Itanhaém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município da Estância Balneária de Itanhaém
"A namorada do Sol"
Vista panorâmica desde o mosteiro

Vista panorâmica desde o mosteiro
Bandeira da Estância Balneária de Itanhaém
Brasão da Estância Balneária de Itanhaém
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 22 de abril
Fundação 22 de abril de 1532 (481 anos)
Gentílico itanhaense
Lema "Curtir a vida é em Itanhaém"
CEP 11740-000
Prefeito(a) Marco Aurélio Gomes dos Santos (eleito em 2012) (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização da Estância Balneária de Itanhaém
Localização da Estância Balneária de Itanhaém em São Paulo
Estância Balneária de Itanhaém está localizado em: Brasil
Estância Balneária de Itanhaém
Localização da Estância Balneária de Itanhaém no Brasil
24° 10' 58" S 46° 47' 20" O24° 10' 58" S 46° 47' 20" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Litoral Sul Paulista IBGE/2008[1]
Microrregião Itanhaém IBGE/2008[1]
Região metropolitana Baixada Santista
Municípios limítrofes Juquitiba, Mongaguá, Pedro de Toledo, Peruíbe, São Paulo e São Vicente.
Distância até a capital 111 km
Características geográficas
Área 599,017 km² [2]
População 87 053 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 145,33 hab./km²
Altitude 5 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,745 alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 710 554,141 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 264,47 IBGE/2008[5]
Página oficial
Igreja de Santana
Biblioteca municipal poeta Paulo Bonfim

Itanhaém é um município da Região Metropolitana da Baixada Santista, no estado de São Paulo, no Brasil. É o segundo município mais antigo do Brasil. A sua população estimada em 2011 era de 88 214 habitantes e a área é de 599,017 km², o que resulta numa densidade demográfica de 147,27 habitantes por quilômetro quadrado.[6]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome do município é uma referência ao Rio Itanhaém, que banha o município[7] . "Itanhaém" é um termo de origem tupi que significa "pedra que canta", através da junção dos termos itá (pedra) e nha'em (canto)[8] .

Estância balneária[editar | editar código-fonte]

Itanhaém é um dos 15 municípios paulistas considerados estâncias balneárias pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por lei estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto ao seu nome o título de "estância balneária", termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

História[editar | editar código-fonte]

O núcleo original da cidade, às margens do rio Itanhaém, teria sido fundada pelos portugueses João Rodrigues Castelhano e Cristóvão Gonçalves, ou por Martim Afonso de Sousa, durante os dois anos em que este permaneceu em São Vicente. Segundo frei Gaspar da Madre de Deus, não havia, ainda, em 1555, nenhuma povoação no terreno onde, depois, foi instalada a vila de Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém. A povoação foi elevada a categoria de vila em abril de 1561 pelo capitão-mor Francisco de Morais. De 1624 até 1679, teve o provimento de cabeça da capitania conferido à Condessa de Vimieiro, tempo em que esta donatária foi afastada da Capitania de São Vicente por erro de demarcação da Capitania de Santo Amaro. Em 1654, foi aí construído o Convento dos Franciscanos.[9]

Turismo[editar | editar código-fonte]

É um dos mais antigos municípios brasileiros, criado em 1532 com o nome de Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém. Foi, durante certo período, a sede da antiga capitania de São Vicente.

A princípio Itanhaém permaneceu até o começo do Século XX como apenas como uma pacata e isolada vila de pescadores e agricultores caiçaras. Itanhaém só se tornou um cidade com viés turístico, atraindo visitantes temporários de outras partes, após a chegada da ferrovia ao local[10] . Foi assim, inclusive, recebendo turistas que chegavam pela ferrovia, em busca das belas e intocadas praias, ilhas e morros, que nasceram e se desenvolveram bairros afastados como o Bairro do Poço, atual Belas Artes[11] e Suarão[12] , todos na primeira metade do Século XX. O turismo existia na então cidade, mas ainda era pequeno por conta da precariedade dos meios de transporte, uma vez que a única opção era a Linha Santos-Juquiá (Sorocabana)[13] . O turismo no município sofreria o salto definitivo com a inauguração da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega em 1961. A partir desse ano, o acesso à cidade ficou muito prático para os turistas que estivessem de carro, vindo de qualquer parte do estado[14] . Ainda em 1961, a Breda Turismo passou a operar uma linha de ônibus ligando a cidade à Grande São Paulo[15] .

