Júlio César de Melo e Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Malba Tahan. Pode-se discutir o procedimento aqui. (desde março de 2015)
Malba Tahan
Nome completo Julio Cesar de Mello e Souza
Nascimento 6 de maio de 1895
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Morte 18 de junho de 1974 (79 anos)
Recife, Pernambuco
Nacionalidade  Brasil
Ocupação escritor e matemático

Julio Cesar de Mello e Souza[1] (Rio de Janeiro, 6 de maio de 1895Recife, 18 de junho de 1974), mais conhecido pelo heterônimo de Malba Tahan (nome completo: Ali Iezid Izz-Edim ibn Salim Hank Malba Tahan), foi um professor, educador, pedagogo, escritor, conferencista e matemático brasileiro. Através de seus romances foi um dos maiores divulgadores da matemática no Brasil. Ocupou a cadeira número 8 da Academia Pernambucana de Letras.

Ele é famoso no Brasil e no exterior por seus livros de recreação matemática e fábulas e lendas passadas no Oriente, muitas delas publicadas sob o heterônimo/pseudônimo de Malba Tahan (Julio Cesar criou o personagem Malba Tahan por acreditar que um escritor brasileiro não chamaria atenção escrevendo contos árabes. Para dar mais verossimilhança à história criou também um tradutor para os livros, o Professor Breno Alencar Bianco). Seu livro mais conhecido, O Homem que Calculava, é uma coleção de problemas e curiosidades matemáticas apresentada sob a forma de narrativa das aventuras de um calculista persa à maneira dos contos de Mil e Uma Noites. Monteiro Lobato classificou-a como: "… obra que ficará a salvo das vassouradas do Tempo como a melhor expressão do binômio ‘ciência-imaginação.’"[2] Julio Cesar, como professor de matemática, destacou-se por ser um acerbo crítico das estruturas ultrapassadas de ensino. "O professor de Matemática em geral é um sádico. — Denunciava ele. — Ele sente prazer em complicar tudo."[3] Com concepções muito à frente de seu tempo, somente nos dias de hoje Julio Cesar começa a ter o reconhecimento de sua importância como educador. Em 2004 foi fundado em Queluz — terra onde o escritor passou sua infância — o Instituto Malba Tahan, com o objetivo de fomentar, resgatar e preservar a memória e o legado de Julio Cesar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Julio Cesar viveu quase toda a infância na cidade paulista de Queluz. Seu pai, João de Mello e Souza, e sua mãe, Carolina de Mello e Souza, ambos professores, tinham uma renda familiar apenas suficiente para criar os nove filhos do casal. Quando criança, já dava mostras de sua personalidade original e imaginativa. Gostava de criar sapos (chegou a ter 50 deles no quintal de sua casa) e já escrevia histórias com personagens de nomes absurdos como Mardukbarian, Protocholóuski ou Orônonsio.[4] e outros sem função no contexto. A infância tranqüila em Queluz, as peripécias de Júlio César e suas relações familiares foram mais tarde descritas pelo irmão escritor João Baptista de Mello e Souza, no livro Meninos de Queluz.

Em 1905, aos dez anos, foi enviado pelo pai ao Rio de Janeiro onde deveria se preparar para o Colégio Militar. Ingressou no Colégio Militar do Rio de Janeiro em 1906, onde permaneceu até 1909 quando se transferiu para o Colégio Pedro II. Uma de suas lembranças como aluno interno do Colégio Pedro II relacionava-se com as aulas do Professor de Português José Julio da Silva Ramos - membro da Academia Brasileira de Letras. Ele passava redações para os alunos fazerem. Os alunos que não faziam, recebiam zero. Esta nota impedia que eles voltassem para casa no final de semana. Como escrevia bem, Julio Cesar passou a vender redações para os colegas e assim conseguia comprar chocolate, pois o que recebia por semana dava apenas para ele ir e voltar para a casa de uma tia, onde passava os finais de semana.

Em outubro de 1912, conseguiu seu primeiro trabalho formal. Foi nomeado, pelo Ministro de Estado da Justiça e Negócios Interiores, Auxiliar da Biblioteca Nacional, tendo assim privilegiada oportunidade de conviver com milhares de livros.

