orobó, o qual fora crescendo graças a fé e devoção do povo a Nossa Senhora do Rosário do Orobó.

Através da Resolução n.º 195 de 18 de maio de 1843 o povoado do Rosário do Orobó, passara a chamar-se Freguesia da Nossa Senhora do Orobó que antes pertencia a Freguesia do Camisão (hoje Ipirá). Nessa época já possuía cerca de vinte e cinco casas em volta da Capela e uma população de umas cem pessoas.

Em 26 de Março de 1877 foi elevada a categoria de vila do Orobó pela resolução nº 1715 de 26 de Março. Em 30 de Junho do mesmo ano foi criada a 1º Câmara Municipal e termo da comarca da Vila de Santa Ana do Camisão. 

Em 1893 Vila do Orobó já possuía umas quatrocentas casas,as quais eram caiadas,algumas eram envidraçadas e bem arrumadas,formando assim nove ruas e três espaçosas praças:a Praça da Matriz, local que funcionava a feira-livre,a Praça Dr.Quintino Ferreira e a praça da Nascente.E três capelas:a capela da Matriz,a do bom Jesus da Lapa,a meio quilômetro do vilarejo e a capela do pequeno cemitério. 

Em 25 de julho de 1897, o Secretario do Interior de Justiça e Instrução Publica por oficio comunicou ao Conselho que pela Lei nº 176 a Vila do Orobó fora elevada a categoria de cidade com a denominação “Itaberaba”. 

Curiosidades 

Castro Alves visitou Itaberaba ficando de 1867 a 70, sendo hóspede do tenente Coronel Franklin de Menezes Fraga e concluiu o livro "A Cachoeira de Paulo Afonso", na Fazenda Santa Isabel, em homenagem à sua eleita Leonídia Fraga. 

Itaberaba teve políticos influentes no cenário estadual e nacional, como Medeiros Neto, que foi candidato a governador do estado e presidente do Senado Federal e Renato Medeiros, que foi secretário estadual de agricultura.   

Geografia[editar | editar código-fonte]

Município de médio porte em relação aos demais municípios do estado. Como citado a cima, não pertence a região da Chapada Diamantina, e sim, localiza-se no seu entorno. Fica localizado na região semiárida, apresentando algumas características dessa região, a exemplo da sua vegetação e clima.

Clima[editar | editar código-fonte]

O município está inserido no domínio morfoclimático do semiárido brasileiro, com temperatura média anual de 29 graus centígrados, sendo os meses de junho, julho e agosto os mais frios.

Economia[editar | editar código-fonte]

Possui um comércio forte, bem como indústrias de calçados, móveis, alimentos e outras. É um dos principais centros regionais da Bahia, abrigando diversos órgãos estaduais e federais, a exemplo da Diretoria Regional de Educação, Diretoria Regional de Saúde, Tribunal Regional do Trabalho, Departamento Estadual de Trânsito, 11º Grupamento de Bombeiros Militares da Bahia, 11º Batalhão de Policia Militar da Bahia, 12ª Coordenadoria Regional de Polícia Civil, Fundação Nacional de Saúde, Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional, Serviço de Atendimento ao Cidadão etc.

A cidade conta com agências bancárias do Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Banco Sicoob e Banco Itaú.

É conhecida como a capital da Chapada Diamantina servindo de portal para essa região baiana. Sazonalmente, são realizadas festas tradicionais, como o já tradicional ''Araiá da Ita'' como é denominado os festejos de São João e a festa dos vaqueiros que atraem milhares de pessoas todo ano, a micareta deixou de ser realizada no ano de 1996.

Crescimento do PIB e novos investimento[editar | editar código-fonte]

Do ano de 2001 ao 2011 a cidade de Itaberaba teve um crescimento de 327%[8] no seu produto interno bruto (PIB), que representa a soma de todos os bens e serviços finais produzidos no município, saindo de R$99 milhões de reais no ano de 2001 para R$427 milhões de reais em 2011[9] o que a colocou entre os maiores crescimento do estado, isso vem atraindo empresas e pessoas de toda a Bahia, além de investimentos dos governos estadual e federal. No ano de 2010 a cidade teve boa parte do centro recebeu pavimentação asfáltica e sinalização vertical e horizontal.