Entre os inúmeros atrativos turísticos da cidade podem-se destacar as praias, os rios navegáveis, os passeios de barco rio acima ou em alto-mar, a Mata Atlântica semi-intocada (que valeu à cidade o apelido de "Amazônia Paulista"), as reservas indígenas habitadas, o Centro velho com o Beco de Sant'Anna e a Casa de Câmara e Cadeia,a Igreja Matriz de Sant'Anna, as Ruínas do Convento, a Cama de Anchieta, o Morro do Sapucaitava, o Costão, as Ilhas marítimas da Queimada Pequena e da Queimada Grande, etc[16] .

A Cama de Anchieta é uma formação rochosa que, segundo reza a lenda, por seu desenho plano escavado pela ação do mar e pelo vento, no costão da Praia dos Sonhos, em Itanhaém, tornou-se o local preferido do beato jesuíta José de Anchieta, para descansar e encontrar inspiração para compor versos e poemas em suas andanças pela região. O local atrai milhares de visitantes, chamando a atenção por sua beleza natural e pela deslumbrante vista em direção ao mar, da costa e dos morros que circundam o local.

Para facilitar o acesso, há uma passarela (apesar do caminho também poder ser feito pelas escorregadias pedras da costeira) construída com verba doada pelo governo das Ilhas Canárias, comunidade autônoma da Espanha e pela administração de San Cristóbal de La Laguna, município onde nasceu Anchieta. A obra facilita e permite o acesso até mesmo de pessoas com grandes dificuldades de locomoção.

O equipamento turístico foi escolhidos pelos internautas, em uma pesquisa feita pelo jornal A Tribuna de Santos, como uma das nove maravilhas da Região Metropolitana da Baixada Santista, ao lado de conhecidos atrativos regionais como a orla da praia de Santos e a Ponte Pênsil em São Vicente.[carece de fontes?]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Abriga parte da Área de Relevante Interesse Ecológico Ilhas Queimada Pequena e Queimada Grande, criada em 1985 e administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Seus limites são Juquitiba e São Paulo a norte, Embu-Guaçu a nordeste, São Vicente e Mongaguá a leste, Peruíbe a sudoeste e Pedro de Toledo a oeste. O Oceano Atlântico fica ao sudeste do município.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 87 053

  • Urbana: 86 238
  • Rural: 815
  • Homens: 42 189
  • Mulheres: 40 869

Densidade demográfica (hab./km²): 145,33

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 22,97[17]

Expectativa de vida (anos): 69,65

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,53

Taxa de alfabetização: 91,81%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,779

  • IDH-M Renda: 0,716
  • IDH-M Longevidade: 0,744
  • IDH-M Educação: 0,876

(Fonte: IPEADATA)


Clima[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para Itanhaém
J F M A M J J A S O N D
 
 
243
 
28
20
 
 
281
 
28
19
 
 
217
 
28
18
 
 
173
 
25
16
 
 
134
 
23
14
 
 
104
 
22
12
 
 
84
 
22
12
 
 
94
 
23
13
 
 
125
 
23
14
 
 
154
 
24
15
 
 
147
 
25
16
 
 
147
 
26
17
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Tempo Agora
Uma das típicas rotatórias das praias de Itanhaém num dia de inverno
Commons
O Commons possui multimídias sobre Itanhaém

O clima de Itanhaém é o subtropical úmido, sem meses secos, com verões quentes e invernos brandos, sendo o mês mais quente Janeiro, com uma média de 24°C e o mais frio é julho, com uma média de 17°C.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

O município possui linhas municipais, além do apoio auxiliar de pequenas linhas turísticas.

Há uma Rodoviária Interestadual, ligando a cidade tanto a outros municípios da Região Metropolitana da Baixada Santista, quanto à Capital São Paulo, a Osasco, a São Bernardo do Campo, assim como a cidades do Vale do Ribeira e até dos estados do Paraná e de Santa Catarina, tais como Curitiba, Florianópolis e Joinville.

A cidade possui Ferrovia, mas ela está abandonada e os trens de passageiros não circulam desde a Década de 1990.