Concluiu o curso de professor primário na Escola Normal do antigo Distrito Federal e, depois Diplomou-se em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1913.

Carreira como Professor[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg O professor de Matemática em geral é um sádico. Ele sente prazer em complicar tudo Cquote2.svg
Julio Cesar de Mello e Souza, criticando os professores de matemática

Júlio César de Mello e Souza começou a ministrar aulas em 1913. Em 1914 sua família mudou-se para o Rio de Janeiro devido à morte de seu pai (1911). Assim, sua mãe poderia acompanhar os estudos de seus filhos menores. Na oportunidade, Carolina de Mello e Souza, fundou um externato em Copacabana, para prover a subsistência de seus filhos. Lá Julio Cesar e seus irmãos trabalharam como professores. Enquanto estudava no curso superior de Engenharia Civil e dava aulas na escola de sua mãe, Julio Cesar era aluno do curso noturno da Escola Normal do Distrito Federal, depois chamada Instituto de Educação.

Em 1921, Julio Cesar assumiu, na Escola Normal, o cargo de Professor Substituto do docente Euclides Roxo, que havia inovado o ensino da matemática e de quem havia sido aluno. Dois anos depois, tornou-se professor desta instituição, por concurso público, onde lecionou durante 40 anos. Mais tarde, tornou-se seu Professor Catedrático do Colégio Pedro II. Lá conheceu Nair Marques da Costa, sua ex-aluna, com quem se casou em 26 de março de 1925.

Lecionou ainda no Instituto de Educação, na Escola Normal da Universidade do Brasil e na Faculdade Nacional de Educação, onde recebeu o título de Prof. Emérito

Começou lecionando História, depois Geografia. Não continuou sendo professor destas disciplinas, pois, segundo ele, elas carecem de atualização constante.

Depois começou a ensinar Física. A prática dos laboratórios o afastou desta área do conhecimento. Decidiu então ensinar matemática, alegando que a matemática era uma disciplina imutável, isenta de valores e organizada por números. Uma curiosidade é que Júlio César foi um aluno com mau desempenho em matemática (seu boletim chegou a registrar em vermelho uma nota dois, em uma sabatina de Álgebra, e raspou no cinco, em uma prova de Aritmética). Julio apontava o ensino tradicional como vilão.[5]

Júlio César não gostava da didática da época, que se resumia a cansativas exposições orais. Mal-humorado, classificou-a mais tarde como "O detestável método da salivação". Ele defendia o uso dos jogos nas aulas de Matemática. Enquanto os outros professores usavam apenas o quadro-negro e a linguagem oral, ele recorria à criatividade, ao estudo dirigido e à manipulação de objetos. Suas aulas eram movimentadas e divertidas. Defendia a instalação de laboratórios de Matemática em todas as escolas. Em sala de aula, não dava zeros, nem reprovava. "Por que dar zero, se há tantos números?", dizia. "Dar zero é uma tolice". O professor Julio Cesar encarregava os melhores da turma de ajudar os mais fracos. "Em junho, julho, estavam todos na média', garantiu no depoimento ao Museu da Imagem e do Som.[6]

Por isso, diz-se que ele foi o precursor de uma tendência que se afirma com vigor e tem adeptos em todo o Brasil: a Educação Matemática.

Sua fama como pedagogo logo se espalhou e ele era convidado para palestras em todo o país.

Ensinou também no Instituto de Educação e na Escola Nacional de Educação. Além das aulas, Julio Cesar proferiu mais de 2000 palestras por todo o Brasil e em algumas localidades do exterior. Ficou célebre por sua técnica como contador de histórias e por sua atuação inovadora como professor.

No início da década de 1930 ele criticou Jacomo Stávale e Algacyr Maeder, respectivamente, sobre suas publicações didáticas em matemática[7] .