Plano Nacional de Aviação Regional[editar | editar código-fonte]

Boa prova desse novo momento foi a inclusão do aeroporto de Itaberaba[10] no plano nacional de aviação regional do governo federal. Coordenado pela Casa Civil e pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), que visa a melhora na qualidade dos serviços e da infraestrutura aeroportuária brasileira, de modo a ampliar a oferta de transporte, segundo o projeto o aeroporto passará a ter um pátio de 10.857 m2 e um terminal de passageiros de 682 m2, com capacidade de processar até 60 passageiros/hora. Ainda será feito o alargamento, ampliação e nova área de segurança da pista de pousos e decolagens.[11]

O Abacaxi na economia[editar | editar código-fonte]

Itaberaba é o maior produtor de abacaxi[12] da Bahia e quarto do Brasil. A cultura do abacaxi é de importância vital para a região de Itaberaba e tem ajudado a mudar a realidade local, predominantemente de agricultura de subsistência. Com 4.000 hectares de área plantada com produção de mais de 60.000.000 “Sessenta milhões de frutos”, o abacaxi mudou essa situação e emprega, hoje, 6% da população total do município e injeta mais de R$10.000.000,00 por ano na economia local. O abacaxi adaptou-se de forma surpreendente ao ambiente dessa região produzindo frutos de excelente sabor, muito bem aceitos nos mercados. A fruticultura inseriu esses pequenos produtores do semi-árido baiano nos fluxos nacionais de comércio, de forma dinâmica e competitiva. A cultura do abacaxi se consolidou no município de Itaberaba no final da década de 90, graças ao trabalho de produtores e de instituições, entre as quais se destacam a EBDA – Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S.A e a EMBRAPA Mandioca e Fruticultura, de Cruz das Almas (BA). As principais peculiaridades desse pólo em relação a outras áreas de produção de frutas do estado da Bahia, a exemplo do Vale do São Francisco, são os plantios que são feitos exclusivamente por pequenos produtores e o cultivo em região de clima semi-árido, que, apesar da escassez de água, o plantio é feito sem irrigação. O trabalho do Sebrae nesse município, através do projeto da cadeia produtiva da fruticultura, tem como objetivo ajudar a resolver alguns problemas que dificultam o processo produtivo.[13]  

Ações realizadas, com a parceria da EBDA, Embrapa, Adab, prefeitura municipal, Banco do Nordeste e Banco do Brasil, estão o fortalecimento das associações de produtores e a criação da Cooperativa de Produtores de Abacaxi de Itaberaba -COOPAITA, após realização de seminários. O objetivo é estabilizar o preço e facilitar a comercialização do fruto para todo o mercado nacional, evitando assim a ação de atravessadores e beneficiando o pequeno agricultor. O cultivo do abacaxi apresenta condições de expansão de área tanto em Itaberaba como em toda a região. O Sebrae tem apoiado ações conjuntas, como por exemplo, a participação de produtores em missões técnicas, buscando mantê-los informados sobre novas tecnologias. A quase totalidade dos plantios de abacaxi dessa região situa-se no município de Itaberaba. Existem pequenas plantios em Rui Barbosa, Iaçu e Boa Vista do Tupim.

Há ainda três empreendimentos de médio e grande portes dedicados à fruticultura em Itaberaba e municípios vizinhos. São voltados principalmente para a produção irrigada de manga e limão tahiti para exportação. Além dessas frutas, são colhidas, em menor escala, a melancia, a banana, a pinha (fruta-do-conde) e a uva.

Educação[editar | editar código-fonte]

Possui inúmeras escolas regulares, duas universidade públicas, sendo o campus XIII da Universidade do Estado da Bahia, com os cursos de Pedagogia, História, Ciências Contábeis e Letras, além de um polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB) que oferta cursos EaD gratuitamente. Ainda conta com universidades privadas, a exemplo da Universidade Norte do Paraná e a Faculdade de Tecnologias e Ciências com múltiplos cursos, Faculdade de Santa Cruz com cursos múltiplos e cursos de pós-graduação e o Centro de Formação Técnica em Saúde com cursos técnicos em várias áreas.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2013 Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (01 de julho de 2013). Página visitada em 02 de outubro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 31 de julho de 2013.
  5. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2010). Perfil do município de Itaberaba - BA Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Página visitada em 4 de março de 2014.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2007-2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 12 set. 2014.
  7. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. p. 132.
  8. http://ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/2011/default_xls.shtm/
  9. http://ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/2011/default_xls.shtm/
  10. http://www.aviacaocivil.gov.br/assuntos/aviacao-regional/multimidia/090514_apresetacao_aviacao_regional.pdf/view
  11. http://www.bahianoticias.com.br/noticia/157617-aeroporto-regional-de-itaberaba-tem-projeto-de-viabilidade-tecnica.html
  12. http://www4.seagri.ba.gov.br/noticias.asp?qact=view&notid=18632
  13. http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2011/07/colheita-do-abacaxi-movimenta-lavouras-na-bahia.html

{}

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.