A cidade possui ainda um aeroporto estadual,o Aeroporto de Itanhaém, o qual é capacitado pra receber pequenos aviões e helicópteros:

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Eleições[editar | editar código-fonte]

Nas eleições municipais (prefeito e vereadores) que ocorreram em 2004, foram eleitos 10 vereadores. De acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral, naquele ano estavam registrados no município 54 940 eleitores.

Nas eleições de 2012, foi eleito o novo prefeito da cidade, Marco Aurélio Gomes dos Santos, de 35 anos de idade, sendo o prefeito mais jovem a governar o município.

Segurança[editar | editar código-fonte]

De acordo com os dados DATASUS, o número de incidentes em 2002 no município de Itanhaém foram:

  • Número total de homicídios: 36 (Todas as vítimas eram do sexo masculino / Vítimas com idade entre 15 e 29 anos: 24)
  • Número total de suicídios: 3 (2 homens e 1 mulher com idade superior a 29 anos)
  • Número de vítimas de acidentes de trânsito: 25 (Vítimas com idade entre 15 e 29 anos: 8)

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

O município pertence à Área Pastoral da Diocese de Santos.

O município teve grande influência da Igreja Católica Apostólica Romana, desde sua origem em 1532, quando da fundação do povoado, quando recebeu o título de "Conceição de Itanhaém", devido à verdadeira data de fundação, 8 de dezembro, dia dedicado a Nossa Senhora da Conceição[carece de fontes?].

No mesmo ano, deu-se início, pelos jesuítas, à construção de uma ermida, no alto do Morro Itaguassú, dedicada à padroeira Nossa Senhora da Conceição. Entretanto, somente no ano de 1553, com a criação da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém, a irmandade primaz do Brasil, é que foi encomendada, de Portugal, uma imagem da padroeira, a qual introduziu o culto mariano no país, conhecida como a Imaculada Conceição, também chamada de "Virgem de Anchieta" (pois o beato padre José de Anchieta inspirou-se nela para escrever a obra literária "Poema à Virgem"), que se encontra, hoje, na Igreja Matriz de Sant'Anna. A Irmandade de Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém ainda hoje resiste no município, desempenhando papel importante na condução da festa da padroeira da cidade[carece de fontes?]. O convento é tombado como patrimônio da cidade.

No ano de 1561, surgiu a Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém, desvinculada da Paróquia de São Vicente Mártir, no então povoado que vinha se estabelecendo aos pés do Morro Itaguassú e se manteve como única instituição católica até o ano de 2007, quando ocorreu o seu desmembramento e a criação da Paróquia de Santa Terezinha do Menino Jesus, no bairro de Belas Artes e, no ano seguinte, a denominação de pró-paróquia à Igreja de Nossa Senhora de Sion, no bairro do Suarão.[carece de fontes?].

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 01 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  6. Censo IBGE/Cidades
  7. Departamento de turismo. Disponível em http://www.itanhaem.sp.gov.br/turismo/turismo/rio_itanhaem.html. Acesso em 10 de março de 2013.
  8. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. p. 42. Há um pequeno engano, ouvi do prof. Navarro, em aula, na USP, que significa prato de pedra, o que pode ser confirmado à página 40 do livro citado, vocabulário, 21a palavra: prato - nhaen. Então; ita = pedra + nhaem = prato, logo prato de pedra.
  9. AMARAL, A. B. Dicionário de História de São Paulo. São Paulo. Imprensa Oficial. 2006. p. 351.
  10. http://www.estacoesferroviarias.com.br/i/itanhaem.htm
  11. http://www.estacoesferroviarias.com.br/b/belasartes.htm
  12. http://www.estacoesferroviarias.com.br/s/suarao.htm
  13. Livro: Itanhaém: Um Mar de Histórias. Ana Maria Ferreira, José Rosendo; Ed. Expoente, 2008
  14. Livro: Itanhaém: Um Mar de Histórias. Ana Maria Ferreira, José Rosendo; Ed. Expoente, 2008
  15. Livro: Itanhaém: Um Mar de Histórias. Ana Maria Ferreira, José Rosendo; Ed. Expoente, 2008
  16. http://www.itanhaem.sp.gov.br/turismo/turismo/pontos_turisticos.html
  17. [1] Dados do Estado de São Paulo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]