A carreira de escritor[editar | editar código-fonte]

A carreira de Julio Cesar como escritor começou com uma colaboração ao jornal O Imparcial. Foi nesta época que nasceu a idéia de criar um pseudônimo. Júlio César gostava de escrever e, conhecedor de como se dava o funcionamento do jornal, sabia que o mesmo dispunha de espaço para publicações literárias. Assim, enviou alguns de seus contos à Leônidas Rezende (diretor do jornal, à época), pedindo-lhe para que fossem publicados, pois eram curtos e as pessoas poderiam ler no bonde. Mas Leônidas não deu importância ao trabalho de Júlio, e os papéis ficaram vários dias jogados sobre uma mesa da redação. Sem fazer nenhum comentário, Julio pegou o trabalho de volta. No dia seguinte levou os mesmos contos ao jornal, mas com a assinatura de R. S. Slade, um fictício escritor americano. Disse ao editor que tinha acabado de traduzi-los e que faziam grande sucesso em Nova York. O primeiro deles (A Vingança do Judeu) foi publicado já no dia seguinte, na primeira página. Os outros quatro tiveram o mesmo destaque posteriormente. Júlio aprendeu a lição e decidiu virar Malba Tahan[8] . Assim, nos anos seguintes, o jovem escritor estudou a fundo todos os aspectos da cultura árabe e da oriental. Em 1925, propôs a Irineu Marinho, dono do jornal carioca A Noite, uma série de "contos de mil e uma noites", escritos pelo escritor fictício Malba Tahan, que assinava os contos (que normalmente se passavam no Oriente) com comentários do igualmente fictício Prof. Breno de Alencar Bianco. Ao ler os contos, Marinho gostou muito e pediu a seu secretário, Euricles de Mattos, para que esse trabalho fosse publicado com destaque na primeira página do Jornal. O título do trabalho seria "Contos das Mil e Uma Noites" e os contos seriam precedidos por uma biografia de Malba Tahan; assim, os leitores não saberiam que Malba Tahan era um pseudônimo.

A partir de 1925, o jornal paulista Folha da Noite também passou a publicar os contos de Malba Tahan numa seção denominada "Contos Árabes de Malba Tahan."

Após ter publicado seus contos nos jornais A Noite e Folha da Noite, Malba Tahan lançou um livro denominado Contos de Malba Tahan e o inscreveu num concurso da Academia Brasileira de Letras (ABL), porém não foi contemplado. Mas, em 1930, Tahan foi condecorado por esta academia pelo livro Céu de Allah e, em 1939, pelo livro O Homem que Calculava.

A partir de um determinado momento, não foi mais possível separar o nome brasileiro Júlio César de Mello e Souza do nome árabe Malba Tahan, havendo aí uma fusão entre o real e o fictício. Por esse motivo, em 1954, por um decreto especial ao Ministério da Justiça, Getúlio Vargas autorizou a presença do pseudônimo Malba Tahan na carteira de identidade de Júlio César de Mello e Souza. Desde então, assume o falso nome em todas as suas obras.[9]

A "farsa artística" de Mello e Souza não ficaria escondida por muito tempo. A figura do árabe escritor foi revelada apenas oito anos depois do lançamento do primeiro livro de Malba Tahan, Contos de Malba Tahan (de 1925). Em 1933, a poetisa Rosalina Coelho Lisboa, constatou que Radiales Kipling, indicado como tradutor da obra “Sama-Ullah, contos orientais”, nunca fizera aquele tipo de trabalho. Mello e Souza, por distração, provocação ou mesmo numa tentativa de ser reconhecido, havia colocado em um de seus livros uma relação das “Obras de Malba Tahan”, com informações sobre tradutores.[10]

Entre os anos de 1933 e 1939, foram publicados ou reeditados mais de quinze títulos assinados por Malba Tahan, além de vinte e nove didáticas para o ensino de matemática, assinadas por Júlio César de Mello e Souza.

Até o fim da vida, Julio Cesar escreveu e publicou livros de ficção, recreação e curiosidades matemáticas, didáticos e sobre educação, com seu nome verdadeiro ou com o ilustre pseudônimo.

Produziu 69 livros de contos e 51 de matemática. Sua obra mais famosa, O Homem que Calculava, já foi traduzida para mais de 12 idiomas. Entre outros livros de destaque do autor estão Salim, o mágico, Lendas do deserto, A caixa do futuro e Mil histórias sem fim.

