Júlio Botelho Moniz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2013).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Júlio Botelho Moniz.

Júlio Carlos Alves Dias Botelho Moniz ComCGCCCvAOAComAGOAComSEGCIH (Lisboa, 12 de Outubro de 1900Lisboa, 1970) foi um militar e político que atingiu o posto de general do Exército Português durante o Estado Novo. Apoiante da Revolução Nacional, foi observador do Exército Português na Alemanha nazi no princípio da Segunda Guerra Mundial, Ministro do Interior (1944-1947), adido militar em Madrid e Washington (1949-1951), procurador à Câmara Corporativa, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (1955-1958) e Ministro da Defesa Nacional (1958-1961). Desencantado com a política de intransigência de António de Oliveira Salazar em relação à autodeterminação dos territórios ultramarinos, nas funções de Ministro da Defesa Nacional liderou em Abril de 1961 uma tentativa fracassada de impor uma mudança reformista a partir do próprio regime, forçando a exoneração do ditador e a reforma do Estado Novo[1] [2] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frequentou o Colégio Militar. Foi observador do Exército Português na Alemanha durante a fase inicial da Segunda Guerra Mundial. Entre 6 de Setembro de 1944 e 4 de Fevereiro de 1947 foi Ministro do Interior e chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, do governo de António de Oliveira Salazar. Entre 1949 e1951 foi adido militar em Madrid e Washington, DC. Em Fevereiro de 1953 foi promovido ao posto de general sendo em 1955 nomeado Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas. Entre 14 de Agosto de 1958 e 13 de Abril de 1961 exerceu as funções de Ministro da Defesa, substituindo no cargo Santos Costa. Teve como Subsecretários de Estado os mais tarde generais Afonso de Magalhães de Almeida Fernandes e Francisco da Costa Gomes. Apesar das importantes funções que exercia no seio do Estado Novo, mantinha ligações com elementos da União Liberal Republicana e da oposição ao regime corporativista, entre os quais o tenente Moreira Lopes, Mário Pessoa, David Neto e Carvalho da Silva.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

  • A 4 de Novembro de 1940 foi elevado a Oficial da Ordem Militar de Avis.
  • A 6 de Novembro de 1944 foi elevado a Comendador da Ordem Militar de Avis.
  • A 5 de Fevereiro de 1947 foi elevado a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.
  • A 29 de Setembro de 1951 foi elevado a Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis.
  • A 12 de Junho de 1954 foi elevado a Grã-Cruz com Distintivo Branco da Ordem do Mérito Militar de Espanha.

O Golpe Botelho Moniz[editar | editar código-fonte]

Em Abril de 1961 liderou uma tentativa de golpe de estado, depois designada por golpe Botelho Moniz, no qual conjuntamente com Craveiro Lopes e outras personalidades ligadas aos círculos do poder, intentou forçar a demissão de Salazar no âmbito da legalidade do regime.

Na origem do incidente, na realidade o extremar de uma dissidência interna no seio da elite político-militar do regime, esteve o repúdio sentido por parte da elite governativa, particularmente a mais aberta à influência americana, pela posição de intransigência assumida pelo Governo português em relação à questão da descolonização. A causa próxima da tentativa foram as exigências das potências aliadas, em particular dos Estados Unidos da América, para que Portugal aceitasse o direito à autodeterminação dos seus territórios ultramarinos, no contexto do movimento global de autodeterminação dos povos submetidos a regime colonial que então ganhava ímpeto.

Botelho Moniz, como aliás parte importante da inteligentsia do regime na fase posterior à vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial repudiava a posição oficial sobre a descolonização e a falta de evolução democrática do regime, que contribuíra para as dificuldade de admissão de Portugal na Organização das Nações Unidas, que apenas ocorrera em 1955 e ainda assim ensombrada pela crítica generalizada dos aliados naturais do País e pelo levantamento do veto da URSS apenas conseguido por conveniência conjuntural no âmbito das negociações entre as superpotências. Esta posição de isolamento fora acentuada pelo apoio que desde 1959 o então senador John F. Kennedy publicamente concedera a Holden Roberto, o líder da UPA/FNLA, tornado mais evidente em 1961 quando aquele senador ascendeu à presidência dos Estados Unidos da América.

Foi autor de um conjunto de obras sobre estratégia e questões coloniais[4]

Notas

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fernando Valença, As Forças Armadas e as Crises Nacionais. A Abrilada em 1961. Lisboa : Europa-América, Colecção Estudos e Documentos, 1978 (ISBN 9789721009196).
  • Carlos Henrique Pereira Viana de Lemos, Duas crises: 1961 e 1974. Lisboa : Nova Gente, 1977.
Precedido por
Santos Costa
Ministro da Defesa
1955-1961
Sucedido por
António de Oliveira Salazar