Júpiter na ficção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O sistema de Júpiter é comumente utilizado em obras de ficção científica. Embora o planeta não tenha uma superfície sólida onde alguém possa aterrissar, e suas temperaturas, altos níveis de radiação e sua forte gravidade fazem do planeta em si hostil para vida humana, o planeta foi utilizado como cenário de obras mais antigas, com obras mais modernas utilizando seu extensivo sistema de satélites como cenário.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Chapolin Colorado uma vez enfrentou um bebê jupiteriano, mandado para terra por Júpiter sucumbir a uma guerra atômica. O bebê apresenta um crescimento muito acelerado, segundo o Chapolin, pelo raio de Júpiter ser muito maior que o da Terra. No final, era apenas um sonho que o Chapolin teve, ao ser atingido na cabeça por um disco voador de brinquedo.

Em obras escritas[editar | editar código-fonte]

  • Em Micromégas, de Voltaire (1752), o heroi e seu companheiro de Saturno param em Júpiter[1] por um ano, onde tomam conhecimento de "segredos bastante remarcáveis".[2]
Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Referências

  1. Kragh, Helge; Pedersen, Kurt Møller. The Moon that Wasn't: The Saga of Venus' Spurious Satellite. [S.l.]: Springer, 2008. p. 28. ISBN 3764389087.
  2. Voltaire; Cuffe, Theo; Mason, Haydn Trevor. Micromégas and other short fictions. [S.l.]: Penguin Classics, 2002. p. 24. ISBN 0140446869.
  3. Bould, Mark. In: Sherryl Vint, Adam Roberts. The Routledge Companion to Science Fiction. [S.l.]: Taylor & Francis, 2009. p. 20. ISBN 041545378X.
Ícone de esboço Este artigo sobre Júpiter é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.