Trabalhou ainda como diretor responsável da Revista Al-Karizmi, registrada em 1946. Esta revista publicava recreações matemáticas, jogos, curiosidades, histórias, problemas, artigos de colaboradores e uma extensa coleção de livros. Além desta, atuou nas revistas Damião (1951) e Lilaváti (1957)

Movimento Literário e Estilo[editar | editar código-fonte]

Júlio César costuma ser classificado como um escritor do modernismo brasileiro. Sua obra, no entanto, foca no didatismo para ensinar a matemática e não pode ser comparada a outros autores do período.[11]

Ele estabeleceu uma didática própria, que buscava transformar a matemática em uma disciplina divertida. Investia em diferentes formas de ensinar, fugindo do tradicional modelo que utiliza fórmulas já determinadas. O autor colocava desafios matemáticos nos livros, aguçando a criatividade e incentivando a descoberta.[11]

Juntamente com Cecil Thiré, Euclides Roxo e Irene Albuquerque, participou do movimento de modernização do ensino da matemática no Brasil.

Outras atividades[editar | editar código-fonte]

Julio Cesar foi um enérgico militante também conhecido por Júlio Gatoso pela causa dos hanseníacos. Por mais de 10 anos editou a revista Damião, que combatia o preconceito e apoiava a humanização do tratamento e a reincorporação dos ex-enfermos à vida social. Deixou, em seu testamento, uma mensagem de apoio aos hanseníacos para ser lida em seu funeral. Com 520000 pessoas que foram para homenageá-lo.

Julio César foi ainda apresentador de programa nas rádios Nacional, Clube e Mairynk Veiga do Rio e da TV Tupi (Rio) e Canal 2 (atual TVC - São Paulo).

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Julio César de Mello e Souza faleceu no dia 18 de junho de 1974, em Recife (vítima de um ataque cardíaco) onde estava ministrando os cursos “A Arte de Contar Histórias” e “Jogos e Recreações” no Colégio Soares Dutra. Deixou uma série de ilustrações para seu sepultamento (que aconteceu no Rio de Janeiro): além da mensagem que devia ser lida, exigiu caixão de terceira classe, plantas anônimas, nada de coroas, de luto e de discursos. Tudo para que seu enterro fosse “o mais modesto possível”.[12]

Obras[editar | editar código-fonte]

Julio Cesar escreveu ao longo de sua vida cerca de 120 livros (sendo 69 de contos e 51 de de matemática recreativa, didática da matemática, história da matemática e ficção infanto-juvenil), tendo publicado com seu nome verdadeiro ou sob pseudônimo.

Os livros escritos como "Prof Mello e Souza", depois da criação do Malba Tahan, aparecem assinados com os 2 nomes, com Malba Tahan aparecendo em destaque (já que este tornara-se mais famoso que o próprio).

Já os livros assinados apenas por Malba Tahan, não há menção alguma ao "Prof Mello e Souza".

Como "Prof Mello e Souza"[editar | editar código-fonte]

Julio Cesar de Mello e Souza escreveu alguns livros de Matemática com colegas do Colégio Pedro II, como Cecil Thiré e Euclides Roxo e Irene Albuquerque. Eles participaram do movimento de modernização do ensino da matemática no Brasil. Uma das finalidades destes autores era associar a matemática com diversão, lazer, prazer, criatividade e alegria. Durante muitos anos, Julio Cesar foi responsável pela Revista Al-Karism de recreações matemáticas.

Ano de Lançamento Título Descrição
1930 Curso de Matemática 3º Ano Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1932 Matemática Comercial Com a colaboração de Cecil Thire e Nicanor Lengruber
1932 Matemática 1º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
1932 Matemática 2º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
Exercícios de Matemática 5º Ano Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
Exercícios de Matemática Comercial Com a colaboração de Cecil Thire e Nicanor Lengruber
Matemática Financeira Com a colaboração de Cecil Thire e Nicanor Lengruber
1932 Trigonometria Hiperbólica Estudo das funções hiperbólicas e suas aplicações. Tese para concurso.
1933 Curso de Matemática 4º Ano Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1933 Estudo elementar das curvas Tese para concurso. Nesse livro foram estudadas curvas definidas por equações moduladas.
1933 Funções Moduladas Representação cartesiana das funções moduladas. Primeiras noções. Estudo totalmente original em Matemática.
1934 Matemática Divertida e Curiosa Jogo, recreações e problemas curiosos. Figura nesse livro o famoso problema dos sete navios de Laisant.
1934 Geometria Analítica - no espaço de duas dimensões Livro didático. Estudo dos sistemas de coordenadas. Estudo da reta e das curvas notáveis.
1934 Exame de Admissão Com a colaboração de Cecil Thire
Exercício e Formulários de Geometria Com a colaboração de Cecil Thire
Curso de Matemática 1º Ano Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1936 Matemática 3º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
Exercício de Matemática 1º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
Exercício de Matemática 2º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
1936 Curso de Matemática 5º Ano Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1937 Tudo é Fácil Com a colaboração de Irene de Albuquerque
1938 Matemática Fácil e Atraente Com a colaboração de Irene de Albuquerque
1938 Exercício de Matemática 3º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
1939 Histórias e Fantasias da Matemática A vida Pitágoras. Origem da geometria. Estudo da reta. O planeta 293. O escândalo da Geometria. A Matemática na vida Militar, etc... Figura nesse livro o famoso conto oriental "Minha Paixão pela Doutora".
1940 Dicionário Curioso e Recreativo da Matemática Obra em dois volumes e três fascículos, até à letra “F”. Terminou na letra “E” por causa da deficiência de meios tipográficos (sinais matemáticos).
1940 Curso de Matemática 2º Ano Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
Exercício de Matemática 4º Ano Com a colaboração de Cecil Thire
1941 Matemática Divertida e Pitoresca Problemas curiosos. Sofismas algébricos. Recreações geométricas, etc...
1942 Matemática Divertida e Fabulosa Problemas curiosos. Recreações geométricas. Frases célebres. Erros e disparates.
1943 Matemática Ginasial 1º Série Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1943 Matemática Ginasial 2º Série Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1943 Matemática Divertida e Diferente Curiosidades numéricas. Erros e disparates. Anedotas. Problemas curiosos. Números cabalísticos. Epigramas geométricos. Paradoxos, etc...
1943 Diabruras da Matemática Problemas curiosos. Sofismas algébricos. Singularidade dos números. Adivinhações matemáticas. Cálculos pitorescos. Recreações geométricas, etc...
1944 Matemática Ginasial 3º Série Com a colaboração de Cecil Thire e Euclides Roxo
1945 Meu Caderno de Matemática Matemática para curso de admissão.
1945 As Grandes Fantasias da Matemática A origem dos números. A gloria de um irracional. Divisão Áurea. O problema das abelhas. O profeta, o anti-cristo e a Matemática. Dona Derivada sorriu para você. Curvas curiosas e delirantes, etc... Alguns artigos foram aproveitados em obras posteriores.
1947 O Escândalo de Geometria Estudo elementar das geometrias não-euclidianas, seguindo de um estudo das primeiras nações elementares sobre o conceito da curvatura.
1950 Matemática, Aritmética Série admissão. Livro didático.
1951 Matemática Suave e Divertida Contos, Histórias e Problemas Curiosos. Recreações e charadas matemáticas. Números singulares. Aritmética divertida. Álgebra pitoresca, etc...
1954 Folclore da Matemática Lendas, Histórias e Curiosidades. Os números nas tradições sertanejas, na linguagem popular, etc...

Este livro seria chamado mais tarde de "Os Números Governam o Mundo"

1955 Diário de Lúcia Com a colaboração de Irene de Albuquerque
1955 Alegria de Ler Antologia moderna, organizada especialmente para o Curso de Admissão.
1957 Técnicas e Procedimentos Didáticos no Ensino da Matemática Fatores que interferem no ensino da Matemática.
1957 A Arte de Ler e de Contar Histórias Livro de feição rigorosamente didática, com várias fotografias.
1957 Didática da Matemática Pequena súmula sobre problemas da Didática em Matemática. A Matemática, seu conceito e sua importância. Alguns capítulos foram incluídos em outras obras.
A Arte de Ser um Perfeito Mau Professor Livro inspirado no sábio preceito de Santo Agostinho: “Condenar com intransigência o pecado, mas tudo fazer para esclarecer e salvar o pecador”.
1958 Apostilas de Didática Especial da Matemática Com a colaboração de Manoel Jairo Bezerra e Ceres Marques de Moraes
1959 A Equação da Cruz Publicada pelo autor para o III Congresso Brasileiro do Ensino da Matemática. Rio 1959. Apresenta o autor uma equação do 1º grau cuja pintura é uma Cruz
1960 Antologia da Matemática I Contendo histórias, lendas e fantasias. Paradoxos e curiosidade. Recreações numéricas. Problemas célebres. Astronomia pitoresca. Erros famosos, etc... com muitas notas, pensamentos e ilustrações. Figura nesse livro o famoso conto intitulado No Círculo do Chicote.
1961 Antologia da Matemática II Coletânea de curiosidades, biografias contos e fantasias, problemas famosos. Figura nesse livro um estudo bastante curioso sobre a estrela mais próxima do sol.
1961 Didática da Matemática, Volume 1 Conceito de Matemática. O algebrismo. Métodos obsoletos e Métodos clássicos. Valores da Matemática. Procedimentos didáticos. Métodos clássicos. O método da preleção em Matemática. O método da lição marcada. O método heurístico.
1962 Didática da Matemática, Volume 2 O estudo dirigido e semi-dirigido em Matemática. O método do laboratório. O método eclético comum. O jogo de classe em Matemática. As teorias sobre o jogo. Metodologia do jogo de classe. Recreações matemáticas.
1962 Matemática Divertida e Delirante Problemas curiosos. Erros e disparates. Números cabalísticos. Astronomia pitoresca. Recreações numéricas. Sofismas e paradoxos. Animais calculadores. Lenda e fantasias.
O Jogo do Bicho à Luz da Matemática
1965 Os Números Governam o Mundo Curiosidades numéricas colhidas no folclore da Matemática.
1965 Matemática Recreativa Fatos e fantasias. Erros e singularidades. Curiosidades sobre as expressões matemáticas. Anedotas famosas. Estudo completo sobre Palindromia.
1965 O Problema das Definições em Matemática Erros, dúvidas e curiosidades. Conceitos que não podemos definir. Como definir o tempo? Os princípios de Pascal. As definições e suas modalidades. Problemas relacionados com as definições.
1966 O Mundo Precisa de Ti Professor Primeiras noções sobre a ética Profissional do Professor
1966 O Professor e a Vida Moderna Casos, contos e comentários. Estudo do método dos jograis com caderno dirigido. Figura nesse livro o famoso conto “O Professor e a Borboleta”.
1966 A Lógica na Matemática Como definir o conceito. A base lógica da matemática. Regras de Pascal. Definição lógica. O método axiomático. As diversas axiomáticas. As demonstrações em Matemática. A base lógica da Matemática. Com várias notas, gravuras e curiosidades.
Antologia do Bom Professor Artigos e comentários de alto interesse para o mestre em geral.
1969 Páginas do Bom Professor Trechos selecionados sobre Pedagogia, notas, conceitos e observações notáveis.
1969 Roteiro do Bom Professor
1973 Acordaram-me de madrugada Recordações de antigo aluno do Colégio Pedro II.
1974 A Matemática na Lenda e na História
1974 As Maravilhas da Matemática Estudos das curvas patológicas. Curiosidades Matemáticas. Problemas notáveis. A Matemática das abelhas. Os mártires da Matemática. O paradoxo do infinito. Goethe e a tabuada da feiticeira. A pirâmide humana de Newton. O ponto de ouro.
Tábuas Completas (logarítimos e formulários) Logarítimos e formulários. Aritmética e Álgebra, Geometria e Trigonometria. Geometria Analítica. Cálculo Diferencial. Cálculo Integral.
Pathimel Com a colaboração de Cecil Thire e Jurandir Paes Leme
Damião Assunto: Revista dedicada a causa do reajustamento social do hanseniano.

Como Malba Tahan[editar | editar código-fonte]

Os livros assinados apenas como Malba Tahan trazem fábulas e lendas passadas no Oriente, à maneira dos contos de Mil e Uma Noites.

Ano de Lançamento Título Descrição
1925 Contos de Malba Tahan
  • Somente o primeiro volume foi assinado pelo Prof Mello e Souza. A partir do 2o, foi assinado por Maba Tahan
  • Com esse livro iniciou Malba Tahan a sua carreira literária.
1927 Céu de Allah
  • Contos orientais.
  • Figuram nesse livro, além de vários outros, três contos famosos: “O livro do destino”, “Os três homens iguais” e “O mendigo das moedas de ouro”. Menção honrosa da ABL.
1929 Amor de beduíno Contos orientais. Prefácio do saudoso Prof. Jean Achar. Capa do professor Chamberland. Os contos foram incluídos em outros livros. É obra muito rara.
1929 Lendas do deserto Contos orientais.
1931 Mil Histórias Sem Fim, vols 1 e 2
1931 Mil Histórias Sem Fim, vols 1 e 2
1933 Lendas do céu e da terra
  • Lendas cristãs.
  • Livro aprovado pela igreja católica.
  • Alguns trechos desse livro já foram citados por ilustres e brilhantes pregadores brasileiros.
  • Adotado como livro de leitura em muitos colégios religiosos do Brasil.
1933 Lendas do oásis Contos orientais.
1935 Maktub Lendas orientais. Com uma carta-prefácio do General Turco Khara Ulugberg.
1935 Amigos Maravilhosos Novela infantil. Todos os episódios são ocorridos no interior do Ceará.
1936 Alma do oriente Contos orientais. Notas curiosas sobre a vida árabe e os nômades do deserto.
A pequenina luz azul Conto infanto-juvenil de origem árabe.
1937 Novas Lendas do Deserto Contos orientais.

Os contos que figuram neste livro passaram para outros do mesmo autor.

1938 O Homem que Calculava: aventuras de um singular calculista persa
1939 Paca, Tatu... Contos infantis. Com um apêndice no qual figuram sugestões e indicações metodológicas sobre a Arte de Contar Histórias. Foi incluída na parte final a história, “História da Onça que queria acordar cedo”, na qual são estudadas as vozes dos animais.
1941 A sombra do arco-íris, vols 1, 2 e 3 Obra em três volumes, com prefácio do autor. Novela oriental para adolescentes, na qual foram incluídos 870 poetas brasileiros e mais de 100 poetas estrangeiros. Figuram no livro os versos mais famosos da língua portuguesa.
1943 Lendas do povo de Deus
  • Contos yidsches. Preces, lendas, parábolas e alegorias israelitas extraídas do Talmude, da Bíblia, de livros santos e das principais antologias judaicas.
  • Figuram nessa obra lendas judaicas e algumas parábolas de Jesus.
1943 O Livro de Aladim Contos orientais, contendo várias notas sobre o Islam.
O Rabi, o Cocheiro e os Anjos de Deus. Contos idsche, para adolescentes, e adultos.
Os Sonhos do Lenhador Conto chinês. Como pode um juiz fazer justiça equiparando a realidade ao sonho.
1947 O Guia Carajá Lenda do sertão do Brasil.
1947 O Inferno de Dante (vols 1 e 2) Tradução anotada e Comentada sob a forma de narrativa. Com a biografia completa de Dante Alighieri.
1950 A Caixa do Futuro
1951 Lendas do bom rabi Seleção de contos.
1951 Minha vida querida Precedido do artigo Radia! Radia! (O Poeta das três Recusas) e biografia de Malba Tahan.
1954 Aventuras do rei Baribê Romance oriental infanto-juvenil. Nesse livro foi incluída a famosa lenda sobre a origem da palavra xibolete.
1954 Seleções Uma seleção dos melhores contos
1955 Meu Anel de Sete Pedras Estudos relacionados com o folclore da Matemática. Adivinhas populares. Unidades pitorescas. Problema da Besta do Apocalipse, etc...
1955 A Lua Astronomia dos Poetas Brasileiros. Estudo da Lua. Lendas e tradições sobre a Lua. A Lua e os mitos simbolismo da Lua. O folclore e a lua. A Lua e o luar na poética brasileira. Erros, crendices e superstições. A verdade sobre a lua.
1955 Sob o Olhar de Deus Romance. Problemas sociais e religiosos de alta profundidade são debatidos nesse romance que não poderá, de forma alguma, interessar às crianças. Mesmo em se tratando de obra estritamente moral, seus conceitos só podem ser assimilados por espíritos esclarecidos.
A Girafa Castigada Conto infantil inspirado no Evangelho.
Al-Karismi Assunto: Recreações Matemáticas.
Lilavati Assunto: Recreações Matemáticas.
1956 Mil Histórias sem Fim
1958 Caixa do futuro Novela infantil. Nesse curioso romance aparece um país chamado Brenan, onde tudo é brenan.
1959 Novas Lendas Orientais Figuram nesse livro, as lendas mais curiosas do Oriente: “A Primeira Rúpia”, “Treze, Sexta Feira”, “Uma Aventura de amor no Reino do Sião”, etc...
1959 O Bom Caminho Compêndio para educação moral e religiosa. Para o Curso Ginasial. Livro aprovado pela Igreja Católica.
1962 Terceiro Motivo Conto e lendas orientais.
O Tesouro de Bresa Conto que vem relembrar a velha Babilônia.
1967 A Estrela dos Reis Magnos
1967 Romance do Filho Pródigo Romance baseado na parábola do filho pródigo, que é uma das páginas mais comoventes do Evangelho.
1967 Ainda não Doutor
1969 Numerologia Sete notáveis preceitos sobre o nome. A numerologia e seu segredo. O número da Besta do Apocalipse. Os números do Apocalipse. Como proceder ao estudo numerológico do nome.
1970 Iazul Seleção dos mais curiosos e atraentes contos orientais.
1970 Salim, o Mágico Novela ocorrida durante o califado El-Walid, de Damasco, na qual, mercê de acontecimentos dramáticos de absoluta singularidade, um crente de Allah atinge o apogeu do prestígio e da gloria ocupando os mais altos cargos da corte.
1970 O Mistério do Mackensista Estranho caso policial verídico. Trata-se de um livro profundamente humano cuja finalidade é lutar com desassombro por uma causa nobre (reabilitação dos hanseniano). É livro que encerra muitas curiosidades revestidas do mais alto espírito de veracidade.
1974 Belezas e Maravilhas do Céu
A História Da Onça Que Queria Acordar Cedo Conto para criança. A sua finalidade precípua é ensinar ao pequenino leitor mais de cem vozes de animais.

Biografia de seus Pseudônimos[editar | editar código-fonte]

Malba Tahan[editar | editar código-fonte]

Professor Breno Alencar Bianco[editar | editar código-fonte]

Breno Alencar Bianco é um outro pseudônimo do Julio Cesar. Este nome foi escolhido para homenagear o General Heitor Bianco de Almeida Pedroso. As iniciais BAB, em persa, significam “porta”.

Julio Cesar criou este personagem para auxiliá-lo na composição dos enredos, escrevendo as notas de rodapé e sendo o tradutor do árabe para português das obras de Malba Tahan.

Salmoão IV[editar | editar código-fonte]

Aos 12 anos de idade, uma das brincadeiras prediletas de Julio Cesar era escrever e publicar uma revistinha feita à mão, com reportagens, histórias ilustradas e adivinhas. A revista chamava-se "ERRE!" e, em janeiro de 1908, assinou-a como sendo o editor Salomão IV, seu primeiro pseudônimo.

Honrarias[editar | editar código-fonte]

  • Existe uma rua no Rio de Janeiro, no bairro de São Cristovão, chamada "Melo e Souza", em sua homenagem.

Referências

  1. À época do nascimento do biografado, seu nome era escrito segundo a ortografia arcaica: Mello e Souza
  2. "Carta de Monteiro Lobato". IN: Mil Histórias Sem Fim. 2º vol. 4º ed. Rio de Janeiro: Conquista, 1957. p. 223.
  3. Luiza Villamea. "Malba Tahan – o genial ator da sala de aula". IN: Revista Nova Escola, ano X, nº 87, set. 1995. p. 9.
  4. Luisa Villamea. idem. p. 10.
  5. unisinos.br/
  6. recantodasletras.com.br/ Júlio César de Mello e Souza é o famoso Malba Tahan.
  7. rbhm.org.br/ Mello e Souza e a Crítica aos Livros Didáticos de Matemática
  8. record.com.br/ Malba Tahan (Prof. Júlio César de Mello e Souza)
  9. jornalolince.com.br/ A LITERATURA INFANTIL DE MALBA TAHAN: UM CALEIDOSCÓPIO INTERDISCIPLINAR
  10. DEPOIMENTO de Malba Tahan, 1973, Museu da Imagem e do Som
  11. a b educacao.globo.com/
  12. malbatahan.com.br/ Carta Testamento de Malba Tahan. Acessado em: março/2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Júlio César de Melo e Sousa